Estudo feito com mil pacientes mostra como eles lidam com a psoríase

Doença inflamatória causa sérios problemas físicos, mas afeta também o emocional

por Flávia Duarte 14/11/2013 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Placas avermelhadas, descamações, coceira são as principais manifestações da psoríase, uma doença inflamatória da pele, muitas vezes negligenciada, mas que pode trazer outras consequências graves, como comprometimento nas articulações e alterações do sistema cardiovascular. Muito mais do que um simples problema de pele, a psoríase ainda afeta o emocional dos pacientes, que se veem discriminados pela aparência manchada e irritada da pele.

Eles também convivem com o preconceito do outro, que teme que o problema possa ser contagioso. “Doenças como a psoríase são inflamatórias, não infecciosas. De toda forma, a pele é, sem dúvida, um grande órgão de comunicação e, quando doente, expõe facilmente a pessoa a grande estigma”, comenta Lincoln Helder Zambaldi Fabricio, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Para saber como vivem os pacientes com psoríase no Brasil, e como eles lidam com a doença, acaba de ser lançado o estudo Appisot (Avaliação da gravidade da psoríase em placas em brasileiros em acompanhamento ambulatorial em centros de referência). Foram avaliadas mais de mil pessoas com o problema e cerca de 50% delas com manifestações moderadas a graves da doença.

A pesquisa concluiu que o mal causa grande impacto na vida do paciente. Muitos, 35%, deixaram de trabalhar e 70% tinham outras doenças associadas à psoríase que comprometem efetivamente a qualidade de vida dessas pessoas, como hipertensão, obesidade, colesterol aumentado, diabetes. “Trabalhos evidenciam maior incidência dessas doenças entre os pacientes. Alguns estudos ainda confirmam o risco aumentado de infarto do miocárdio entre eles. Outro ponto a destacar é o grau de introspecção do doente grave de pele, com maior grau de depressão, sedentarismo, obesidade, tabagismo e alcoolismo, o que leva diretamente ao aumento de síndrome metabólica e danos cardiovasculares e/ou arterioscleróticos”, alerta Lincoln.

Valdo Virgo / CB / DA Press
Clique para saber mais sobre o estudo e sobre a psoríase (foto: Valdo Virgo / CB / DA Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA