Sem o sódio, a comida fica sem graça, mas excesso pode desencadear quadros de pressão alta e até derrames

Equilíbrio é palavra-chave quando o assunto é sal. Até 2020, o objetivo é que sejam retirados 28 mil toneladas de sódio de carnes e laticínios

por Gláucia Chaves 01/12/2013 12:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Valdo Virgo/CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)
Ele está em todos os lugares. Mesmo que tentemos controlar a alimentação, o sódio ainda preocupa. Recentemente, um acordo assinado entre o Ministério da Saúde e a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) determinou que 16 grupos de alimentos deveriam reduzir a quantidade da substância. Até 2020, o objetivo é que sejam retirados 28 mil toneladas de sódio de carnes e laticínios. Myrna Campagnoli, endocrinologista do Laboratório Exame, explica que o principal efeito do sódio em excesso é a hipertensão arterial. “Isso faz com que a pessoa fique inchada e pode também causar problemas cardíacos”, completa.

Isso acontece, de acordo com a especialista, porque o sódio, depois de absorvido pelo corpo, vai direto para a corrente sanguínea. Lá, ele estimulará os rins e a suprarrenal, glândula localizada acima dos rins. “Isso diminui a quantidade de urina, e o organismo passa a reter líquido.” Entretanto, cortar todo o sódio da dieta, ainda que fosse possível, não seria bom. Campagnoli frisa que a falta da substância pode gerar uma situação de hipotensão, ou pressão baixa. “A pressão sanguínea serve para fazer com que o sangue com nutrientes e oxigênio chegue aos órgãos e tecidos”, justifica. “Se há pressão baixa, isso não acontece e as funções ficam prejudicadas.”

De acordo com Sidney Cunha, cardiologista do Hospital do Coração do Brasil, indivíduos com insuficiência cardíaca devem ter ainda mais cuidado, uma vez que o quadro pode piorar com o excesso de sal. Parte do problema está em distinguir os “níveis seguros” de consumo. Não há como saber, por exemplo, qual é a quantidade de sal usada em alimentos preparados em restaurantes. “Para quem já é hipertenso, a quantidade limite de sódio diária equivale a cerca de 2g a 3g de sal”, estima. “Para quem quer se prevenir da doença, até 6g.” Cunha reconhece que essa é uma medida médica e não muito prática no dia a dia, mas indica que as pessoas treinem o paladar em casa para reconhecer excessos na rua. “Uma solução seria fazer o preparo dos alimentos em casa completamente sem sal e, depois, acrescentar apenas o recomendado”, sugere.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA