Avanços no tratamento de lesões cerebrais podem reduzir doações de órgãos

Cientistas da Universidade de Calgary examinaram 2.788 pacientes adultos com lesões cerebrais

por AFP - Agence France-Presse 30/10/2013 11:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O êxito na prevenção e no tratamento de traumas cerebrais na última década teve como consequência indesejada uma redução nos órgãos disponíveis para transplante, revelou um novo estudo canadense apresentado esta terça-feira (29/10).

Cientistas da Universidade de Calgary examinaram 2.788 pacientes adultos com lesões cerebrais, que deram entrada nos hospitais do sul de Alberta durante um período de 10,5 anos.

Eles descobriram que o número de pacientes com morte cerebral declarada caiu de 8,1% em 2002 para 4% em 2012.

Esta forte queda refletiu uma redução no número de mortos e feridos em acidentes de trânsito, um aumento no uso de capacetes em bicicletas e esquis, assim como avanços na hora de tratar traumas cranianos, afirmaram os cientistas.

Embora pareçam boas notícias, esses fatos não são tão bons para quem está na fila aguardando a doação de um órgão, concluíram. "Estes resultados podem refletir evoluções positivas na prevenção e no tratamento de traumatismos cerebrais", afirmaram os pesquisadores. "No entanto, a doação de órgãos após a morte cerebral constitui uma das principais fontes de órgãos para transplantes", acrescentaram.

"Sendo assim, as descobertas podem ajudar a explicar as taxas relativamente paralisadas de doações de órgãos de pessoas falecidas em algumas regiões do Canadá, que ao mesmo tempo têm implicações importantes no cuidado dos pacientes com insuficiência terminal de órgãos", prosseguiram.

Os resultados da pesquisa foram publicados esta semana na última edição da revista científica da Associação Médica Canadense.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA