Jovens fazem sexo com menor frequência que geração passada, diz estudo

Porcentagem de entrevistados que declarou ter relações sexuais 'semanalmente ou mais' caiu 6 pontos

por AFP / Relaxnews 14/08/2013 15:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Vadym Drobot/Shuttertsock.com
Os jovens de hoje estão mais abertos a aventuras amorosas casuais? Na verdade não. Pelo menos, de acordo com um estudo dos EUA (foto: Vadym Drobot/Shuttertsock.com)
Um novo estudo norte-americano indica que o mito da 'festa do sexo casual' no período universitário pode mesmo não passar de um mito. Relatórios caracterizam a experiência na faculdade como "uma nova e abrangente cultura de amassos, em que os alunos fazem sexo regularmente, sem manter vínculos," disse o co-autor Martin Monto, professor de sociologia na Universidade de Portland. "Isso implica que o campus da faculdade se tornou um ambiente mais sexualizado e que estudantes estão tendo mais relações sexuais do que no passado", acrescentou. "Ficamos surpresos ao descobrir que este não é o caso."

Monto e sua equipe usaram uma amostra nacionalmente representativa de mais de 1800 estudantes de faculdade, com idade entre 18 e 25 anos, tirada da pesquisa General Social Survey. Em seguida, eles compararam as respostas de 1988-1996 com as que datavam de 2002-2010, uma era muitas vezes descrita como uma "cultura dos amassos", disse ele.

Entre a pesquisa 1988-1996, 65,2% dos entrevistados relataram ter relações sexuais semanalmente ou mais no ano passado, em comparação com 59,3% dos estudantes universitários da atual "era do amasso."

Além disso, 31,9% das pessoas da primeira pesquisa relataram ter mais de um parceiro sexual, em comparação a 31,6% dos estudantes universitários contemporâneos. Além disso, 51,7% do grupo da primeira fase de estudos comparados relataram ter mais de dois parceiros sexuais depois de completar 18 anos, em comparação com 50,5% dos pesquisados em 2002-2010.

Em termos de atitudes em relação a outras normas sexuais, os pesquisadores descobriram que estudantes universitários contemporâneos não eram mais receptivos do que os do grupo anterior quando assunto é sexo nas idades de 14 e 16 anos. A mesma opinião se deu em relação a adultos casados que têm amantes ou sexo antes do casamento entre adultos. Mas os estudantes universitários contemporâneos foram significativamente receptivos quanto à relação sexual entre adultos do mesmo sexo.

Monto acrescenta, no entanto, que os estudantes sexualmente ativos da pesquisa de 2002-2010 estavam cerca de 10% mais propensos a relatar que um dos seus parceiros sexuais durante o ano passado era ou um amigo ou alguém que conheceram casualmente.

Monto apresentou os resultados da pesquisa ontem, na 108ª Reunião Anual da Associação Sociológica Americana , em Nova York. O estudo segue a mesma lógica de outro de 2012, que descobriu que ao invés de dar uns amassos, o sexo, no sentido de relacionamento romântico, é a norma na faculdade. Entre 7% e 18% dos 483 entrevistados tiveram relações sexuais em um determinado mês, enquanto que uma média de 25% a 38% deles tiveram relações sexuais com um parceiro em um relacionamento romântico. Esses resultados foram publicados no Journal of Adolescent Health.

VÍDEOS RECOMENDADOS