Banda Nem Secos faz show em homenagem ao legado de Caetano e Gil

Apresentação comemora os 50 anos da Tropicália e ainda vai contar com a presença de nomes representativos da cena independente de Belo Horizonte

por Redação EM Cultura 21/07/2017 08:30

Fernando Prates/Divulgação
Banda apresenta repertório especial na noite desta sexta-feira, 21, no Teatro Bradesco. (foto: Fernando Prates/Divulgação )

Mais viva do que nunca, a Tropicália surgiu com a proposta de mesclar a cultura brasileira com inovações estéticas radicais surgidas na década de 1960. A revolução no cenário artístico e musical está completando 50 anos. Na noite desta sexta-feira, 21, a banda mineira Nem Secos faz show para celebrar esse marco.

 

Além de revisitar canções emblemáticas do movimento – Alegria alegria, de Caetano Veloso; Domingo no parque, de Gilberto Gil; Cadê Tereza?, de Jorge Ben Jor; e Divino maravilhoso, de Caetano e Gil –, o septeto vai apresentar duas composições autorais: Anti-heróis e A seita que não aceita. Ambas estão no repertório do novo CD da Nem Secos, com 18 faixas, cujo lançamento está previsto para o fim do ano.

Carlos Linhares, um dos integrantes da banda, afirma que a influência tropicalista sobre o grupo está diretamente ligada a Caetano Veloso. ''Ídolo de gerações, o Caetano é muito presente, até hoje buscamos referências nos trabalhos dele. Além disso, a maioria dos fãs relaciona a Tropicália a ele'', observa.

Nesta noite, dividirão o palco com a Nem Secos nomes representativos da cena independente de Belo Horizonte. Dolly Piercing, Guilherme Ventura, Maíra Baldaia, Michelle Oliveira, Nobat, Robert Frank, Roger Deff e Sérgio Pererê estão entre esses artistas. ''O que marca a Tropicália é a diversidade. A gente consegue misturar rock, MPB, bossa nova e samba. Cada um desses convidados vem incrementar o nosso show com sua energia. É uma mistura de linguagens'', diz Linhares.

REPRESSÃO

Com sua poesia particular, as letras do Nem Secos trazem críticas sociais e abordam temas do cotidiano de uma forma diferente. ''Parece até coincidência. O movimento também criticava a repressão. Cinquenta anos depois, a gente enfrenta novamente um momento político-econômico delicado. É uma chance de retomar o espírito tropicalista e libertário'', comenta Carlos Linhares.

Com o mote ''é permitido permitir'' – alusão à canção É proibido proibir (1968), de Caetano Veloso –, a expectativa dos mineiros é lotar o Teatro Bradesco. ''Estamos trabalhando nessa apresentação há bastante tempo. Nos ensaios, já sentíamos as boas vibrações e o resultado ficou bem bacana. Além de relembrar sucessos, será uma grande manifestação cultural. A ideia é quebrar paradigmas e discutir o Brasil'', explica.

No hall do Teatro Bradesco, estará em cartaz a exposição Tropicália 50 anos, que revisita aquele período de efervescência cultural por meio de fotos e trabalhos de alunos do Colégio Loyola. A curadoria é de Amanda Lopes.

TROPICÁLIA 50 ANOS
Com banda Nem Secos e convidados. Nesta sexta-feira (21/7), às 21h. Teatro Bradesco, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1360. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA