BH tem concentração média de gás que causa câncer de pulmão maior que outras metrópoles

O gás radônio, segundo maior causador de câncer de pulmão, gera partículas alfa-radioativas que ficam no ar e são inaladas. Belo Horizonte tem uma concentração média de radônio maior do que outras metrópoles, como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Campinas

por Humberto Rezende 25/11/2013 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou o alerta durante o último Congresso Europeu de Oncologia: o gás radônio é o segundo maior causador de câncer de pulmão no mundo, atrás apenas do tabagismo. Considerado um inimigo oculto, o gás radiotivo é inerte, inodoro, incolor e insípido. Originário da quebra natural do urânio, rádio e do tório, presente em solos e rochas, só pode ser detectado com equipamentos de ponta.

De acordo com o coordenador do Laboratório de Radioatividade Natural da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Thomas Ferreira da Costa Campos, que organizou a cartilha Consequências do gás radônio na saúde humana, esses elementos naturais podem ser encontrados em qualquer parte do mundo. “Quanto maior for o teor de rádio no solo, maior o potencial de aparecimento de níveis elevados de radônio dentro de construções acima desse solo. Consequentemente, não se deve perguntar ‘e xiste Radônio aqui?’, mas sim, ‘quanto de radônio tem nesse ambiente?’”, explica.

EM/D.A Press
O radônio está fortemente ligado às características geológicas de BH, como tipo de solo e rocha da região. A cidade está cercada por áreas de minério. (foto: EM/D.A Press)
O gás é responsável por 55% da radiação que o ser humano recebe ao longo de sua vida. Conforme explica o oncologista André Márcio Murad, pesquisador e coordenador do Serviço de Oncologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC/UFMG), o gás que sai do solo entra em construções por tubulações, fendas e rachaduras, se acumula e atinge concentrações que podem ser danosas à saúde, sendo maior em casas, pavimentos térreos e em andares inferiores dos edifícios.

O gás gera partículas alfa-radioativas que permanecem no ar e são posteriormente inaladas, depositando-se no epitélio das vias aéreas. “Tais partículas, quando em contato a longo prazo com o tecido que reveste o interior do pulmão, pode oxidar o DNA, levando ao câncer de pulmão. Ao ar livre, o radônio não é um risco importante para a saúde, por se diluir no ambiente”, afirma Murad, que dirige também o Centro Avançado de Tratamento Oncológico (Cenantron).

O oncologista explica que a suspeita de outras causas para o câncer de pulmão, além do tabagismo, surgiu diante da queda do número de fumantes no mundo nos últimos anos. “Na década de 1970, cerca de 30% da população mundial fumava, hoje o percentual é em torno de 15%. Mas o número de casos de câncer de pulmão não reduziu na mesma proporção. Por essa razão, especialistas do mundo todo começaram a buscar outras causas. E chegou-se ao radônio”, diz.

Jair Amaral/EM/D.A Press
A OMS estima que de 5% a 15% das mortes ligadas a esse tipo de tumor ocorre entre fumantes, e de 25% a 30% entre não fumantes está relacionada com o gás (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
A OMS estima que de 5% a 15% das mortes ligadas a esse tipo de tumor ocorre entre fumantes, e de 25% a 30% entre não fumantes está relacionada com o gás. O câncer de pulmão é o mais frequente no mundo, e o que mais mata. Por ano são 1,6 milhão de novos casos e 1,4 milhão de mortes. Dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam esse tipo de câncer como o mais comum entre todos os tumores malignos, apresentando aumento de 2% ao ano em sua incidência mundial. No Brasil, a doença leva a óbito aproximadamente 22 mil pessoas, anualmente. Altamente letal, a sobrevida média cumulativa total em cinco anos varia entre 13% e 21% em países desenvolvidos, e entre 7% e 10%, nos países em desenvolvimento.

PROBABILIDADES
Para Thomas Campos, a chance de desenvolver o câncer é como uma pessoa cega lançando dardos contra determinado alvo. “Se a pessoa lança apenas um de cada vez, provavelmente levará bastante tempo para acertar. Por outro lado, se a pessoa lançar um punhado de dardos ao mesmo tempo, a probabilidade de acertar é bem maior. Essa analogia pode ser usada para entender que para uma partícula alfa atingir uma célula pulmonar de uma maneira que cause câncer, vai depender da dose e do tempo de exposição”, esclarece.

Entidades internacionais, como a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), classificam o radônio como carcinógeno de classe I, o que indica alto risco à saúde. Segundo a OMS, o radônio expõe todos os povos a um risco sanitário que pode ser facilmente prevenido, mas que, até agora, era tratado como um assunto que não chamava a atenção. Um estudo realizado em residências em 2000 apontaram Suécia, Noruega, Finlândia e República Tcheca como os países onde foi detectada a maior presença de radônio. O frio facilita a concentração do gás, especialmente em ambientes calafetados e aquecidos artificialmente, já que ficam fechados.

Para combater o problema, a organização aposta na informação, com campanhas dirigidas aos políticos e à opinião pública. O projeto terá duração de três anos e, entre as medidas propostas, podemos citar a avaliação de riscos, a adoção de normas para reduzir a exposição e a concentração do gás como a despressurização do solo, selagem de pisos e paredes, tratamento de água contaminada, aumento da ventilação de porões e melhoria da ventilação interna e do movimento do ar.

Nível do gás em casas da RMBH preocupa
Belo Horizonte tem uma concentração média de radônio maior do que outras metrópoles, como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Campinas. A conclusão é parte de um trabalho do programa de pós-graduação em Ciências e Técnicas Nucleares da Escola de Engenharia Nuclear da UFMG. Intitulado Distribuição da concentração de radônio em residências e outras construções da Região Metropolitana de BH, o estudo é fruto de uma parceria com o Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN), órgão integrante da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). A primeira fase da pesquisa, divulgada em 2011, inclusive em reportagem do Estado de Minas, identificou que 15% das 540 residências e construções analisadas apresentaram concentrações do radônio superiores aos limites de 150 bequerel por metro cúbico (Bq/m³) e de 200 Bq/m³, preconizados pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (Usepa) e pela Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP) como inofensivos à saúde humana.

“Pudemos concluir que a quantidade do gás presente nesse tipo de ambiente tem grande variabilidade de um lugar para outro. Os valores vão de 4,0 a 1.576 Bq/m³. Mas com a ressalva de que foram medidos a curto prazo (entre dois e sete dias) e em ambientes fechados. Por conta disso, passamos para uma nova etapa de trabalho, que deverá ser concluída no fim de 2014, em que teremos em mãos dados coletados a longo prazo, em períodos entre três e 12 meses”, esclarece Zildete Rocha, pesquisador do CDTN e um dos orientadores do trabalho.

Ele explica que o radônio está fortemente ligado às características geológicas do local, como tipo de solo e rocha da região. E Belo Horizonte está cercada por áreas de minério. “Além disso, a Região Metropolitana de BH (RMBH) está assentada em terreno cujo embasamento geológico é composto principalmente por rochas graníticas, que apresentam considerável concentração de radionuclídeos naturais”, acrescenta. Detectores de câmara de ionização de eletretos foram usados para medir a concentração do radônio. Moradores de Poços de Caldas, no Sul do estado, também precisam se atentar para o problema, já que a cidade abriga a primeira mineração de urânio brasileira.

Nível aceitável
O radônio pode ser dissolvido na água subterrânea e ser lançado no ar da residência durante o banho, lavagem de roupa e outras atividades que utilizam água. Casas com abastecimento de água subterrânea, seja pública ou proveniente de poços, são as mais propícias a estar contaminadas. Mas a preocupação maior não é o uso generalizado dessa água contaminada, nem mesmo sua ingestão, mas a infiltração do radônio no ar que respiramos além daquele que vem diretamente do solo. Seria necessário muito radônio na água para alterar a concentração do gás no ar. Isso porque 250.000 Bq/m3 presente na água aumenta apenas em 25 Bq/m3 no ar. Assim, ao se testar os níveis de radônio, deve-se optar pela medição da concentração no ar, por ser ela a que influencia mais sobre a saúde humana e animal.




VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA