Com valor que supera os R$ 12 mil, procura por congelamento de óvulos cresce no Brasil

Apesar de custo alto, procedimento não é complicado e têm indicações específicas para mulheres com endometriose ou que vão passar por algum tratamento contra o câncer; veja histórias

por Valéria Mendes 10/02/2014 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC.hu/Banco de Imagens
Em caso de morte da mulher que congelou o óvulo, será mantida o destino que ela especificou antes de passar pelo procedimento (foto: SXC.hu/Banco de Imagens)
Publicado em setembro de 2013, o 6º Relatório do Sistema Nacional de Produções de Embriões (SisEmbrio) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostra que, em 2012, o Brasil congelou 32.181 embriões. A maioria deles para fins de fertilização, mas em alguns casos para pesquisa científica. Cerca de 50% desses embriões estão na região Sudeste. O Norte é a região com menor expressividade, com apenas 1%. Para servir de comparação - e ainda com dados divulgados pela SisEmbrio - em 2008 foram congelados 5.539 embriões. “O congelamento efetivo existe há menos de 7 anos. É uma técnica muito nova. É de 2007 para cá que conseguimos congelar garantindo a qualidade do óvulo. Quando a sobrevida dos embriões supera 95% é que podemos considerar como preservação da fertilidade”, afirma o ginecologista e diretor da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (SOGIMIG), Sandro Magnavita Sabino.

Como a opção por adiar a primeira gravidez é uma realidade em crescimento (clique e saiba mais), o especialista acredita que a informação sobre o congelamento de óvulos deve alcançar cada vez mais mulheres. “Os ginecologistas têm papel fundamental nesse processo”, acredita. Apesar de pouco acessível – os planos de saúde não cobrem o procedimento e na rede pública o acesso é muito restrito, segundo o diretor da SOGIMG -, a alternativa não serve apenas às mulheres que planejam uma gestação após os 40 anos. “Aquelas que têm endometriose, as que vão iniciar um tratamento contra o câncer e ainda as que têm história de menopausa precoce na família podem ter indicação de preservar seus óvulos”, indica.

A técnica de congelamento conhecida como vitrificação consiste em induzir a ovulação com medicamentos, em um período aproximado de dez dias seguida da coleta do óvulo. “Faz-se a aspiração folicular utilizando ultrasson com sedação venosa. A mulher continua com a respiração espontânea”, detalha Sandro Magnavita Sabino.

Segundo ele, quatro horas após a coleta acontece o congelamento. “Na técnica de vitrificação esse congelamento é ultrarrápido, alcançamos temperaturas negativas em milisegundos”, explica. O médico diz que os óvulos são armazenados em botijões de nitrogênio, a menos 192 graus, e ficam sob responsabilidade da clínica que a mulher escolheu.

A taxa de manutenção do congelamento é a parte mais barata do procedimento e as clínicas optam por uma taxa mensal ou anual. “Esse custo é para manter a reposição do nitrogênio líquido e preservar o material biológico”, esclarece.

Em caso de morte da mulher que congelou o óvulo, Sandro Magnavita Sabino esclarece que em toda ação que envolve a reprodução assistida, a pessoa ou o casal precisam assinar um termo explicitando que fim deve ser dado ao material biológico em caso de morte ou perda de consciência.

Ser mãe ou ter uma família?
Eliane de Souza Pimenta, 36 anos, é psicóloga e professora universitária. Solteira e com o desejo claro de ser mãe, recentemente começou a se preocupar com a preservação de sua fertilidade. “Em conversas com amigas que tentaram engravidar mais tarde e tiveram problema em relação à qualidade do óvulo, comecei a pesquisar e ler na internet sobre a técnica de congelamento”, recorda-se. Ao mencionar o desejo ao ginecologista ela conta que foi alertada: “se a maternidade é algo importante para você, deveria correr atrás disso”.

Arquivo Pessoal
Apesar de não querer passar pela vida sem a experiência da maternidade, a psicóloga Eliane ainda não se decidiu por ter um filho ou uma filha sem pai (foto: Arquivo Pessoal)
Ela achou o procedimento da coleta muito tranquilo. “Estava anestesiada e não vi nada. Quando acordei já estava no quarto”. Os preparativos, no entanto, geraram algum desconforto. “Tive vários episódios de enjoos, mas nada insuportável”, garante. A indisposição era consequência da dose de hormônios que eram administrados com injeções na barriga. O processo foi realizado em dezembro do ano passado. A psicóloga diz que a medicação lhe custou aproximadamente R$ 5 mil e a coleta, cerca de R$ 6.500. “Também tive um gasto com outros exames”. Como a mãe teve menopausa precoce, um dos que ela fez foi o exame da Síndrome do X frágil. No caso dela, o primeiro ano da manutenção do congelamento não é pago, mas a partir do segundo, pagará a taxa de R$ 100 por mês.

Sobre a decisão de ser mãe sem pai, ela admite que não é algo simples de se responder. “Casei muito cedo, nossa união durou dos 23 aos 28 anos. Ao me separar, decidi por aproveitar a vida de solteira e mergulhar no trabalho. Tive outros namorados, mas nenhum relacionamento sério. O meu sonho, na verdade é o de ter uma família. Por outro lado, não quero passar por essa vida sem ser mãe, é algo que ainda estou elaborando dentro de mim”, conclui. Em caso de morte, Eliane disse que optou pela doação dos óvulos.

"Mamãe, quem é meu pai?”

Engenheira, 37 anos, B.S., não quer ser identificada. Aos 35 anos decidiu pelo congelamento de óvulo. A razão, além de não estar em um relacionamento sério na época, era o histórico de menopausa precoce na família. “As cinco mulheres da família da minha mãe, todas entraram na menopausa muito cedo. Uma das minhas tias foi com 36 anos”, explica. Ela lembra que a administração de hormônios para estimular a ovulação foi feita por ela própria. “Sou de Belo Horizonte, mas naquele período estava passando a semana toda fora da cidade. Eu mesma aplicava as injeções de barriga. Foi um tempo de tanto trabalho que nem pude me dar ao luxo de ter enjoo”, brinca. A coleta aconteceu na capital mineira, ela entrou na clínica pela manhã e no horário do almoço já estava em casa. Pelas contas dela, todo o procedimento custou R$ 12 mil e, mensalmente, paga R$ 100 à clínica. No termo que assinou em caso de falecimento, colocou a mãe como responsável por decidir o que será feito com o óvulo. No início, B.S. diz que pensava em ser mãe mesmo se não encontrasse um companheiro. Hoje, ela conta que se incomoda ao pensar na pergunta de um possível filho ou filha: “ – Mamãe, quem é meu pai? O que eu responderia? Que escolhi em um catálogo?”, questiona-se.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA