Endometriose atinge 10% das mulheres entre 15 e 45 anos

Em todo o mundo, médicos e pacientes buscam alertar as pessoas para a doença que ainda é pouco conhecida

por Renata Rusky 26/03/2014 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Em mais de 30 países, mulheres, maridos e médicos se uniram para abrir os olhos da sociedade sobre uma doença feminina. Brasília, ao lado de cidades como São Paulo, Vitória, Porto Alegre, Campo Grande e Curitiba, foi uma das 53 capitais do mundo a participar, na semana passada, da primeira marcha mundial de conscientização da endometriose. Na capital do país, a concentração foi na Catedral. A ideia era alertar as pessoas sobre a doença, que, na maioria das vezes, é diagnosticada tardiamente, já que os primeiros sintomas são vistos como naturais pelas mulheres, como as cólicas.

Segundo pesquisa feita há dois anos pela Associação Brasileira de Endometriose (SBE), 10% das mulheres com idade entre 15 e 45 anos têm a doença. Segundo estudo da mesma instituição, mais da metade das mulheres não sabiam da existência do problema e mais de 60% desconheciam os sintomas. Embora dois anos tenham se passado desde o estudo, o diretor da SBE, Rui Ferriani, ginecologista e professor de reprodução humana da USP, acredita que o estado de desinformação tem diminuído graças a iniciativas como a da marcha contra endometriose e de campanhas da SBE. Já o ginecologista Carlos Alberto Petta considera o conhecimento sobre a doença ainda pouco, mas reconhece que o Brasil é um dos países com melhores taxas de informações sobre a endometriose, mesmo quando comparado aos mais desenvolvidos.

No fim do próximo mês, ocorre o 12º Congresso Mundial de Endometriose, apenas para médicos. Mas Petta acredita que ajude a divulgar um pouco a doença, que afeta tanto a qualidade de vida das mulheres. As cólicas causadas pela endometriose, de tão fortes, chegam a impedir que a paciente fique de pé. Isso sem falar da infertilidade que ela pode causar se não tratada corretamente.

Valdo Virgo/CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA