Uso de substâncias ilícitas rouba 20 milhões de anos de vida em apenas 12 meses no mundo

Segundo o estudo, o vício em opiáceos foi o responsável pelos piores estragos

por Bruna Sensêve 23/11/2013 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Estima-se que, em 2010, existiam mais de 52 milhões de dependentes em drogas ilícitas nas 187 principais nações do mundo. Os efeitos dessa prevalência se refletem na saúde global em mais de 20 milhões de anos de vida perdidos por morte prematura ou vividos em situação de incapacidade. Ambas as condições são geradas por doenças atribuídas ao uso indevido de substâncias químicas ou derivadas de plantas. Os dados foram calculados pelo macroestudo de Carga Global de Doenças 2010 (GBD), que mediu o peso da dependência separadamente para anfetaminas, cocaína, opiáceos e maconha. No artigo publicado neste mês na revista científica The Lancet, o grupo internacional de pesquisadores apresentou as estimativas globais e a variação regional do impacto na saúde mundial do uso de drogas ilícitas.

Os resultados mostram que, no mundo e para todas as formas de dependência de drogas, o impacto do uso dessas substâncias foi maior em homens com idades entre 20 e 29 anos. A dependência de drogas ilícitas saiu da décima posição em 1990 para a oitava em 2010, entre os maiores contribuintes para a deficiência em indivíduos do sexo masculino.

Valdo Virgo / CB/ DA Press
Clique para ampliar e saber detalhes do estudo (foto: Valdo Virgo / CB/ DA Press)
Outro dado que chamou a atenção dos autores foi que, embora a maconha seja a droga ilícita mais consumida, a prevalência da dependência de cannabis foi menor do que o vício em anfetaminas e opiáceos. O impacto dessa dependência na saúde global é medido em DALYs, uma sigla em inglês para a somatória dos anos de vida perdidos por morte prematura e aqueles vividos com algum tipo de incapacidade causada pelo uso de substâncias ilícitas. A dependência de opiáceos se destacou como o maior contribuinte para a carga direta de DALYs, cerca de 9,2 milhões de anos. Os opiáceos são substâncias derivadas da papoula, fruta que origina o ópio. A codeína e a morfina, por exemplo, são derivadas do ópio, e, a partir delas, é produzida a heroína.

As estimativas mostram que o impacto global da dependência em opiáceos é oito vezes maior que o da dependência em cocaína e mais de quatro vezes para a dependência em maconha. Das 78 mil mortes atribuídas a doenças derivadas do uso de drogas ilícitas, mais da metade está ligada aos opiáceos. Segundo a autora Louisa Degenhardt, do Centro de Pesquisa Nacional em Drogas e Álcool, da Faculdade de Medicina da Universidade de South Wales, na Austrália, a forma de aplicação da droga interfere bastante no impacto para a saúde do dependente.

“O uso de drogas injetáveis teve uma contribuição adicional notável na carga de doenças, aumentando os riscos de infecção pelos dois modelos de vírus transmitidos pelo sangue: o HIV e a hepatite C”, destaca. No texto, os pesquisadores sugerem que grande parte da carga global de doenças ligadas à dependência de opioides poderia ser evitada “pela expansão dos programas de agulhas e seringas, o tratamento de substituição de opiáceos, e por terapia antirretroviral contra o HIV”.

Sondagem detalhada

Outros fatores também ganharam destaque na extensa análise mundial. Degenhardt observou que, apesar de muito alto, o uso regular de maconha teve uma pequena participação na carga de doenças, especialmente por meio da contribuição dele como fator de risco para a esquizofrenia. “O suicídio foi outra contribuição significativa para carga de drogas ilícitas porque é uma causa comum de morte em usuários regulares de opiáceos, cocaína ou anfetaminas”, completa.

Para Ronaldo Laranjeira, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretor do Instituto Nacional de Políticas de Álcool e Drogas (Inpad), ligado ao CNPq, a metodologia do estudo, divulgado desde 1990, está ficando mais sofisticada. O material divulgado inova ao ver não só o conceito do dependente, mas também qual é o perfil dele na escola e no trabalho. “Temos mais detalhes do nível de funcionamento de várias áreas da pessoa quando você amplia ou detalha mais esses parâmetros.”

Laranjeira cita que, tipicamente, o usuário dependente de maconha sofre uma diminuição da iniciativa de vida. “Tem maior chance de ser desempregado, de funcionar aquém das suas capacidade.” Segundo o especialista, ao colocar todos esse fatores juntos, é possível começar a enxergar melhor a incapacitação produzida por essas drogas. “Não existe a overdose de maconha, como pode haver a de cocaína. O perfil de problemas com a maconha é diferente do de outras drogas. Na verdade, cada droga vai ter um perfil.”

A pesquisadora Zila van der Meer Sanchez, do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas, ligado à Unifesp, ressalta que os efeitos para a saúde dependem também da forma de uso. Segundo ela, o crack — uma forma de uso da cocaína para o fumo — leva a um comprometimento social já conhecido. “A cocaína aspirada não. Ela mostra muito menos impacto social no dependente que a cocaína na forma de crack.”

Os maiores danos seriam causados pela heroína. Diferentemente da antefamina e da cocaína, a heroína é uma droga depressora, enquanto as outras são estimulantes. “Talvez por isso seja percebido um problema de incapacidade mais rapidamente no usuário de opiáceos. No caso da heroína, já no início do uso, a pessoa entra em um estado de leseira.”

O trabalho mostrou também que a dependência de cocaína tinha a menor prevalência estimada no mundo e pareceu mais geograficamente concentrada nas américas do Norte e do Sul. Ressalta que a região da América do Sul é a principal produtora mundial de cocaína. “Os únicos que produzem são a Bolívia, a Colômbia e o Peru. São produtores mundiais da droga”, destaca Sanchez. A região chamada de América Latina Tropical está em terceiro lugar na dependência de cocaína e envolve apenas o Brasil e o Paraguai.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA