Álcool mata 80 mil pessoas por ano nas Américas; Brasil tem 5º pior índice

Pesquisadoras brasileiras estudaram padrões de morte entre as quais o álcool era mencionado especificamente - como hepatopatia alcoólica - em 16 países da região, entre 2007 e 2009. Problema é predominantemente masculino

por AFP - Agence France-Presse 15/01/2014 08:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O álcool provoca, em média, 80.000 mortes anuais nas Américas, um problema que coloca o Brasil na quinta posição dos países com maior número de casos por 100 mil mortes, informou nesta terça-feira a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS). O estudo "Mortalidade nas Américas por doenças, condições e lesões em que o álcool é causa necessária, 2007-2009", das brasileiras Maristela Monteiro e Vilma Gawryszewski, observou que o álcool é uma causa "determinante" de morte em uma média de 79.456 casos ao ano, segundo comunicado da OPAS, representação regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Washington.

sxc.hu
Estudo assegura que essas mortes representam apenas 'a ponta do iceberg de um problema mais amplo' (foto: sxc.hu)
Na maioria dos países, as mortes foram consequências de uma hepatopatia alcoólica ou doença do fígado, seguida de distúrbios mentais provocados pela ingestão de bebidas alcoólicas. As cientistas Vilma Gawryszewski, assessora da OPAS em informação e análise sobre saúde, e Maristela Monteiro, especialista em abuso de substâncias, estudaram padrões de mortes entre as quais o álcool era mencionado especificamente - como hepatopatia alcoólica - em 16 países da região entre 2007 e 2009.

As autoras asseguraram que estas mortes representam apenas "a ponta do iceberg de um problema mais amplo" porque o álcool está relacionado a outras doenças como insuficiências cardíacas ou inclusive câncer, além de casos de acidentes de trânsito e armas de fogo. "É provável que o número de mortes que fazem do consumo do álcool um fator significativo seja muito maior", escreveram Gawryszewski e Monteiro, segundo o comunicado.

Na região, alguns países se destacam com os maiores índices relativos de mortes por álcool. O mais alto é El Salvador, com 27,4 casos por 100.000 mortes, seguido da Guatemala, com 22,3, Nicarágua, 21,3, México, 17,8 e Brasil, com 12,2. O problema é menos agudo em Colômbia (1,8), Argentina (4,0) e Venezuela (5,5). Em todos os países, no entanto, o problema é predominantemente masculino, pois 84% dos mortos por consumir álcool eram homens, segundo a OPS.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA