Saúde da mulher: Adolescentes podem optar por interromper a menstruação?

Especialista discute se a conveniência pode ser justificativa para que uma menina pare de menstruar. Essa demanda é dela ou da mãe?

por Letícia Orlandi 16/05/2014 09:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

“Vamos viajar nestas férias e minha filha não gostaria de ficar menstruada durante esse período”. Essa demanda, cada vez mais comum nos consultórios, motivou a ginecologista e vice-presidente do Comitê de ginecologia infanto-puberal da Sogimig, Ana Cristina Correa Costa, a abrir o debate sobre o tema. “A amenorreia induzida, geralmente por medicamentos anticoncepcionais, tem poucas indicações formais. Mesmo que a adolescente sofra com fluxo exagerado, cólicas e enxaquecas, há outras medidas, que não a supressão da menstruação, para aliviar os sintomas”, define a especialista.

Divulgação
Ana Cristina Correa Costa: a amenorreia induzida tem poucas indicações formais (foto: Divulgação)
Há casos bem específicos, como de atletas de alta performance, por exemplo, que podem ter a necessidade de suspender a menstruação esporadicamente. “Mas nunca recebi um caso assim. As justificativas sempre são eventos sociais e viagens de férias. Além de trabalhar com adolescentes, sou mãe de adolescente; e percebo que essa medida antinatural muitas vezes parte mais da mãe do que da menina”, pontua Ana Cristina. “Uma coisa é uma mulher adulta decidir que quer interromper a menstruação, outra coisa é uma menina ser educada precocemente a evitar esse sinal tão próprio do corpo feminino”, completa.

A ginecologista observa que o uso do anticoncepcional em meninas jovens não está associado ao maior risco de desenvolvimento de doenças ou de infertilidade no futuro. O problema é outro, e vincula-se a uma característica muito contemporânea. “Como médica, considero que sou também educadora, e percebo que crianças e jovens estão sendo cada vez menos preparados para a frustração. Se incomodou, a primeira reação dos pais é retirar a fonte do problema. A interrupção da menstruação - esporádica ou definitiva - está nesse pacote e só deve ser feita de forma muito bem avaliada e orientada, e não de maneira indiscriminada”, defende.

A médica pondera que há sim, indicações (formais e informais) da amenorreia induzida para:

-reduzir o sofrimento extremo de algumas adolescentes na TPM - isso se eles não puderem ser controlados com outros medicamentos;

-pacientes que têm dificuldades de coagulação ou determinados problemas neurológicos, como aqueles acompanhados de convulsões, que podem ser agravadas no período pré-menstrual.

“Nada pode ser levado a ferro e fogo. Supressão da menstruação não é para todas, assim como a reposição hormonal na menopausa não pode ser indicada sem critérios bem rigorosos e personalizados”, conclui a representante da Sogimig.

 

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA