Mulheres são minorias entre os dependentes de crack

Estudo da Fiocruz mostra que 22% dos viciados nesse subproduto mais sujo e barato da cocaína são mulheres

por Agência Estado 04/06/2014 09:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Considerado o mais completo estudo feito até hoje sobre o perfil epidemiológico dos dependentes de crack, a Estimativa do Número de Usuários de Crack e/ou Similares nas Capitais do País, feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), mostra que 22% dos viciados nesse subproduto mais sujo e barato da cocaína são mulheres.

O estudo, encomendado pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), divulgado no domingo, 01, pelo jornal O Estado de S. Paulo, fez levantamentos domiciliares e, pela primeira vez, nos locais de consumo coletivo de crack. Das 50 pessoas entrevistadas, quatro eram mulheres com filhos - uma delas, grávida.

Os pesquisadores ressaltam que estudos anteriores, só com entrevistas domiciliares, apontavam uma proporção maior de mulheres (40%). “Tal achado está em sintonia com a literatura nacional, que aponta presença masculina maior em cenas abertas e na interface com o tráfico”, observa a Fiocruz.

Em cidades pequenas do interior, a existência de “cracolândias” é menor do que nas grandes cidades, o que não significa que o uso de drogas também seja reduzido.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA