Controle da glicose inibe disseminação do vírus causador da influenza A

Experimento em laboratório mostrou que, ao reduzir a energia dentro das células, é possível conter a disseminação do causador da influenza A em humanos. A descoberta pode se transformar em uma nova forma de intervenção contra o micro-organismo

por Flávia Franco 19/12/2013 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Febre, dores no corpo, tosse e fraqueza. Os sintomas da gripe são conhecidos, assim como a forma mais comum de prevenção: a vacina. Depois da infecção, porém, o tratamento recomendado costuma ser antivirais e repouso. Mas pesquisadores norte-americanos fizeram descobertas que podem levar a um novo tratamento contra a enfermidade. Eles concluíram que a redução do metabolismo da glicose intracelular provoca a queda da infecção desse micro-organismo. O experimento foi realizado em culturas de células em laboratório. Posteriormente, poderá ser testado em pessoas.

Como os causadores da gripe mudam continuamente por meio de mutações genéticas, é necessário reformular a vacina todos os anos, sempre com base em previsões sobre qual estará em maior circulação na temporada. “Os cientistas identificam partículas comuns entre os vírus para constituir a vacina e induzir a produção de anticorpos no organismo”, explica Ricardo Martins, pneumologista do Hospital Universitário de Brasília (HUB).

Geralmente, as mutações são contidas por essa prática, mas há o risco de o micro-organismo sofrer alterações que o torne fatal. A pandemia da gripe espanhola em 1918, por exemplo, provocou a morte de 40 milhões a 100 milhões de pessoas. Mais recentes, a gripe aviária e a gripe suína também provocaram mortes e deixaram as autoridades de saúde pública em alerta.

CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: CB/D.A Press)
De acordo com os autores do novo estudo, os biólogos da Universidade de Carolina do Norte (EUA) Hinissan P. Kohio e Amy L. Adamson, os achados abrem um leque de oportunidades para a criação de uma terapia que independa das mutações e variações sazonais sofridas pelo vírus. “Alterar o metabolismo da glicose pode ser uma nova abordagem potencial para inibir a infecção”, afirmam no estudo divulgado, no domingo, durante o encontro anual da Sociedade Americana de Biologia Celular, em Nova Orleans (EUA).

Martins avalia o estudo como interessante, mas reforça que a intervenção proposta demanda cuidados. “É preciso desenvolver um método que não prejudique a glicose, fundamental para o metabolismo celular”, diz. Infectologista do Laboratório Exame, Jaime Rocha complementa, destacando o ineditismo da proposta. “Não havia outras formas que a gente conhecesse para sacar esse vírus em tratamento”, afirma. “Ainda não se trata de uma terapia. Também não é remédio, é algo como ‘descobriram um novo ponto frágil do inimigo’.”

Dependência
A concepção do estudo surgiu a partir do conhecimento de que, para se reproduzir, o vírus da gripe depende de energia e ações da célula infectada por ele. Assim, os cientistas levantaram a hipótese de que uma nova estratégia para retardar a infecção viral seria mirar nas necessidades essenciais dele. Ao oferecer níveis mais baixos de glicose para as células, eles inibiram a transformação do açúcar em energia, suprimindo a infecção viral. “O vírus influenza depende das atividades celulares para infectar as células”, explica Adamson.

O experimento foi feito em laboratório com células de mamíferos e o causador da influenza A. Em sentido contrário à primeira abordagem, quando os cientistas impulsionaram as concentrações de glicose nas células, a taxa de infecção por influenza aumentou concomitantemente. Os pesquisadores também demonstraram que a infecção pode ser restaurada para níveis elevados simplesmente com a adição de ATP, a principal fonte de energia para as reações celulares, evitando a necessidade de glicose.

Olhando mais de perto, os biólogos descobriram ainda que níveis mais elevados de glicose promoveram a formação de enzimas celulares V-ATPase, que utilizam a energia liberada da quebra do ATP para manter o pH dentro dos limites fisiológicos compatíveis com a vida celular. Quando os cientistas acrescentaram o inibidor de glicose às células, a formação da V-ATPase foi suprimida, favorecendo o ambiente celular para a infecção.

O vírus da gripe usa o ambiente ácido intracelular para fundir o seu invólucro ao da célula e infectá-la com o genoma viral. Os biólogos concluíram, portanto, que a infecção viral está intimamente ligada à formação da V-ATPase. A facilidade com que os pesquisadores conseguiram diminuir a infecção viral pelo controle dos níveis de glicose e interferindo na atividade da V-ATPase sugere uma nova estratégia para o tratamento da infecção causada pelo vírus da gripe.

“O próximo passo deve ser desenvolver uma droga que consiga fechar todas as pontes de alimentos para o vírus. Só precisamos pensar em um jeito de fazer isso sem fechar o suprimento da célula, senão ela morre”, ressalta Jaime Rocha. O infectologista reforça que a gripe é sempre preocupante. Fora de uma pandemia, estima-se uma ou duas mortes provocadas pela doença a cada 100 mil jovens infectados. “Em uma epidemia, esse número pode chegar a mil por 100 mil em quem tem problemas cardiológicos, pulmonares e outras doenças crônicas. Por isso a vacina acaba priorizando essas pessoas.”



Diferente de resfriado

“As pessoas costumam usar a palavra gripe para falar de resfriados e outros problemas de saúde, mas é importante separar um do outro. Resfriados são quadros mais leves, normalmente acompanhados de febre e podem ocorrer o ano todo. O quadro influenza é causado somente pelo vírus influenza. A gripe pode ser do tipo A, B ou C, com inúmeras variações entre elas. A C normalmente não afeta humanos. A do tipo A ficou conhecida por causa das variações, chamadas de suína e aviária. O quadro da gripe influenza é mais grave, com febres altas. Podem desencadear em epidemias (quando uma doença atinge um grande número de casos em um curto período de tempo) ou pandemias (epidemia que se espalha entre a população de uma grande região geográfica). Também são mais comuns na época do inverno e podem trazer danos mais graves, como pneumonias.”

Jaime Rocha, infectologista do Laboratório Exame

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA