Invenção promete melhorar a postura e prevenir dor nas costas

Independentemente de a má postura estar desencadeando dor, consultar um especialista é a alternativa mais segura

por Valéria Mendes 06/06/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

UpRight/Divulgação
Pequeno, o dispositivo pesa 30 gramas (foto: UpRight/Divulgação)
Vários estudos na literatura científica comprovam a relação da má postura e a dor nas costas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 80% das pessoas sentem ou vão sentir o incômodo na coluna vertebral em algum momento da vida. Pensando nisso, um israelense desenvolveu um dispositivo que promete ajudar na correção postural. Chamado de ‘UpRight’, o idealizador Oded Cohen quer colocar a invenção no mercado e, para isso, conta com um financiamento coletivo que já atingiu quase metade da quantia necessária para lançar o produto.

Sente-se direito para ler esta matéria

O funcionamento é simples: o aparato de 30 gramas usa diversos sensores para identificar quando a pessoa sai da posição correta e vibra suavemente para avisá-la. Ele é fixado na parte inferior das costas por uma fita adesiva hipoalergênica e pode ser recarregado via USB.

 

Leia também: Revolução da tecnologia 'usável' promete uma vida mais saudável, mas levanta desconfiança

 

 

ASCOM CREFITO-4/Divulgação
"A utilização de um dispositivo como única forma de tratamento não é suficiente já que não corrige a causa da disfunção física que levou a má postura e respectivas dores" - Anderson Luís Coelho (foto: ASCOM CREFITO-4/Divulgação)
No vídeo em que detalha o protótipo, Cohen diz que quando era pequeno, sua mãe sempre o alertava para se sentar e se levantar de maneira correta. Para ele, o excesso de horas dedicadas ao computador, smartphones e videogames é inimigo da coluna. Se o produto será economicamente viável, ainda não se pode afirmar, mas para o fisioterapeuta e presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região (CREFITO-4), Anderson Luís Coelho, a ideia é interessante. “Parte do princípio de que um estímulo sensorial (vibração) alerte o indivíduo sobre sua postura incorreta e, na sequência, provoca uma resposta motora voluntária para o policiamento da postura”, afirma.

Passar muito tempo sentado faz mal; entenda


O especialista explica, entretanto, que o próprio corpo é capaz de realizar essa função sem que sequer o indivíduo perceba. “Existem mecanismos fisiológicos neuromusculares que realizam essa tarefa durante o dia. Desse modo, se a pessoa apresenta uma alteração postural, esse mecanismo natural não está sendo satisfatório e é necessária uma investigação minuciosa para determinar os reais motivos que estão desencadeando essas alterações”, alerta. Além disso, apesar de o ‘UpRight’ incentivar o policiamento da postura, não é possível garantir que quem use conseguirá manter a posição correta quando não estiver com o dispositivo.

Para Anderson, apesar de Oded Cohen prometer uma postura perfeita em poucas semanas, a questão é mais ampla. “A utilização de um dispositivo como única forma de tratamento não é suficiente já que não corrige a causa da disfunção física que levou a má postura e respectivas dores”, pontua.

UpRight/Divulgação
(foto: UpRight/Divulgação)
O fisioterapeuta diz que a tecnologia tem, sim, contribuído para hábitos sedentários na população e, por consequência, na adoção de posturas incorretas. No entanto, tratá-la como a grande vilã significa desconsiderar que os problemas posturais têm causas multifatoriais e são influenciados por fatores intrínsecos e extrínsecos. Entre eles, o fisioterapeuta cita o transporte inadequado de cargas, gestos laborais incorretos incluindo rotações e inclinações da coluna, permanência na posição sentada e estática por longos períodos de tempo, processos degenerativos e reumatológicos, posição de dormir ou mobiliário inadequados.

Saiba o que é mito e o que é verdade sobre dores na coluna

Coletes
Já consolidados, os coletes também precisam ser utilizados com indicação de profissionais de saúde, mas, em comparação com o ‘UpRight’ eles têm uma desvantagem. “O novo dispositivo incentiva a melhora da postura através de contrações musculares ativas e não por estabilização passiva”, explica Anderson Luís Coelho. Por outro lado, não se pode esquecer que os coletes são ferramentas importantes para tratamentos pós-cirúrgicos, fraturas e desvios graves do eixo vertebral.

Escoliose
Outra promessa do israelense Oded Cohen é tratar a escoliose. Nesse caso, o presidente do CREFITO, não vê com bons olhos. “O desvio postural lateral da coluna possui causas multifatoriais e devem ser tratadas de forma específica em cada paciente. Dessa forma, o uso do UpRight pode reforçar ou até mesmo agravar o quadro”, alerta.

A regra de ouro continua a mesma. Independentemente de a má postura estar desencadeando dor, consultar um especialista é a alternativa mais segura. Atualmente, existem diversos métodos e recursos terapêuticos com evidências científicas para o tratamento das disfunções e desequilíbrios posturais. Desde os mais conhecidos, como o pilates e a Reeducação Postural Global (RPG), mas também o Método Mackenzie, Estabilização Central, Estabilização Segmentar, Técnicas de Energia Muscular, Método de Cadeias Musculares e o Isostretching.

UpRight/Divulgação
(foto: UpRight/Divulgação)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA