De mãe para filha: compartilhar cosméticos pode ser divertido, mas é preciso cuidado

Especialistas apontam algumas precauções para não irritar a pele sensível das crianças

por Renata Rusky 08/05/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
É quase impossível manter certos produtos de beleza fora do alcance das filhas. Em se tratando de maquiagem e esmaltes, mais ainda. Elas veem as mães se produzindo e querem fazer o mesmo. Algumas crianças são atraídas desde bem pequenas. Basta uma distração para se esbaldarem na nécessaire e logo estarem com um pincel de blush na mão e um batom na boca. As mães podem esconder tudo ou entrar na onda: ensinar a usar um produto ou outro e, claro, evitar que qualquer coisa caia no chão e quebre.

Para a meninada, é uma brincadeira como qualquer outra. Ainda assim, algumas mães preferem restringir um pouco a diversão. Se achar conveniente, pode ser saudável limitar o uso de certos produtos ou cores, seja por serem mais caros, seja por não querer incentivar que a criança se sinta adulta.

Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Desde pequena, Maria Eduarda 'pega emprestado' na nécessaire da mãe, Ana Paula (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Maria Eduarda Alves, 11 anos, interessa-se pelas maquiagens da mãe há cerca de três anos. Para se sentir mais bonita, costuma usar um pouco de base, lápis de olho e blush. As festas de aniversário das colegas da escola são as ocasiões em que ela não dispensa uma produção extra, mas gosta também de estar arrumada nos passeios ao shopping.
No início, a mãe de Maria Eduarda, Ana Paula Alves, 29 anos, pedagoga, incomodava-se um pouco em ter a nécessaire invadida. “Ela era pequena, eu achava que podia quebrar, não sabia se era legal ela usar maquiagem tão nova”, justifica. Atualmente, acostumou-se a dividir. Aos poucos, ensinou a filha como cuidar dos produtos e também como passá-los.

Na troca de conhecimentos, a mãe vem com o know-how de anos de experiência e a filha, com o que aprende por ser curiosa e estar sempre de olho em blogs e no Instagram. “Ela é muito mais antenada em moda do que eu”, admite Ana Paula. “Ela dá muita opinião. Diz para eu passar mais alguma coisa quando acha que estou muito discreta, dá dicas de cores.”

O dermatologista Ricardo Fenelon explica que, dependendo do produto, não há problema em dividir com as filhas, como, por exemplo, batom ou gloss. Mesmo assim, para evitar alergias, ele recomenda que as mães só compartilhem maquiagens com filhas que tenham mais de 10 anos, já com a pele pronta.

Em relação a produtos que entrem em contato direto com a pele do rosto, como base, pó de arroz e blush, ele recomenda que todos sejam livres de óleo. “A pele das meninas que estão entrando na adolescência tende a ser mais oleosa. Usar um produto com óleo pode provocar ou piorar a acne”, explica. Como a pele mais madura, da mãe, costuma ser mais seca e necessita de hidratação, ele sugere que ela associe à maquiagem sem óleo algum outro produto hidratante, pode ser um creme comum ou um protetor solar.

Todo cuidado é pouco
Para criança com menos de 10 anos, Ricardo Fenelon aconselha checar a cartilha da Anvisa com instruções sobre o tipo de cosmético a ser usado nessa faixa etária. Confira:

» Maquiagem: deve ter baixo poder de fixação e ser removida facilmente com água. Produtos para bonecas não devem ser usados na pele da criança.
» Sabonete, xampu e condicionador: todos devem ser específicos para crianças. Condicionadores e xampus precisam ser administrados pelos pais. Caso algum dos produtos entre em contato com os olhos, devem ser enxaguados abundantemente.
» Protetor solar: deve ser reaplicado a cada duas horas e toda vez que ela sair da piscina ou do mar. É preciso o auxílio dos pais.
» Esmalte: deve ser à base de água e não necessitar de acetona ou removedor para sair. Pode ter gosto amargo para evitar a ingestão por parte da criança e trazer no rótulo as principais precauções.
» Batom e brilho labial: deve colorir temporariamente os lábios e ser composto de ingredientes seguros.
» Fixador de cabelo: pode ser colorido, perfumado, fotoprotetor e ter efeito luminoso, mas é indicado para crianças acima de 3 anos, com a aplicação feita pelos pais.
» Embalagens: precisam apresentar válvulas de dosagem que permitam a liberação de poucas quantidades do produto e não serem cortantes.

Fonte: Cartilha Cosméticos Infantis, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA