Formadas sem pretensão, duplas musicais se destacam na cena independente

Bandas como Royal Blood e White Stripes, ou os brasileiros do The Baggios, repetem a formação usada por duplas sertanejas

por Alexandre de Paula 14/06/2017 08:40
Snapic/Divulgação
Criada em Sergipe, The Baggios tem quatro discos e tocou no Lollapalooza. (foto: Snapic/Divulgação)
Quando se pensa em duplas musicais, a primeira coisa que vem à cabeça são cantores sertanejos. O universo dos duos, porém, é muito mais complexo. Na cena rock and roll, algumas bandas, como a Royal Blood (que lança o disco How did we get so dark? na sexta-feira, 16), provam que é possível fazer música pesada e muito barulho com pouca gente.

Os britânicos Ben Thatcher (bateria) e Mike Kerr (baixo e vocal) não pensavam exatamente em formar um duo quando começaram a se apresentar em bandas na faculdade. Mas a força dos dois foi canalizada para o Royal Blood. ''Nunca foi planejado'', afirmou Kerr.
 
O som dos rapazes ganhou o aval de medalhões do rock. Jimmy Page (Led Zeppelin), Dave Grohl (Foo Fighters) e Lars Ulrich (Metallica) elogiaram o trabalho dos dois. Singles do disco previsto para sexta já estão na internet.

Outra dupla que se destacou no mundo pop foi o White Stripes. Formada por Jack e Meg White, conquistou milhares de fãs com seu rock direto e agressivo. Os dois eram casados e o duo começou sem muita pretensão em 1997. O casamento acabou em 2000, mas a banda seguiu até 2011.

BAGGIOS
No Brasil, os sergipanos Júlio Andrade (guitarra e voz) e Gabriel Carvalho (bateria) formaram meio por acaso o The Baggios, que já se apresentou algumas vezes em BH. ''Estávamos sem banda e com muita vontade de tocar. Como não tínhamos mais amigos interessados, fomos os dois para o estúdio improvisar e fazer releituras de grupos que costumávamos escutar na época'', relembra Júlio Andrade.

A brincadeira deu certo. Os dois lançaram quatro discos, apresentaram-se em grandes festivais como o Lollapalooza e chamaram a atenção na cena independente. Tocar em duo – em vez de banda – tem lá suas vantagens, diz o guitarrista. ''Os shows são bem dinâmicos, com grande liberdade de improviso. É mais fácil fazer turnê, há menos custos com passagens. Afinal, a dupla cabe em qualquer sala de amigo'', afirma Andrade.
 
Abaixo, conheça The Baggios:
 
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA