Sem formol, nova técnica de alisamento dos cabelos não compromete a saúde

Não são todas, mas boa parte das brasileiras é enlouquecida pelas madeixas bem lisas, ainda que a moda nos últimos dois anos tenha colocado holofotes nos cachos

por Lilian Monteiro 28/01/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Além da questão estética, ter cabelos lisos é prático. Não são todas, mas boa parte das brasileiras é enlouquecida pelas madeixas bem lisas, ainda que a moda nos últimos dois anos tenha colocado holofotes nos cachos. O estilo encaracolado, o ondulado despojado da praia e as ondas perfeitas da über model Gisele Bündchen, ainda que não naturais (a venda de babyliss cresceu), aliviaram um pouco a pressão do cabelo sem um fio fora do lugar. Mesmo assim, depois que várias técnicas de alisamento chegaram ao mercado escova japonesa, orgânica, chocolate ou progressiva é difícil abrir mão. O cabelo escorrido, então, está ao alcance de todos que estão dispostos a pagar por ele.

As fórmulas não são mágicas. A explosão da corrida ao salões para ter o liso dos sonhos precisou de portaria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pelo uso indiscriminado do formol (ver insert), considerado prejudicial à saúde. Mas agora chega ao mercado um novo tipo de alisamento que não utiliza formol. Quem garante é Renata Falcão, proprietária do Salão Jump, na Pampulha. O procedimento é o realinhamento dos fios, uma técnica de aplicação que se assemelha à da escova progressiva, mas com formulação diferente. "A composição é de nanopartículas de serina, um aminoácido. Testamos por seis meses e há quatro está à disposição das clientes. O procedimento (etapas) é o mesmo da progressiva, com produtos específicos."

Maria Tereza Correia/EM/D.A Press  -  28/5/13
Renata Falcão, dona do Salão Jump: "Composição inclui nanopartículas de serina" (foto: Maria Tereza Correia/EM/D.A Press - 28/5/13)
Renata explica a diferença entre o realinhamento e a progressiva: "Primeiro, não tem formol, nem quando é aquecido. É importante destacar isso porque há produtos usados por aí que, quando são termoativados, manifestam o formol. Em segundo lugar, o efeito é diferente. Se quiser o cabelo totalmente liso, terá de fazer mais vezes (a cada dois meses), já que tem efeito cumulativo. É ideal para quem deseja a abertura dos cachos. Nesse caso, usamos menos a prancha, já que ela determina o grau do alisamento". Em defesa da nova técnica, ela enfatiza que "como conseguimos medir a intensidade do uso do produto, podemos garantir um cabelo saudável sem comprometer a saúde física e dos fios, o que não ocorre na progressiva tradicional".

O realinhamento térmico capilar foi criado para reoganizar a estrutura dos cabelos, promovendo o fechamento das cutículas, repondo os lipídios naturais dos fios, deixando-os mais hidratados, macios e com brilho acetinado. A técnica age no controle intenso do pH, evitando o aumento da alcalinidade dos fios, que desencadearia severamente a perda de vitaminas e nutrientes naturais. A técnica também elimina a porosidade dos cabelos e reduz o aspecto de palha, principalmente dos cabelos com mechas, luzes ou reflexos. "Ao escolher o realinhamento, incluímos a hidratação, já que como todo procedimento de alisamento há alteração da estrutura capilar." Renata garante que a técnica funciona com qualquer tipo cabelo e o preço médio é de R$ 200, dependendo do volume e do comprimento.

RECOMENDA
A bióloga e professora da UFMG Juliana de Assis fez o realinhamento em dezembro e recomenda. Com cabelo anelado e volumoso, ela nunca tinha feito progressiva. "Queria algo que mantivesse meus cachos, mas bem alinhados, nada liso demais. Estou satisfeita, diminuiu o volume, está macio, jeitoso, o brilho é demais e o comprimento está ideal, porque os cachos abriram e o cabelo cresceu um pouco. Sem falar que é bem mais prático para arrumar. Antes, quase sempre tinha de fazer escova. Agora, estou sem secador há um mês. Não é barato, mas vale o custo/benefício e a relação tempo e praticidade."

PASSO A PASSO  DA NOVA TÉCNICA
1) Lavar o cabelo com produtos específicos
2) Passar produtos com formulação específica
3) Secar
4) Pranchar
5) Lavar o cabelo novamente
6) A cliente decide se que sair do salão com o cabelo natural ou escovado

SERINA
É um aminoácido proteogênico e não essencial para a dieta humana, uma vez que é sintetizado pelo organismo a partir de outros metabólitos, incluindo glicina. Foi obtida pela primeira vez a partir da seda, em 1865. Seu nome provém da palavra latina correspondente a seda, sericum. Alimentos ricos em serina são o arroz (principalmente o integral), os ovos e o leite. Na nova técnica de realinhamento, a serina agiria de forma contrária ao formol, que quebra as proteínas do cabelo. Ou seja, ela é formadora de proteína. Um dos derivados da serina são as ceras naturais, que dão origem a óleos e gorduras.

Enquanto isso... Anvisa publica resolução
Em 17 de junho de 2009, foi publicada a Resolução RDC 36, que proíbe a comercialização do formol em drogarias, farmácias, supermercados, empórios, lojas de conveniências e drugstores. A finalidade é restringir o acesso da população ao formol, coibindo o desvio de uso como alisante capilar, protegendo a saúde de cabeleireiros e consumidores. O uso do formol como alisante capilar não é permitido pela Anvisa porque pode causar sérios danos ao usuário e ao profissional, como irritação, coceira, queimadura, inchaço, descamação e vermelhidão do couro cabeludo, queda do cabelo, ardência e lacrimejamento dos olhos, falta de ar, tosse, dor de cabeça, ardência e coceira no nariz devido ao contato direto com a pele ou com o vapor. Várias exposições podem causar também boca amarga, dores de barriga, enjoos, vômitos, desmaios, feridas na boca, narina e olhos, e câncer nas vias aéreas superiores (nariz, faringe, laringe, traqueia e brônquios), podendo até levar à morte. Antes de alisar os cabelos, verifique na própria embalagem se o produto a ser utilizado está registrado na Anvisa. É possível consultar os produtos cosméticos registrados acessando o link.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA