MMA para crianças: opinião da Federação Mineira de Judô

"Não se pode forçar ninguém a ser campeão", diz o presidente da entidade

por Letícia Orlandi 20/11/2013 09:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O que pensam os professores de outras artes marciais de contato? Luiz Augusto Martins Teixeira, presidente da Federação Mineira de Judô, é cirurgião-dentista, pós-graduado em saúde coletiva e professor de artes marciais em grandes instituições de ensino da capital mineira. Ele explica que, quando se oferece uma atividade física direcionada à criança, um esporte como o judô, é necessário trabalhar o repertório motor dos jovens para que depois eles possam alcançar os movimentos técnicos, ou seja, os golpes. “Existe todo um trabalho de preparação do movimento e da musculatura para realização desses movimentos. Antes de aprender a projeção (arremesso do oponente), é necessário aprender a cair. Pela idade das crianças que estão lutando MMA, não houve tempo para essa preparação. Isso aumenta as chances de lesão”, afirma o mestre.

Para Luiz Augusto, não se força ninguém a ser campeão. “Um campeão se faz naturalmente. O que a prática oferece é um bom repertório motor, tratado de forma pedagógica: ações de baixo impacto, médio impacto e grande impacto, aliadas a uma filosofia para não estimular a violência e agressividade”, explica. Para ele, as crianças tendem a desenvolver agressividade e competição em determinadas fases, até mesmo para serem aceitos em grupos, nem que seja provocando o medo. “Não podemos oferecer atividades que favorecem a formação de bad boys, líderes de gangues ou de bullying. O menino que, neste ambiente competitivo do MMA, se sentir frustrado por não conseguir derrotar crianças maiores, pode descontar sua raiva nas menores”, alerta o professor.

Sebastián Montalvo Gray / sebastianmontalvog.com
'Um campeão se faz naturalmente. O que a prática oferece é um bom repertório motor, tratado de forma pedagógica', diz Luiz Augusto Martins Teixeira (foto: Sebastián Montalvo Gray / sebastianmontalvog.com)
O presidente da Federação é contra a competição, no judô, de crianças menores de dez anos. O estímulo antes dessa idade é feito por meio dos festivais, em que todos ganham premiações. É mais uma apresentação do que um combate. “Não há cobrança pelo resultado, o ambiente é saudável, sem sobrecarga psicológica. Nas competições sub-13, as regras são adaptadas, ou seja, há golpes que não são permitidos. Tudo isso tem o objetivo de preservar a integridade física, moral e psicológica dos alunos”, afirma.

O professor lembra que o judô também é um esporte de contato, individual. Se o aluno fizer algo errado, a responsabilidade é dele, não há onde se esconder. Mas, por ser um esporte especializado, tem regras muito bem definidas. “Já o MMA não tem regras bem definidas, e essa é uma diferença muito importante. O que vale é nocautear o outro”, destaca o judoca.

Teixeira critica o papel preponderante do dinheiro para alavancar o desejo dos jovens lutadores. Para ele, tudo resume-se a uma tendência de mercado, combinando o potencial e a tendência de agressividade de alguns atletas. “Geralmente são lutadores que não foram grandes campeões em suas lutas de origem. Nos primórdios do Ultimate Fighting, a família Gracie enxergou uma oportunidade para se sobressair, uma vez que a luta de chão ainda não era muito conhecida. Depois que o evento foi vendido para Dana White (empresário e ex-pugilista estadunidense, apontado como responsável pela transformação do vale-tudo em MMA), houve o 'boom'. Estava criada uma nova tendência, que deu oportunidade a esses lutadores”, relata Luiz Augusto.

Veja a galeria de fotos que mostra as disputas de MMA entre crianças norte-americanas e russas


Veja fotos das aulas infantis de MMA no Brasil



Segundo Teixeira, no judô existe uma máxima: o perdedor de hoje pode ser o vencedor de amanhã. Basta treinar. “Como a integridade física dos atletas está preservada, não haverá um trauma severo que o impeça de praticar no dia seguinte. Já no MMA, os tempos de recuperação são de meses, anos. A longo prazo, qual será a consequência disso?”, pergunta o professor.

Sebastián Montalvo Gray / sebastianmontalvog.com
Nas competições norte-americanas, o modelo não é aquele adotado nos 'festivais' - apenas um é o vencedor (foto: Sebastián Montalvo Gray / sebastianmontalvog.com)
Ainda que uma competição infantil não permita golpes na cabeça, não se pode desprezar os riscos de lesões nos tórax e articulações. “Na criança, as fibras musculares e sua capacidade de contração estão em desenvolvimento, em constante mudança. Não há formação óssea para suportar esse tipo de trauma”, afirma Luiz Augusto. “Além disso, para formação do repertório motor do qual falamos antes, é importante fazer movimentos diferentes; e não se especializar em chutes e socos, cujo impacto pode gerar processos inflamatórios e afetar o sistema imunológico”, alerta o judoca.

Para Teixeira, a beleza do esporte está na filosofia, não no golpe. Competir não é mais importante que cooperar. “O momento do atleta é sua trajetória, seu treinamento, sua persistência, lealdade, dedicação, é o abandono de maus hábitos, é o respeito ao professor. Não é o pódio. A beleza do campeão está nessa história, não na performance. Além de professores, os alunos têm que ter mestres. O professor ensina, o mestre inspira. Eu acredito que o treinamento do MMA descaracterizou as artes marciais e jogou uma cortina de fumaça sobre essa inspiração baseada em valores de vida e formação do caráter”, conclui o presidente da Federação Mineira de Judô.

Assista agora a um vídeo sobre os irmãos Ruffo, uma dupla norte-americana treinada pelo pai que é apresentada como o futuro do MMA:



E o video que mostra a luta da garotinha Aalijah Pineda, de 8 anos, considerada a número 1 entre os ‘atletas’ de sua idade nos Estados Unidos:
 
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA