Futuros papais também devem fazer dieta

A deficiência de vitamina B9 em homens pode comprometer a formação músculo-esquelética dos filhos, segundo experimento canadense. Especialistas ressaltam que os cuidados com a alimentação devem ir além da suplementação de ácido fólico

por Paloma Oliveto 14/12/2013 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
São mais de nove meses de atenção exclusiva à mulher e à barriga dela. Assim que o casal decide que está na hora de gerar descendentes, a futura mãe é cercada de cuidados, principalmente em relação à alimentação. Mas o que os homens comem também terá influência sobre a saúde dos filhos. Uma pesquisa publicada na revista Nature Neuroscience mostrou que o baixo consumo de vitamina B9 está associado a problemas na formação do feto. No estudo, conduzido pela Universidade de McGill, no Canadá, e feito com ratos, até 30% dos casos de anomalias esqueléticas, como deformidades crânio-faciais e na espinha dorsal, estavam associados à deficiência de folato no organismo paterno.

Cada vez mais, há evidências científicas do papel que o ambiente desempenha sobre a descendência. O estilo de vida e o tipo de dieta dos pais e das mães podem influenciar no surgimento de diversas doenças, desde problemas metabólicos, como a obesidade, a transtornos psiquiátricos. Isso acontece por causa da epigenética, que é a herança de características adquiridas pelos genitores ao longo da vida.

sxc.hu
Uma pesquisa publicada na revista Nature Neuroscience mostrou que o baixo consumo de vitamina B9 está associado a problemas na formação do feto (foto: sxc.hu)
O excesso de gordura na alimentação, por exemplo, é incapaz de provocar uma mutação genética. A sequência das letras que formam o DNA continua a mesma. Contudo, esse tipo de dieta pode alterar reações químicas ocorridas no nível celular, ligando ou desligando, por exemplo, a atividade de um gene. As mudanças na ativação de determinados genes ficam impressas na memória das células reprodutivas e estão por trás de diversas doenças transmitidas para até duas gerações sucessivas.

No caso da pesquisa canadense, a deficiência na ingestão de folato, a vitamina B9 em estado natural (quando em forma de suplemento, ela é conhecida como ácido fólico), resultou em deformidades esqueléticas nos fetos. Sabe-se que gestantes com carência da substância correm mais risco de darem à luz anencéfalos e crianças com espinha bífida, mas essa é a primeira vez que se estabelece uma relação entre a falta de folato na dieta paterna e os problemas de formação e desenvolvimento da cria.

De acordo com um dos autores do estudo, Romain Lambrot, a descoberta é fundamental para que os homens que desejam ser pais também sejam orientados a mudar de dieta. “Quando a mulher conta ao médico sobre seus planos de engravidar, uma das primeiras providências é prescrever um aumento na ingestão do folato, de 400mcg por dia para 600mcg, ao menos três meses antes da concepção. Agora, o recado parece claro: não são apenas as mulheres que precisam se preocupar com o que comem ou bebem. Se o casal deseja ter uma descendência saudável, o homem também terá de adaptar seu estilo de vida antes de conceber”, afirma.

Thiago Fagundes / CB / DA Press
Clique para ampliar e entender a importância da dieta masculina (foto: Thiago Fagundes / CB / DA Press)
Lambrot diz que, em todo o mundo, uma em cada 33 crianças nasce com defeitos congênitos, sendo que, em metade dos casos, a causa é desconhecida. “É possível que, tendo o homem como alvo, alguns desses distúrbios possam ser prevenidos”, diz. Ele conta que o próximo passo da equipe é investigar em clínicas de fertilização se a ingestão de folato por parte dos futuros pais afeta o risco de as crianças nascerem com problemas de desenvolvimento fetal, da mesma forma que ocorreu com os ratos do estudo. A principal autora da pesquisa, Sarah Kimmins, especialista em reprodução humana e epigenética, aposta que essa relação será encontrada. “Geneticamente, os ratos são muito semelhantes aos humanos. Além disso, o mecanismo celular que liga a dieta do pai à saúde do filho funciona da mesma forma para roedores e humanos”, diz.

Na placenta
No estudo, Kimmins e Lambrot alimentaram ratos fêmeas com uma dieta saudável, enriquecida de folato. As roedoras, em seguida, cruzaram com 35 ratos que também haviam consumido alimentos ricos em vitamina B9 e outros 32 animais que seguiram uma dieta pobre em nutrientes. Os cientistas, então, examinaram o esperma dos ratos e constataram que aqueles com deficiência em folato apresentaram marcadores epigenéticos previamente associados não só à malformação fetal, mas também ao desenvolvimento de doenças como câncer, diabetes, autismo e esquizofrenia.

Os pesquisadores ainda encontraram os biomarcadores na placenta das fêmeas que cruzaram com esse grupo de animais. “A placenta é o órgão que nutre o feto durante a gestação e contém os mesmos genes que a cria. Ficamos impressionados quando vimos como as alterações epigenéticas estavam relacionadas ao aumento na incidência de defeitos congênitos”, conta Kimmins. Entre os 328 ratos nascidos de pais que ingeriram pouco folato, 14 tinham malformação, incluindo problemas músculo-esqueléticos e anomalias crânio-faciais. Já os 285 roedores descendentes de animais que receberam uma dieta adequada não apresentaram defeitos congênitos.

De acordo com Kimmins, ainda não se sabe por quanto tempo os fatores ambientais, como uma alimentação pobre em folato, afetam o esperma. A cientista lembra que, entre o desenvolvimento e o amadurecimento dessa célula, são necessários três meses, embora milhares de espermatozoides sejam produzidos a todo momento. “Potencialmente, esse período de 90 dias limparia as células dos efeitos ambientais, mas não sabemos ainda se os danos podem ser reversíveis.

A especialista em reprodução humana acredita que o estudo deixa uma importante mensagem para os homens. “Existe uma percepção de que o pai pode fazer o que quiser em termos de alimentação, estilo de vida e uso de drogas e que isso não vai afetar o fato de ele ter ou não filhos saudáveis. Nossa pesquisa realmente mostra que não é verdade. Os homens precisam pensar cuidadosamente sobre o tipo de vida que estão vivendo porque existe um potencial de impactar sua descendência”, sustenta.

A pesquisadora da Faculdade de Saúde Pública da Universidade da Califórnia em Bekerley Suzanne Young nota que são necessários mais estudos para que a relação entre o baixo consumo de folato por parte dos homens e a malformação fetal seja estabelecida. Mas ressalta que a pesquisa canadense acrescenta mais uma evidência sobre a necessidade de futuros pais adotarem uma alimentação saudável de forma a proteger os filhos. “Todos sabem da necessidade de as mulheres seguirem uma dieta balanceada não só durante, mas também antes da gestação. O que as pesquisas estão evidenciando agora é que o estilo de vida, especialmente a ingestão de folato, também pode beneficiar os homens em relação à produção de uma descendência saudável”, diz.

Nos cromossomos
Há cinco anos, Young conduziu o primeiro estudo que encontrou associação entre a carência de folato e problemas na saúde reprodutiva masculina. Ela explica que entre 1% e 4% do esperma de homens saudáveis contêm uma contagem anormal de cromossomos, condição chamada de aneuploidia, causada por erros durante a divisão celular no testículo. “Se um esperma anormal fertiliza um óvulo, pode haver aborto espontâneo ou distúrbios do cromossomo, como a trissomia, que estão por trás de síndromes como a de Down e a de Klinefelter”, diz a geneticista.

Na pesquisa, foram avaliados 97 homens de 22 a 80 anos, não tabagistas e sem histórico de problemas reprodutivos. Os pesquisadores constataram que aqueles com uma alta ingestão de folato tinham 20% menos taxas de esperma com números anormais de cromossomo. “Até agora, todo o peso de dar à luz um bebê saudável é direcionado à saúde e à dieta da mulher. Ainda que sejam necessários mais estudos, é inegável que essa postura precisa ser revista com urgência”, acredita.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA