Personagem da Notícia - Hammuel: um filho ciumento

Dificuldade no controle da doença trouxe problemas psicológicos ao pai do pequeno Victor. Guinada no tratamento contou com apoio incondicional do filho

por Letícia Orlandi 27/12/2013 09:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arte: Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Arte: Soraia Piva / EM / DA Press)

“Antes, era o diabetes que me controlava. Hoje, eu controlo a doença”. A frase é de Hammuel Gideony, de 28 anos, morador de Dores do Indaiá, município com 14 mil habitantes localizado no Centro-Oeste de Minas Gerais, a 217 quilômetros de Belo Horizonte.

Diagnosticado aos 7 anos, até seis meses atrás ele fazia o tratamento com seringa. “Mudei o tipo da insulina algumas vezes em busca de melhores resultados, mas, devido à dificuldade de adquirir os insumos, só conseguia monitorar a glicemia duas vezes por dia, quando monitorava”, conta o empresário.

Arquivo Pessoal
O pequeno Victor, de 3 anos, pediu (mesmo sem precisar) uma bomba igual à do pai (foto: Arquivo Pessoal)
Os problemas foram muitos, ao longo de 20 anos. Taxas altíssimas de glicose, alcançando picos de 500; e crises de hipoglicemia quando chegava a 200. Teve vários episódios de ausência, como se não estivesse mais presente em algum lugar com a família ou os amigos. “Não chegaram a ser desmaios, mas eu ficava fora do ar. Não conseguia cumprir uma jornada de trabalho inteira. Em um dia eu estava bem, no outro não conseguia nem levantar”, descreve.

Com a piora da situação, Hammuel teve que fazer tratamento psicológico e psiquiátrico. “Cheguei a tomar nove comprimidos por dia”, afirma. Quando, há seis meses, passou a utilizar a bomba e o glicosímetro (não sem antes uma ação na justiça, assim como no caso de Natália), os efeitos foram assustadores. No bom sentido, é claro. “Agora tomo apenas um medicamento, e estou em vias de não precisar nem desse mais. A doença era um empecilho na minha vida, me impedia de crescer. Depois que passei a usar o aparelho, tomei a decisão de abrir um negócio próprio e ser dono das minhas decisões”, comemora.

Ele só não contava com a reação de Victor Miguel, seu filhinho de três anos. Encantado com o novo ‘brinquedo’ do pai, o pequeno “queria porque queria” um igual. “Tive que fabricar uma bomba de insulina para ele. Claro que é de mentira, mas ele me vê como exemplo e quer compartilhar isso comigo”, conta o pai, orgulhoso do apoio de Victor.

Para complementar o processo, Hammuel utiliza uma planilha - no computador e no celular – para fazer seu controle glicêmico e enviar ao médico. Quando ele chega para a consulta em Belo Horizonte, a cada 40 dias, eles discutem juntos a evolução do tratamento. “Há seis meses, não tenho crises de hipoglicemia”, comemora o jovem empresário.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA