Pense antes de falar: a palavra levanta ou derruba, emociona ou fere, aproxima ou afasta

Se saudável, é do bem. Do contrário, pode ser destrutiva. A palavra traz felicidade ou decepção, expressa pensamento e induz à ação

por Lilian Monteiro 14/05/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
LELIS
(foto: LELIS)
"O que você vai dizer antes de dizer à outra pessoa, diga a você mesmo", sabedoria dita pelo pensador romano Sêneca, que as pessoas deveriam, ao menos, tentar pôr em prática. Todos sabem que a palavra é o reflexo do que se pensa e deseja e que ela tem impacto direto na vida, seja para agradar ou agredir alguém. E não é só quem não tem papas na língua que se atropela ao falar demais, da forma ou na hora errada. Na maioria das vezes, não se mede o impacto que uma palavra pode ter.

Mas a palavra levanta ou derruba, emociona ou fere, traz felicidade ou decepção, aproxima ou afasta. Tem o poder de exprimir o amor, a alegria, o respeito, a admiração, a generosidade, mas também, da forma como é falada, pode carregar a inveja, o ódio, o sarcasmo, o ressentimento... Por isso, é tão importante ter cuidado com o que você fala e como se fala, o tom da voz. E não se esqueça que a palavra vem acompanhada de gestos, da respiração, de um ritmo que também fará parte de como ela será compreendida.

Por isso, cada instante da sua vida é moldado pelo que se fala. E não é à toa que muitos repetem por aí que pensamentos positivos e palavras otimistas ajudam, enquanto os negativos encontram obstáculos a mais, por isso é possível entender aqueles que defendem que a palavra é um mantra em ação. Materializada, ela reflete os sentimentos.

Sendo assim, fique atento! Cuidado com suas escolhas, porque uma palavra mal colocada afeta relacionamentos e a convivência. E aquela dita no momento certo, com a entonação adequada, gera compreensão, amor e se torna uma mensagem poderosa de união entre as pessoas. O 'Bem Viver', caderno do Jornal Estado de Minas, apresenta personagens que ouviram a palavra certa, no momento certo, e transformaram suas vidas. Psicoterapeuta e psicóloga apontam caminhos e percepções de como a palavra deveria ser dita.


Poder evolutivo
A psicoterapeuta de família, Cláudia Prates, avisa que a palavra tem tanta força que é lugar comum encontrar clientes longos anos depois e ouvir: "Nunca me esqueci daquilo que você me disse". Ou seja, ela explica que "quanto mais a expressão for técnica e efetiva, mais força terá a palavra. É preciso escolher como dizer o que precisa ser dito. O importante é dizer tudo, não deixar nada oculto, seja na vida profissional ou pessoal. Mas há uma forma de entregar a palavra a cada pessoa".

Cláudia Prates ensina que, dependendo de como se embrulha uma verdade, a "digestão é suave, absoluta, produtiva e nutritiva". Mas se for errado, "um jornal jamais será conhecido como embrulho de um diamante. Mas um zircônio numa caixa de veludo pode passar por diamante" A especialista acrescenta que a mesma força nutritiva pode ser destrutiva. "A palavra dita com carga de mágoa estraga qualquer relacionamento. Mas a responsabilidade é do emissor e do receptor. Por isso a importância de uma montagem de fala bem feita para evitar equívocos."

A psicoterapeuta diz que a força da palavra precisa ser preservada na forma e no momento da entrega. Ela conta que o terapeuta Milton Hayland Erickson, psiquiatra norte-americano conhecido como "Sr. Hipnose", no livro Minha voz irá contigo, ensina que "a terapia acaba, mas a palavra continua ecoando no ouvido da pessoa por toda a vida".

IMAGEM
Cláudia Prates ensina que a melhor forma de diminuir mal-entendidos é a imagem, exercitar a linguagem do hemisfério direito. A imagem, conforme ela, é o sentimento universal, a mais legítima comunicação e menos passível de equívocos. "Se a pessoa está desanimada, sem entusiasmo, e você a chama de deprimida, é um peso. Se compará-la à imagem de uma flor murchando, a reação é outra. A flor pode ser regada e revigorar. Assim, a fala é para a alma, para o coração e para o inconsciente."

A forma que Cláudia age, em todos os ramos da vida, serve de lição para todos: "Não oculto uma vírgula do que tem de ser falado, mas tenho o zelo de escolher a maneira para que cada palavra seja aproveitada de forma nutritiva e evolutiva".


Efeito bumerangue
Eduardo Leite/Divulgação
Sandra Rosenfeld - escritora, terapeuta em qualidade de vida como instrutora de meditação, personal coach e palestrante (foto: Eduardo Leite/Divulgação)
"Nossas palavras têm poderes maiores do que supomos, começando pelo efeito bumerangue, ou seja, a energia que usamos na fala volta imediatamente para nós mesmos. Certa vez estava na fila de idosos com minha mãe para pagar umas compras e um rapaz novo resolveu entrar naquela mesma fila, já que as outras estavam muito longas. Mas começaram a chegar idosos e gestantes e ele teve que ir deixando passar na frente, mas sempre reclamando. Chegou um determinado momento que falei em alto e bom tom que ele era um chato, que estava na fila errada e que saísse de lá e parasse de perturbar quem estava lá por direito. Ele saiu em silêncio e eu fiquei me sentindo mais constrangida do que ele. Numa outra situação, uma pessoa entrou na minha frente numa vaga, quando eu estava com a seta ligada aguardando. Percebi que não foi por acaso. Respirei fundo, me centrei, saí do carro e calmamente, com uma energia firme mas de paz, falei que já estava ali e que ele por favor retirasse o carro, porque eu tinha hora marcada no médico e iria me atrasar e sorri. Ele olhou sério, mas em seguida sorriu e disse que iria tirar o carro porque fui muito gentil com as minhas palavras e ainda pediu desculpas. Eu me senti muito bem, envolvida pela mesma paz que usei na forma que falei com ele."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA