Calvície poderá ser combatida por meio das células-tronco

Agora, especialistas da Universidade da Pensilvânia garantem ter desenvolvido um método que converteu células adultas da pele em precursoras de cabelo

por Correio Braziliense 02/02/2014 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pesadelo da maior parte dos homens — e também de muitas mulheres —, a calvície poderá ser combatida por meio de uma das mais promissoras abordagens da medicina regenerativa: as células-tronco. Diversos experimentos tentaram reverter a perda de cabelo usando essas estruturas, mas, até hoje, não havia sido possível cultivar um número suficiente de geradoras de folículo piloso. Agora, especialistas da Universidade da Pensilvânia garantem ter desenvolvido um método que converteu células adultas da pele em precursoras de cabelo.

Em um artigo publicado na revista 'Nature Communications', a equipe do dermatologista Xiaowei George Xu relatou que, quando implantadas em ratos, as células-tronco epiteliais regeneraram os diferentes tipos de células que compõem a pele humana, além dos folículos pilosos. Elas, inclusive, produziram raízes de cabelo, aumentando a possibilidade de, no futuro, serem usadas como terapia para calvos.

Ruifeng Yang/Perelman School of Medicine/University of Pennsylvania/Divulgação
Imagem mostra raízes formadas pela técnica, que não está pronta para uso em humanos (foto: Ruifeng Yang/Perelman School of Medicine/University of Pennsylvania/Divulgação)
Os pesquisadores retiraram células da pele humana chamadas fibroblastos. Ao acrescentar três genes a elas, os cientistas converteram as estruturas em células-tronco pluripotentes induzidas (iPs), que têm a capacidade de se diferenciar em qualquer tipo de célula do corpo. A equipe de Xu, então, converteu as iPS em células-tronco epiteliais, normalmente encontradas no bulbo dos folículos pilosos.

Ao comparar os padrões de expressão genética das células obtidas no laboratório com a de folículos pilosos humanos, os cientistas observaram que não havia diferença entre elas. Em seguida, eles misturaram as iPS com células da pele de ratos e fizeram um enxerto nos animais, que começaram a produzir camadas da epiderme humana e folículos estruturalmente similares ao de folículos pilosos. “Essa foi a primeira vez que células-tronco epiteliais em grande escala foram capazes de gerar componentes do folículo piloso”, diz Xu. “Essas células têm muitas aplicações potenciais, incluindo tratamento de fermimentos, cosmética e regeneração capilar”, conta.

O pesquisador alerta que as células-tronco epiteliais ainda não estão prontas para uso em humanos. Ele explica que um folículo piloso contém células epiteliais e um outro tipo de célula-tronco adulta especializada chamada papila dérmica. “Quando uma pessoa perde cabelo, ela perde os dois tipos de célula. Nós conseguimos solucionar o maior problema, que é o componente epitelial do folículo piloso. Mas ainda precisamos encontrar um jeito de gerar novas papilas dérmicas também, e, por enquanto, ninguém conseguiu fazer isso”, esclarece.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA