Motoristas ficam distraídos pelo menos 10% do tempo, diz estudo

Comer, procurar o telefone e mandar mensagens estão entre os principais motivos de distração ao volante. Riscos são ainda maiores entre os motoristas novatos

por Letícia Orlandi 08/01/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que os motoristas tiram seus olhos das estradas ou ruas durante pelo menos 10% do tempo em que estão atrás do volante.

Pesquisadores dos Institutos Nacionais da Saúde da Universidade Virgínia Tech apontam que as piores consequências da distração estão entre os os mais jovens e recentemente licenciados. Eles correm mais risco de provocar atropelamentos e colisões em função de atividades secundárias à direção, como mandar mensagens de texto, buscar o celular dentro do veículo ou fazer um lanche.
Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Soraia Piva / EM / DA Press)
Consideradas normais por muitos condutores, essas pequenas distrações são 'muito perigosas', nas palavras do co-autor do estudo, Bruce Simons-Morton, do Instituto Eunice Kennedy Shriver de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano. “Qualquer desvio de atenção é um perigo potencial, mas nosso estudo demonstrou que as consequências são piores para motoristas novatos, que ainda não desenvolveram completamente a percepção auditiva ao volante”, explica o pesquisador.

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
Qualquer desvio de atenção é um perigo potencial, mas o estudo demonstrou que as consequências são piores para motoristas novatos (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
O trabalho analisou vídeos de câmeras instaladas em 150 carros. Os motoristas tinham entre 18 e 72 anos, sendo que um quarto deles – aproximadamente 38 - eram novatos, com carteiras obtidas há menos de um mês.

Entretanto, mesmo entre os motoristas mais experientes, o fato de digitar um número no telefone dobrou as chances de o condutor bater o carro ou 'tirar uma fina' de outro veículo. Outras tarefas, como comer, não afetaram de maneira significativa a condução das pessoas com mais de 20 anos de experiência. A grande descoberta, segundo os cientistas, foi de que entre os novatos esse risco aumentava para pelo menos oito vezes. No caso da busca pelo telefone dentro do veículo, o risco aumentou sete vezes; enquanto digitava uma mensagem de texto, quatro vezes; e no caso de um 'lanchinho' o risco aumentou três vezes.

De acordo com a pesquisa publicada no New England Journal of Medicine, os resultados proporcionam apoio para licenciamento de programas que restringem o uso de aparelhos eletrônicos, especialmente entre motoristas iniciantes.

Brasil
Embora ainda não haja pesquisa semelhante no Brasil, um relatório da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) destacou que a distração pelo uso de celular ao volante aumenta em 25 vezes o risco de acidente. Em Belo Horizonte, por exemplo, a cada 4 minutos um motorista é multado por usar o telefone enquanto dirige. A infração é a terceira maior causa de multas na capital, perdendo apenas para excesso de velocidade e avanço de sinal. A gravidade do problema mobiliza Judiciário e Legislativo para endurecer as punições.

Em Minas, os motoristas novatos engrossam as estatísticas e são os que mais têm o direito de dirigir suspenso. O Detran-MG fez um levantamento durante seis meses e constatou que foram invalidadas 3.085 permissões de motoristas com menos de um ano de carteira. Os veteranos foram punidos com a suspensão de 2.231 carteiras no mesmo período, além de 11 cassações.

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
Em Belo Horizonte, a cada 4 minutos um motorista é multado por usar o telefone enquanto dirige (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA