Metade dos brasileiros está infeliz no sexo; mas são os mais criativos na hora H

Pesquisa de marca de preservativos revela que 51% dos homens e 56% das mulheres estão insatisfeitos com a vida sexual que têm. Falta de diálogo pode ser a razão para a falta de entrosamento: somente 7% dos entrevistados revelaram não ter tabu com o tema

por Valéria Mendes 26/01/2014 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Na última semana uma pesquisa nacional realizada pela marca de preservativos Durex trouxe informações interessantes sobre a vida sexual do brasileiro. O dado do estudo ‘Durex Global Sex Survey’ que acendeu o alerta é o que revelou que 51% dos homens e 56% das mulheres estão infelizes com a vida sexual. A quantidade de relações sexuais poderia até nortear essa insatisfação caso o desejo não fosse algo tão subjetivo. Metade dos entrevistados (49%) afirmou fazer sexo mais de três vezes por semana, a frequência se mantém a mesma tanto para eles quanto para elas. A diferença surge em relação à assiduidade quando a categoria que aparece é ‘diariamente’: 12% deles afirmam fazer sexo todos os dias e 5% delas responderam da mesma forma. Pelo menos 82% dos brasileiros entrevistados fazem sexo uma vez por semana.

Closer/Divulgação
Cena do filme 'Closer'. Na imagem a atriz Natalie Portman contracena com Clive Owen (foto: Closer/Divulgação)


Enquete: Você está satisfeito com a sua vida sexual?

O tempo de relacionamento também não é suficiente para explicar o descontentamento já que 69% concordam ser possível manter o desejo sexual vivo mesmo em convivências longas. Criatividade também não seria a razão já que o brasileiro, segundo a pesquisa, tende a ter mais atividades durante o sexo, além da penetração, quando comparado com a média global. Em relação ao sexo oral, por exemplo, 50% recebem e 48% fazem contra 33% e 32%, respectivamente, em relação à média mundial. No total, 75% afirmam ter uma vida sexual interessante e 80% declaram sentirem-se amados quando fazem sexo.

Durex/Divulgação - Dados da pesquisa Durex Global Sex Survey
Os brasileiros tendem a ter mais atividades durante o sexo, além da penetração, quando comparado com a média global (foto: Durex/Divulgação - Dados da pesquisa Durex Global Sex Survey)


Qual seria então a razão para tanto borocoxô? O levantamento tentou entender os motivos da lamúria e aponta alguns caminhos como a falta de diálogo. Enquanto 65% deles têm dificuldade em admitir um problema sexual, 63% delas vivem a mesma situação. E mais: somente 7% dos homens e mulheres revelaram não ter tabu com o tema.

Outro aspecto relevante da discussão é o dever em proporcionar prazer: 7 em cada dez homens acredita ter obrigação de satisfazer a parceira. Entre as mulheres, 53% acredita nessa imposição.

ORGASMOS
Onde a disparidade de realidades em relação a gênero mais chama a atenção é quando o assunto é o orgasmo: 52% dos homens asseguraram que sempre chegam lá quando transam. No caso feminino, a queda é brusca e só 22% afirmaram atingir o auge do prazer sempre que fazem sexo. Vinte e oito porcento delas também disseram que chegam ao orgasmo mais facilmente com a masturbação e 51% revelou já ter sentido dor no ato sexual.




California Pictures/Divulgação
Só 22% das mulheres afirmaram atingir o orgasmo sempre que fazem sexo. FOTO: Cartaz do filme 'Ninfomaníaca', de Lars Von Trier (foto: California Pictures/Divulgação)
TRAIÇÃO
Paquerou ou mandou mensagem apimentada pelo celular é sinônimo de traição para mais da metade dos entrevistados e entrevistadas. Fazer sexo sem ser com o parceiro habitual é considerado deslealdade para 91% das moças e 78% dos moços.

Os homens também são mais infiéis: 18% deles contra 8% delas.

APARÊNCIA
Entre as pessoas que participaram da pesquisa, 62% dos homens estão satisfeitos com sua aparência e 64% das mulheres também.

PREVENÇÃO
Apesar de 67% dos entrevistados afirmarem ter usado camisinha na última relação, quando o relacionamento fica mais estável a maioria afirma deixar de usar preservativos.

Os homens também se declaram mais preocupados com DSTs e gravidez:
- Gravidez: 46% dos homens se preocupam contra 38% delas.
- DSTs: 62% deles estão atentos e 55% das mulheres também.

Foram entrevistadas 1004 pessoas, sendo 509 homens e 495 mulheres, entre 18 e 65 anos. Quase 90% deles estão em uma relação a mais de um ano. Todos foram ouvidos em anonimato e a grande maioria afirmou ser heterossexual (872); 31 se declararam homossexuais; 30 bissexuais e 61 não responderam a essa pergunta.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA