Falta de um único dente pode trazer riscos à saúde geral do organismo

Atenção pais e mães: crianças que perdem dente de leite em acidentes precisam solucionar o problema sob o risco de comprometer a dentição permanente

por Valéria Mendes 23/01/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Se o dente que falta está na frente, a preocupação estética pode até levar rapidamente o paciente a um dentista. Se a ausência não é visível no sorriso, protelar a resolução do problema costuma ser o caminho mais fácil para a maioria das pessoas. Presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO-MG), Luciano Eloi Santos diz que historicamente sempre se fez muitas extrações no Brasil. A Pesquisa Nacional de Saúde Bucal do Ministério da Saúde, divulgada em 2010, mostra que mais de 3 milhões de idosos necessitam de prótese total (nas duas arcadas dentárias) e que outros 4 milhões precisam usar prótese parcial (em uma das arcadas). “De uns vinte anos para cá houve uma mudança grande de entendimento porque a prevenção e promoção de saúde bucal ganharam projeção internacional. A redução de extrações foi drástica, mas ainda existe e é realizada em casos de pobreza ou reforçada na mentalidade de que 'dente de trás não faz falta'”, afirma.

Marcos Michelin/EM/D.A Press - Dentadura em miniatura de Jacinto Felizali/Casa de Cultura Lamartine Babo, em Boa Esperança (MG)
A falta de prevenção é o maior problema da causa de perda dos dentes (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press - Dentadura em miniatura de Jacinto Felizali/Casa de Cultura Lamartine Babo, em Boa Esperança (MG))
Mas faz. Especialista em reabilitação oral e estética, Cristiane Munhoz explica que quando um dente é perdido, a integridade estrutural de toda a cavidade bucal é afetada com consequências graves do ponto de vista funcional, estético e emocional. “A capacidade de mastigação fica muito reduzida, afeta as escolhas alimentares, contribui para déficits nutricionais e, consequentemente, para um risco aumentado de aparecimento de outras doenças”, pontua. E não só: “frequentemente observa-se o movimento dentário através de inclinações que provocam desajustes da mordida (oclusão) e prejudicam o funcionamento normal do sistema mastigatório”, completa. “A oclusão é que vai nortear todo o processo mastigatório, se falta um elemento essa ausência afeta toda a mordida e podem surgir questões ligadas à articulação temporomandibular, identificada por ruídos quando a pessoa abre muito a boca”, completa o presidente do CRO-MG.

Do ponto de vista social, Munhoz observa que a falta de dentes – denominada cientificamente de edentulismo - também dificulta a comunicação interpessoal e favorece o isolamento das pessoas. A especialista reforça ainda que é “relativamente comum a existência de dores de cabeça, ouvidos, tonturas e até alterações posturais em decorrência de problemas dentários/músculo-articulares, que muitas vezes só são diagnosticados pelo dentista após a passagem por diversas especialidades e a realização de múltiplos exames”.

A lista de problemas não para por aí. Eloi Santos salienta que o processo digestivo começa na mastigação. “A ausência de dentes interfere na ingestão do bolo alimentar e implica em problemas estomacais ou intestinais já que pode sobrecarregar o estômago e todo desdobramento do processo digestivo até o trajeto para o intestino”, esclarece. O presidente do CRO-MG ressalta que a articulação tem que estar sintonizada com o organismo todo. “As repercussões são em menores ou maiores graus, mas podem até afetar o equilíbrio da pessoa. O maxilar superior e mandíbula fazem parte do equilíbrio harmonioso de todo o corpo”, reforça.

SXC.hu/Banco de Imagens
Cárie e doenças na gengiva são os principais problemas de saúde bucal dos brasileiros. Se não são tratadas podem acabar na perda de dentes. A prevenção é a opção mais barata (foto: SXC.hu/Banco de Imagens)
Prevenção é o melhor remédio

Cristiane Munhoz explica que a perda dos dentes dos brasileiros ainda se deve a cáries e às doenças da gengiva. A Pesquisa Nacional de Saúde Bucal mostrou que essas são as principais doenças bucais da população brasileira. “Atualmente não podemos mais culpar a baixa renda como a principal razão deste problema. Uma escova chega a durar dois meses e o custo de ter uma boa escova, creme dental e fio dental vai de R$ 5 a R$ 10 por mês”, fala. A especialista diz considerar a falta de prevenção o maior problema da causa de perda dos dentes atualmente. “Eu enfatizo sempre para os meus pacientes a importância das consultas a cada seis meses. Dessa forma, qualquer problema que esteja no seu início será, muitas vezes, solucionada com facilidade”, alerta.

SXC.hu/Banco de Imagens
"Atualmente não podemos mais culpar a baixa renda como a principal razão deste problema. Uma escova chega a durar dois meses e o custo de ter uma boa escova, creme dental e fio dental vai de R$ 5 a R$ 10 por mês" - Cristiane Munhoz (foto: SXC.hu/Banco de Imagens)
 Opções

Solucionar o problema da falta de dentes envolve de técnicas mais simples e acessíveis até as mais sofisticadas e, consequentemente, mais caras. Cristiane Munhoz cita as próteses parciais removíveis (as quais substituem a ausência desde um a vários dentes); próteses totais (substituem a perda total de dentes de um arco dentário); próteses fixas unitárias ou múltiplas e até a reabilitações com implantes associadas ou não com enxertos ósseos e plásticas gengivais.

O presidente do CRO-MG, Luciano Eloi Santos, afirma que todos os Centros de Saúde da prefeitura de Belo Horizonte têm atendimento odontológico. “As pessoas de baixa renda têm também a opção de clínicas odontológicas chamadas de clínicas populares que cobram um preço mais barato pelo atendimento”, diz. Segundo ele, o CRO-MG zela pela qualidade da assistência prestada nesses consultórios que passam por fiscalização da Vigilância Sanitária.

Dentes de leite perdidos em acidentes: o que fazer?

“A criança está andando de skate, cai e o dente de leite sai inteiro. O recomendado é hidratar esse dente mergulhando-o em um copo de leite. Se não for possível, lave o dente imediatamente, põe na própria boca (a saliva mantém a hidratação) e corre para o dentista”. A situação ilustrada por Eloi Santos é uma dica preciosa para ajudar na solução do problema. “O profissional vai recolocar o dente no lugar e as fibras que o sustenta podem se regenerar”, explica. De acordo com o presidente do CRO-MG, se a criança perde um dente de leite antes da hora, a demora no aparecimento do dente permanente pode ocasionar uma movimentação indesejada de outros dentes.

SXC.hu/Banco de Imagens
A perda de dentes de leite em função de algum acidente acarreta sequelas tanto para a dentição permanente como para o desenvolvimento de hábitos deletérios, ou seja, a repetição de um ato errado (foto: SXC.hu/Banco de Imagens)
Cristiane Munhoz reforça que a perda de dentes decíduos (ou dentes de leite) ainda é um acidente muito comum na primeira infância. Para ela, uma experiência dramática para a criança com grande impacto físico e emocional. “É um grande desafio para o profissional que requer não apenas um perfeito manejo no comportamento do pequeno paciente, como também conhecimento técnico, científico e bom senso para se realizar um diagnóstico correto e poder determinar um tratamento eficiente”, observa. Segundo ela, a perda de dentes de leite em função de algum acidente acarreta sequelas tanto para a dentição permanente como para o desenvolvimento de hábitos deletérios, repetição de um ato errado como chupar bico, bruxismo, projeção da língua, entre outros. “Cabe ao cirurgião dentista avaliar as características de cada caso e as condições em que aconteceu o trauma para poder determinar um tratamento apropriado”, conclui.

E atenção: a dica de hidratar o dente em caso de algum acidente serve também para o adulto.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA