Com 44 anos de carreira, Ney Matogrosso recebe o Prêmio da Música Brasileira

Sem medo da velhice, o cantor faz parceria com a Nação Zumbi para reler as canções do Secos & Molhados

por Mariana Peixoto 10/07/2017 08:00
Alice Venturi/divulgação
(foto: Alice Venturi/divulgação)
Homenagem nunca foi com ele. Já recebeu alguns convites, inclusive para virar enredo de escola de samba. Educadamente, mas com firmeza, disse não a todos. “Não tenho esse espírito”, afirma Ney Matogrosso. Até que o produtor José Maurício Machline lhe falou do Prêmio da Música Brasileira. Não teve como negar.

No dia 19, Ney Matogrosso subirá ao palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro para receber loas à sua trajetória. Vai cantar também – Bandido, Balada do louco, Pro dia nascer feliz e Rosa de Hiroshima, músicas selecionadas por Machline –, além de ouvir colegas interpretando o seu repertório,

A despeito das dificuldades por que passa o prêmio no início de sua terceira década, pode-se afirmar que a festa vai ser bonita. Porque Ney é homem do palco.

“Disco sempre foi um pretexto para chegar ao palco. No começo da carreira, tinha dificuldade com estúdio. Depois que passei a entendê-lo, o foco continuou sendo o palco. Disco é só voz. O palco é o resto todo”, afirma.

E que “resto”... Cantor de timbre único, sua presença cênica sempre vai além da voz. Cenário, figurino, maquiagem, iluminação, nada é gratuito. Tudo está a favor da performance, sempre única. Tem sido assim nos últimos 44 anos, desde que ele surgiu como integrante do grupo Secos & Molhados.

Prestes a completar 76 anos (em 1º de agosto), Ney está vivendo um momento inédito na carreira. Há quatro anos e meio continua em cena com o mesmo show – Atento aos sinais, já visto por mais de uma ocasião em Belo Horizonte, tanto em teatro quanto na rua. “Tenho agenda até o fim do ano. E, a cada vez, fico mais impressionado, pois os shows estão se esgotando com antecedência. As outras turnês duravam dois anos e meio, no máximo”, comenta.

Ney não se diz cansado da turnê: “Só me canso fisicamente, o que é normal, mas não de fazer o show, pois em cada lugar, quando a apresentação tem início, alguma coisa se acende na plateia. E isso me acende.”

A idade não o assusta. “Tenho observado que a velhice é apenas externa. Por dentro continuo sendo o mesmo. É interessante ver como só a matéria envelhece”, diz. A voz mudou pouco. “Não perdi as notas agudas. Perdi algo como a ‘cor’ da voz. Tenho algo mais grave que não tinha antes, que para mim fazia falta. Ou seja, por um lado, a mudança está sendo positiva. Mas é claro que vai haver o momento de um impedimento, pois estamos falando de músculos também.”

O momento, a despeito de qualquer coisa, é de mirar o futuro. O artista já tem um esboço consistente do repertório de seu próximo álbum. Vai ter inéditas, garante, embora não esteja preocupado “em lançar novas músicas”.

“Na verdade, no momento atual, quero cantar tudo o que me dê vontade. Quero abrir o disco com Eu quero é botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio), gravar O que será (Chico Buarque), mas na versão que a Simone fez para o filme Dona Flor e seus dois maridos (1976), e Coração civil (Milton Nascimento e Fernando Brant), músicas que me inspiram”, revela.

NAÇÃO ZUMBI Antes disso, há outro show que muito provavelmente deve render uma turnê. Em 22 de setembro, Ney se une à Nação Zumbi para uma apresentação no Rock in Rio. Ele e a banda pernambucana vão reler o repertório do Secos & Molhados, que Ney integrou entre 1973 e 1974.

Em maio, o vídeo com o registro da canção Amor, com Ney e a Nação, foi saudado por fãs de ambos. A percussão e a guitarra características do grupo pernambucano deram peso e uma atualizada na canção. E os agudos de Ney combinaram com os graves de Jorge Du Peixe.

Até agora, pouco foi decidido sobre o show. Na semana passada, o cantor foi a São Paulo para iniciar as conversas com os integrantes da Nação. “Não sabemos ainda como será o show. Sei que também vamos fazer o repertório deles e de Jackson do Pandeiro, que eu pedi. Temos tempo para ensaiar, não estou preocupado com o show. Ainda. Porque na época vou ficar maluco”, admite.

A vontade de trabalhar com a Nação vem de alguns anos. Ney queria que a banda tivesse gravado Atento aos sinais com ele. “Chegamos a conversar, mas eles tinham falado sobre um trabalho com a Marisa Monte (o CD e DVD ao viv

O encontro no palco tem gerado tanta expectativa que mesmo antes de o show estrear já há convites para apresentá-lo em outras cidades. “Recebemos propostas, mas não aceitamos nenhuma, pois ainda não temos o que oferecer”, explica Ney. Por ora.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA