Pílula anticoncepcional: tudo o que você sempre quis saber sobre elas

Desde a década de 1960, as pílulas anticoncepcionais são um dos assuntos mais falados pelas mulheres nas rodinhas de conversa

por Estado de Minas 28/10/2013 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Adauto Cruz/CB/D.A Press
Contracepção é motivo de muitas dúvidas para as mulheres (foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
Elas revolucionaram o universo feminino. Desde a década de 1960, as pílulas anticoncepcionais são um dos assuntos mais falados pelas mulheres nas rodinhas de amigas, entre mães e filhas, no trabalho, faculdade ou consultório. O método contraceptivo evoluiu bastante, mas muitos mitos ainda se propagam. Afinal, qualquer pessoa pode tomar pílula anticoncepcional? O uso contínuo do medicamento pode provocar doenças? A seguir, o ginecologista e obstetra dos hospitais Albert Einstein e São Luís, em São Paulo, José Bento tira as dúvidas mais comuns que rondam o sexo feminino quando o assunto é contracepção. Os homens também vão gostar de saber.

  • Qualquer mulher pode tomar pílula anticoncepcional?
A mulher precisa passar por uma consulta com o ginecologista antes de tomar pílula. Existem algumas contraindicações que só um médico pode avaliar, como, por exemplo, pacientes com doenças hepáticas, antecedentes de trombose, câncer de mama, câncer de útero e câncer de ovário.

  • Pessoas com problemas de circulação podem utilizar o medicamento?
As pílulas anticoncepcionais não são recomendadas para essas pacientes, no entanto, é necessário que a mulher converse com um ginecologista para avaliar o caso. Normalmente, os médicos recomendam as pílulas de baixa dosagem, que contêm menos hormônios e têm menos efeitos sobre a circulação.

  • Tomar anticoncepcional por muito tempo pode causar infertilidade?
Não, pelo contrário. A pílula anticoncepcional preserva a fertilidade da mulher e diminui os riscos de desenvolver endometriose, cisto no ovário, mioma e pólipo uterino.

  • O uso contínuo da pílula pode causar câncer?
Não existe nenhuma prova de que a pílula cause qualquer tipo de câncer. O que existe é uma evidência de que ela protege a mulher contra o câncer do ovário e câncer de endométrio. Ao tomar a pílula, a mulher fica protegida também contra o aparecimento de miomas, endometriose, pólipos, cistos no ovário, alguns tipos de infecção e alterações benignas das mamas.

  • A pílula pode interromper o crescimento de pelos?
Existem algumas pílulas que diminuem a quantidade de pelos, principalmente aqueles anormais, que crescem em locais em que a mulher não está acostumada, como face e abdômen. Outras também melhoram a acne e a oleosidade da pele.

  • Existe algum horário ideal para tomar o anticoncepcional?
A melhor hora para tomar pílula é durante a noite. O conteúdo hormonal será absorvido pelo estômago enquanto a mulher está dormindo, portanto, a chance de efeito colateral será menor.

  • A pílula perde o efeito quando é tomada por muito tempo?
Não, pelo contrário. Quanto mais tempo a mulher tomar a pílula, maior o efeito contraceptivo.

  • Pílulas anticoncepcionais podem causar dependência?
A mulher pode se sentir mal quando interromper o uso da pílula ou fizer uma pausa de quatro a sete dias, mas é por causa da queda hormonal. Isso não indica dependência.

  • Na troca de anticoncepcional, há riscos de uma gestação?
Se o anticoncepcional for trocado sem interromper sua orientação de uso, não tem risco nenhum.

  • É possível escolher uma versão genérica ou similar da pílula que consta na receita?
É preciso prestar muita atenção, pois nem sempre a composição do remédio similar ou genérico é exatamente a mesma do medicamento indicado pelo especialista e os resultados podem ser prejudicados. Na dúvida, converse com o seu médico para saber qual a melhor opção.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA