Auto-hemoterapia divide opinião de especialistas e autoridades de saúde no Brasil

Técnica que retira sangue do paciente e o reinjeta no músculo para fortalecer o sistema imunológico conta com muitos defensores. Autoridades brasileiras, porém, não reconhecem o procedimento e afirmam que ele não tem comprovação científica

por Bruna Sensêve 15/04/2014 07:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Para quem ouve falar pela primeira vez da técnica, a auto-hemoterapia até parece coisa de outro mundo. Trata-se da retirada de uma pequena quantidade de sangue e a injeção do líquido de volta para o corpo por meio do tecido muscular, nas nádegas ou nos braços. No entanto, o procedimento, que motiva depoimentos entusiasmados na internet, obedece uma lógica simples. Segundo seus defensores, ele consegue aumentar o número de macrófagos, as células da linha de frente do sistema imunológico. O reforço na defesa do organismo complementaria o tratamento para diferentes condições de saúde. A explicação é sustentada por estudos científicos. Porém, segundo as instituições brasileiras de segurança em saúde, faltam comprovações científicas do tratamento, que não tem reconhecimento formal como terapia médica.

Os mácrofagos já circulam naturalmente em todos os órgãos do corpo humano com um único objetivo: encontrar e remover elementos indesejados. Algumas pesquisas afirmam que a auto-hemoterapia surgiu há mais de 2.500 anos, na China. Massagens fortes beliscavam a pele, causando rupturas em pequenos vasos e estimulando as defesas do local a ser tratado. Teorias à parte, a história pode ser melhor contada pela servidora pública Luzinéia Maria Amorim, de 50 anos. Ela conheceu a técnica por meio de uma amiga que passava por um tratamento contra um câncer de intestino e buscava reforçar o sistema imune com as injeções autólogas. “Ela fez durante todo o tratamento e nunca interrompeu as sessões por imunidade baixa. O oncologista sabia que ela fazia a terapia e a aconselhava a continuar.”

Luzinéia começou também a tomar as injeções, até como forma de encorajar a amiga. Há cinco anos, uma vez por semana, ela passa pelo rápido procedimento. “É uma qualidade de vida sem explicação. Conheço pessoas que fazem há 30 anos e dizem a mesma coisa. São só benefícios”, acredita. A servidora conta que cancelou uma cirurgia no nariz para corrigir uma consequência da sinusite crônica por não ser mais necessária. Segundo ela, a respiração voltou ao normal sem intervenção cirúrgica.

Pesquisas Uma rápida pesquisa na base de dados científicos dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (PubMed – National Library or Medicine) mostra um conjunto de publicações sobre o tema. Uma delas, divulgada no verão de 1997 no Journal of Alternative and Complementary Medicine, mostra o uso de auto-hemoterapia para o tratamento de infecções por herpes. Vinte e cinco pacientes com o vírus receberam uma transfusão de 10ml de sangue autólogo nos glúteos. A resposta favorável de 100% ocorreu em 20 pacientes submetidos à técnica no prazo de sete semanas do início dos sinais clínicos e de outro que a recebeu em um intervalo de nove semanas. “Não ocorreram sinais ou sintomas adversos do tratamento. A terapêutica foi demonstrada como eficaz na eliminação de sequelas clínicas nesses casos de infecções de herpes e esses resultados justificam investigação clínica mais rigorosa”, conclui o trabalho liderado por J. H. Olwin, do Centro Médico de St. Luke, em Chicago.

Anderson Araujo / CB / DA Press
Clique para ampliar e saber mais sobre a auto-hemoterapia (foto: Anderson Araujo / CB / DA Press)
Segundo Ida Zaslavsky, autora do livro Auto-hemoterapia: um bom passo maior que a perna, uma pessoa com herpes passa por um ciclo viral que só ocorre quando a imunidade está baixa. “Aumentando a imunidade, ela tem um recurso maior para combater o agente infeccioso”, explica Ida, graduada em enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ela defende a auto-hemoterapia há mais de duas décadas e esclarece que a técnica não é um tratamento, mas um acréscimo à terapia convencional. “Ela complementa outro tratamento, não o exclui. É preciso deixar isso claro. Se você está fazendo um tratamento medicamentoso, você vai potencializar seu organismo para continuar recebendo o tratamento.”

De acordo com ela, não há contraindicação. “É o sangue da própria pessoa, não são injetados nenhuma química, nenhum outro organismo. Ao receber a informação de que entrou algo estranho (o sangue do próprio paciente) no músculo, o corpo dispara um estado de alerta para a imunidade. As células de defesa se multiplicam, se quadriplicam.” Ela lembra que o primeiro trabalho nacional sobre o assunto foi publicado em março de 1940 pelo cirurgião Jessé Teixeira, na revista Brasil-Cirúrgico, da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro.

Por mais que seja simples, diz Ida Zaslavsky, a auto-hemoterapia requer pessoa habilitada para evitar algumas complicações comuns a qualquer procedimento em que haja a manipulação de sangue e a injeção de substância em parte do corpo. “Não é qualquer pessoa que aplica e não existe autoaplicação. As pessoas têm que buscar um profissional com habilitação.” As ressalvas também são feitas por um dos maiores defensores da terapia: Stuart Hale Shakman, diretor executivo do Instituo de Ciência em Santa Mônica, na Califórnia.

Shakman ressalta que o método não substitui tratamentos e também não representa uma cura para todos os males. “O principal é reafirmar que a auto-hemoterapia não é uma cura. E, mesmo com a sua realização, ainda fica muito trabalho para a medicina convencional”, afirma. Ele conta que a terapia já foi reconhecida como um procedimento médico legítimo, mas caiu em desuso, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, com o avanço da indústria farmacêutica, que, na opinião do médico, teria interesse em manter a metodologia sem reconhecimento legal, uma vez que ela tem custo mínimo.

Advertência
Apesar de os argumentos dos entusiastas soarem convincentes, instituições como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) advertem que há necessidade de mais estudos e de um debate mais amplo para garantir a eficácia e a segurança da técnica.

Segundo a coordenadora da Câmara Técnica de Hemoterapia do CFM, Marta Müller, trata-se de um tratamento que está sendo difundido sem comprovação científica. “Qualquer técnica, para ser reconhecida para uso rotineiro no Brasil, precisa ser aprovada com base em evidência científica.” Marta assinala que, com base no parecer Nº12 de 2007, o CFM não aprova o procedimento justamente por falta de reconhecimento científico. “A partir do momento que o reconhecimento dessa técnica for solicitado no CFM, de forma que preencha os requisitos, seguramente vai ser aprovado. Mas a dificuldade está aí: não há pesquisas, com dados necessários, que justifiquem e mostrem a eficácia do procedimento.”

Ela alega que o documento do Conselho analisa toda a literatura até aquele momento, e nenhum deles é consistente em número de pacientes, de trabalhos ou de evidências que possam ser comprovadas. Já o diretor da ABHH, Dante Langhi Jr., é mais categórico ao afirmar que é uma terapia sem indicação científica. “Essa lógica de melhorar sistemicamente o seu sistema imunológico não é possível. Se estiver contaminado com alguma bactéria, ele vai produzir anticorpo contra a bactéria e não contra qualquer coisa nem melhorar o seu sistema imunológico. Não existe isso.” Para Langhi, o conhecimento derivado da auto-hemoterapia é apenas empírico.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA