Gatos vencem preconceitos e mostram sua capacidade de salvar vidas

Eles já nasceram livres, mas não escaparam dos mitos e superstições. Historicamente discriminados, os felinos conquistam o posto de animal de estimação de muitas famílias. Em 10 anos, a população de bichanos será igual à de cães nas casas brasileiras

por Revista do CB 15/11/2013 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

“Gatos não são confiáveis.” “Gatos não gostam do dono, só se apegam à casa.” “Cruzar com gato preto dá azar.” “Cães e gatos não podem conviver.” Não são poucos nem novos os mitos — um tanto negativos — que cercam os felinos. Parte deles pode ser explicado pela história ou pela domesticação relativamente recente; outros, pelo temperamento dos bichanos. Dizer que o estigma está perto de acabar é um exagero, já que, ainda hoje, a cada sexta-feira 13, diversos gatos aparecem agredidos nos pontos de atendimento, segundo testemunha Christine Souza Martins, médica veterinária e professora da Universidade de Brasília. Apesar disso, é possível notar um fio puxado neste imenso novelo de maledicências: as pessoas estão se rendendo ao doce encanto dos bichanos.

Janine Moraes/CB/D.A Press
Nem as crises de asma, controladas por medicamentos, foram suficientes para afastar Camila Martins dos bichanos. Só que ela confessa: antes de ter o primeiro, tinha preconceitos (foto: Janine Moraes/CB/D.A Press)
O espírito livre deles, antes apontado como excesso, agora é característica ideal para quem tem pouco espaço e menos ainda tempo livre para se dedicar a cuidados com animais de estimação. “O gato é mais fácil de cuidar, fica mais tempo sozinho, não destrói a casa. É o animal ideal para quem tem menos tempo e, no período em que você está com ele, traz a mesma satisfação que qualquer outro pet”, explica Christine. Quanto ao espaço, se adaptam bem a apartamentos e também não fazem questão de passeios.

Esses são motivos apontados para o crescimento da escolha por gatos. De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), a população atual de gatos no Brasil é de, aproximadamente, 21,3 milhões, segundo dados de 2012. Em relação ao ano anterior, houve um crescimento de 8,19% no número de gatos domiciliados. Apesar de ainda serem mais numerosos, o aumento gradual de cães se mostrou menor, o que revela uma mudança positiva na relação entre humanos e gatos. José Edson Galvão de França, presidente-executivo da Abinpet, acrescenta que, de acordo com as previsões do órgão, em cerca de 10 anos a população felina deve se igualar à canina.

 

Rolando na fama: veja galeria de famosos que têm gatos ou apoiam a causa felina

 

Arte: Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Arte: Soraia Piva / EM / DA Press)
O aumento do apreço por gatos não se restringe ao Brasil. “Nos EUA, existem 5 milhões de gatos a mais do que cachorros, entre animais domiciliados, sem contar os que vivem nas ruas. É uma tendência mundial. Na Europa, também já existem mais gatos do que cachorros. Só não transparece muito porque os gatos vivem dentro de casa”, acrescenta a veterinária Christine.

Esse movimento de urbanização e a verticalização das cidades permite que as pessoas conheçam melhor os gatos. Ou seja, não foram os gatos que se tornaram mais dóceis e companheiros, foram os humanos que, pouco a pouco, perceberam que os bichanos são, sim, animais que amam seus donos. Recente pesquisa da Universidade de Tóquio, no Japão, citada por José Edson Galvão, expôs gatos a voz dos donos e de estranhos. A conclusão? Quando ouviam a voz dos donos, eles mexiam as orelhas em direção ao som e suas pupilas se dilatavam, reações positivas, que indicam estímulos emocionais.

Uma grata surpresa
“Sempre tive preconceito, meu primeiro gato foi uma surpresa.” A frase da estudante Camila Martins, 20 anos, ilustra seu pensamento pelos bichanos antes de cair de amores por Chaminho. Acreditava que gatos eram antissociais e pouco confiáveis. Preferia os cães. Há seis anos, num dia chuvoso, percebeu um movimento estranho na rua. Era um filhote de gato, com apenas 1 dia de vida. Tinha uma ferida no pescoço e uma patinha bem machucada. Levou o bichano ao veterinário, pagou a conta e preparou-se para ir embora. Imaginava ter cumprido seu dever.

Janine Moraes/CB/D.A Press
Camila salvou um gatinho há seis anos: "Foi a melhor coisa que fiz na vida" (foto: Janine Moraes/CB/D.A Press)
A clínica, no entanto, disse que não podia ficar com o filhote. “Eu não podia fazer mais nada. Mesmo não sendo fã de gatos, levei para casa”, conta. A partir daí, adequou sua rotina para cuidar dele, o que incluía dar leite na boca, inclusive durante a madrugada. Como foi separado da mãe no nascimento, Camila teve de ensiná-lo a se limpar, simulando lambidas com um algodão úmido em água morna.

O inevitável aconteceu. A rotina de mamãe-gata mudou totalmente a forma de encarar os bichanos: “Hoje, acredito que os gatos são muito mais carinhosos do que os cachorros e mais inteligentes em vários sentidos”. Camila continua apaixonada por cães, mas se tornou capaz de entender a personalidade e a forma de demonstrar amor dos felinos.

Nem as crises de asma, controladas por medicamentos, foram suficientes para que ela se afastasse dos bichanos. Hoje, além de Chaminho, tem dois em casa, Gracinha e Curirim, e mais sete que vivem nas imediações do terreno. Cada um com suas peculiaridades, mas todos muitos sensíveis. “Eles ficam tristes e ressentidos quando não são tratados bem e oferecem carinho extra quando percebem que os donos estão precisando”, diz.

Rosângela Ribeiro Gebara, gerente de Programas Veterinários da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA), explica que isso se deve ao forte vínculo que os felinos criam com seus donos. “Os gatos são espécies menos gregárias que o cão, vivem de maneira mais isolada e independente, geralmente consideram o ser humano como igual, como um parceiro de convívio em meio social”, explica a veterinária.

Para Camila, a pouca adesão de voluntários para cuidar de gatos é preocupante. Aos que têm dúvidas, ela aconselha: “A melhor coisa que eu fiz na vida foi pegar esse gatinho. Antes, eu tinha muito preconceito, mas o gato dá tanto amor quanto o cachorro”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA