Colunista acusa Bob Dylan de plágio e citação falsa em discurso do Nobel

Texto contém referências inventadas sobre o romance Mob Dick, além de notas a respeito da obra apropriadas do site Spark Notes, espécie de guia de estudos online, diz Andrea Pitzer, do site Slate Magazine

por Estado de Minas 14/06/2017 13:33
Divulgação
(foto: Divulgação)
Bob Dylan teria plagiado parte de seu discurso de agradecimento pelo prêmio Nobel de Literatura
, conquistado em dezembro do ano passado. A suspeita foi levantada pela colunista Andrea Pitzer, do Slate Magazine.

Segundo Pitzer, Dylan cita em seu texto o romance Moby Dick, de Herman Melville. Trata-se, no entanto, de notas apropriadas sobre o livro originalmente publicadas no site Spark Notes, espécie de guia de estudos online, que tem uma página dedicada a Moby Dick. Vinte referências ao clássico contidas no discurso do lendário músico são semelhantes às anotações divulgadas no Spark Notes, afirma Andrea.

Anunciado como vencedor do Nobel de Liberatura em dezembro de 2016, Bob Dylan entregou seu discurso apenas em 4 de junho. Mais que um pronunciamento, trata-se de uma exigência estipulada pela Academia Sueca para entrega da láurea em dinheiro - cerca de U$ 900 mil. O vencedor tem 6 meses para enviar o texto. Dylan o fez perto da data limite.

As acusações de Andrea Pitzer partem de uma observação feita pelo escritor Ben Greenman. No dia seguinte à entrega do discurso de Dylan, ele publicou em seu blog que o cantor inventou uma das citações a Mob Dick. A certa altura do texto, o artista faz referência a um sacerdote, que teria dito: “alguns homens feridos são levados a Deus, outros à amargura”. Greenman garante não ter encontrado a passagem em nenhuma edição de Mob Dick.



Em suas investigações, Pitzer descobriu que o trecho é muito parecido com o vários pedaços do conteúdo do site Spark Notes. Lá, o suposto sacerdote aparece, descrito como “alguém cujas provações o levaram a Deus em vez de amargura”.

As denúncias da colunista terminam com outras acusações, que vão além do discurso do músico americano. Andrea disse ainda que a apropriação de títulos e citações pode ser observada em outros episódios da carreira de Bob Dylan. É o caso do álbum Love and Theft (Amor e Roubo), que teria relação direta com a obra homônima de Eric Lott, sobre apropriação da cultura negra.

Também não seria a primeira vez que o artista inventa citações. De acordo com Pitzer, o ex-presidente  dos Estados Unidos Abraham Lincoln (1809-1865) teve falas que nunca teriam saído de sua boca incluídas na música Talkin’ World War III Blues.

Andrea Pitzer diz ter procurado a gravadora de Bob Dylan para falar sobre o assunto, mas não teria obtido resposta

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA