Álcool é mais mortal para quem está na meia-idade

Levantamento da Opas indica que, no Brasil, o vício mata principalmente homens com 50 a 59 anos. Na maioria dos casos, as vítimas não resistem às complicações hepáticas

por Isabela de Oliveira 22/01/2014 12:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Noites intermináveis de festas regadas a drogas lícitas e ilícitas podem dar a impressão de que os jovens são as maiores vítimas dos vícios. Todos “uma ideia ruim”, segundo o presidente dos EUA, Barack Obama. Em entrevista publicada no domingo na revista The New Yorker, ele declarou que não acha que “fumar maconha seja mais perigoso do que o álcool”. Dezenove estados americanos permitem o uso da maconha para fins medicinais. Com menos restrições comerciais, as bebidas alcoólicas matam anualmente 79.465 pessoas nas Américas. No Brasil, as maiores vítimas são adultos de 50 a 59 anos, segundo levantamento da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) publicado no periódico Addiction.

Para os especialistas, a cultura machista e a ineficiência das políticas públicas fazem com que o país ocupe o 5º lugar no ranking das nações americanas com mais óbitos causados pelo álcool. O levantamento com dados de 16 países das américas do Norte, Central e do Sul foi feito pelas brasileiras Vilma Gawryszewski e Maristela Monteiro. Elas verificaram que, entre 2007 e 2009, o Brasil registrou mais de 22 mil mortes diretamente relacionadas ao consumo de bebidas alcoólicas. Os homens correspondem a 88,5% do total.

Valdo Virgo / CB / DA Press
Clique para ampliar e saber mais sobre o resultado da pesquisa (foto: Valdo Virgo / CB / DA Press)
Jorge Jaber, presidente da Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas (Abrad), acredita que taxas tão elevadas entre os consumidores do sexo masculino é cultural. “Quando a mulher bebe, vira alvo de críticas, preconceito e desvalorização sexual. A sociedade, principalmente os homens, parte do princípio de que elas serão mais fáceis de serem conquistadas, no sentido sexual. O homem, ao contrário, é estimulado a beber, leva-se isso na brincadeira”, reflete o especialista em dependência química pela Universidade de Harvard (EUA) e membro da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Ainda que os homens estejam na dianteira das estatísticas, o número de mulheres consumidoras de bebidas cresce. Segundo o Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), feito pelo Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em 2012, elas representavam 39% do total de pessoas que bebiam álcool pelo menos uma vez na semana, contra 29% em 2006. “A gente pode dizer que elas são grandes alvos das campanhas de bebida, e a indústria do álcool enxerga hoje no público feminino um grande nicho”, observa Ana Cecília Marques, psiquiatra e presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead).

Sem prevenção
Outro motivo para os homens morrerem mais é a resistência em fazer consultas de rotina. A cirrose, por exemplo, evolui dentro de um período máximo de cinco anos, tempo em que muitos nem sequer passam perto do consultório médico. “O álcool literalmente mata as células do fígado, que, apesar do alto poder de regeneração, não consegue suportar as lesões sucessivas provocadas pelo vício”, explica Sérgio Fernandes, clínico médico do laboratório Exame.

Segundo Jaber, um dos motivos para tanta demora no diagnóstico das doenças do fígado entre os homens — esses males representam 54% de todas as mortes relacionadas ao álcool no Brasil, de acordo com o estudo — está no fato de o sistema digestivo deles ser maior e mais eficiente, de forma que conseguem consumir maiores quantidades de bebidas alcoólicas durante mais tempo sem sentirem os efeitos adversos na saúde.

“Não há prevenção. Não existem políticas que forneçam tratamento ou assistência. Não tem quem diga para a pessoa que ela precisa de ajuda. A prevenção no Brasil é zero, e o tratamento, pífio. O controle da oferta não existe, pois os adolescentes têm acesso a bebidas”, alerta Ana Cecília.

O problema se repete em outros países analisados. As autoras do trabalho afirmam que toda a América sofre com o descaso em maior ou menor intensidade. “Mortes relacionadas ao álcool são evitáveis por meio de intervenções e políticas que minimizem o consumo. Pesquisas em todo o mundo indicaram que as restrições à disponibilidade de bebidas alcoólicas, o aumento de preços e o controle de marketing interferem efetivamente para reduzir o uso nocivo”, concluem, no estudo.

Abalos psiquiátricos
A bebida alcoólica pode causar diretamente 60 tipos de doenças e lesões, como cirrose, pancreatite e transtornos psiquiátricos. Gawryszewski e Monteiro ressaltam o risco de o dependente ser acometido por “uma série de doenças mentais ou do sistema nervoso”. Entre elas, a depressão, a ansiedade, as psicoses e a neuropatia periférica.

Na Argentina, no Brasil, em Cuba, na Guatemala e na Nicarágua, os distúrbios neuropsiquiátricos foram responsáveis por cerca de metade das mortes relacionadas ao álcool. Segundo Ana Cecília Marques, um dos problemas mais recorrentes são os acidentes vasculares hemorrágicos. Eles aparecem primeiro com a hipertensão arterial, também causadora dos derrames.

Jorge Jaber explica que o consumo frequente leva à morte dos neurônios, o que resulta em alterações cognitivas e de aprendizado. A memória fica alterada e as dificuldades acometem também os membros periféricos. “Os neurônios responsáveis pelos movimentos, aqueles que saem do cérebro e vão para os músculos, também são destruídos. Por isso, a marcha é comprometida. São as chamadas doenças dos nervos periféricos, crônicas, progressivas e fatais”, diz.

Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Soraia Piva / EM / DA Press)
Duas perguntas para: Maurício Fiore, Antropólogo e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap)

O consumo das bebidas alcoólicas é maior entre os homens. Que aspectos sociais estão por trás disso?
Trata-se claramente de uma questão histórica. O ato de beber é mais associado aos homens, inclusive porque normalmente se bebia fora de casa, na cena pública. Há diferenças entre períodos e regiões, mas a capacidade de consumir álcool é, no Ocidente, associada à masculinidade. Isso vem se alterando, principalmente depois do século 20. Os dados indicam que a proporção de mulheres que bebem cresceu, inclusive no Brasil, embora ainda estejam longe dos homens. Há que se considerar também que, em média, a capacidade feminina de absorver o álcool é menor que a masculina.

No Brasil, a legislação para bebidas é tímida. Isso reflete uma tendência do país em não considerar o produto uma droga?
As políticas públicas sobre álcool no Brasil ainda engatinham. O consumo de álcool é naturalizado e ainda raramente visto como o de uma droga psicoativa. Mas há fatores políticos e econômicos que também impedem que a discussão sobre política de álcool avance. Uma das maiores empresas do mundo é a Ambev, que tem um poder de pressão política grande. Enquanto o Congresso Nacional só consegue fazer mais do mesmo com relação às drogas ilícitas — endurecer penas, sendo que o caminho mundial é o contrário —, no caso do álcool, quase nada avança.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA