Thiago Rabello lança disco solo Venha

Composições do novo trabalho foram inspiradas em seus momentos de introspecção

por Márcia Maria Cruz 09/06/2017 08:00
Patrícia Meira/Divulgação
Patrícia Meira/Divulgação (foto: Patrícia Meira/Divulgação)
Se sua geração acredita que tudo é para ontem, Thiago Rabello, de 25 anos, busca outro caminho no disco Venha, fruto de três anos e meio de trabalho. O primeiro álbum solo do cantor e compositor mineiro será lançado amanhã no Freud Bar, em Nova Lima.


“Não é muito comum levar três anos e meio num trabalho. Há aquele desejo de urgência de lançá-lo o mais rápido possível, mas aí você lança e, quando começa a ouvi-lo, pensa que poderia ter feito diferente. Quando você dedica o máximo possível a um trabalho, demora mais para encontrar os defeitos”, argumenta Thiago.

A ideia de gravar o disco surgiu no fim de 2013, quando ele voltou a Belo Horizonte depois de morar em São Paulo e se dedicar à banda In Box, voltada para o público jovem. O grupo, que tocava na cena underground e em grandes eventos, suspendeu temporariamente as atividades. Thiago, então, resolveu apostar na carreira solo. Um dos incentivos veio do pai, o pianista José Namen. “Ele me disse: ‘Como você compõe desde novo, deveria investir no seu trabalho’”, relembra.

Namen e Marcelinho Guerra produziram o álbum, que conta com as participações de Nelson Faria (guitarra), Felipe Continentino (bateria), Frederico Heliodoro (baixo), Marco Lobo (percussão) e Aloízio Horta (baixo), além do próprio Namen (arranjos e piano) e as cantoras Mariana Nunes e Jéssica Lima.

A faixa-título Venha traduz o espírito do CD, um convite do artista para que o ouvinte mergulhe no trabalho. “Foi uma das primeiras músicas que compus ao perceber que estava no caminho de enfrentar minhas questões”, explica. Thiago ressalta que as canções questionam o sentido da existência, como é o caso de Consciência. O repertório passa a mensagem de perseverança, mostrando que do outro lado dos momentos difíceis pode-se encontrar algo bom. Esse sentimento inspirou a faixa Viver.

Nos arranjos, Thiago dialoga com elementos do jazz, pop, rock e da MPB. As composições resultam do período de recolhimento pelo qual passou. “As letras nascem de um momento de muita introspecção. Estava muito calado e sozinho, questionando as coisas. Era como se a vida estivesse passando no piloto automático, quando de repente você toma uma porrada. As composições me ajudaram a passar por uma fase difícil.”

Nesse período, ele ouviu os discos A página do relâmpago elétrico, de Beto Guedes, e Clube da Esquina 2, de Milton Nascimento e parceiros. Outra referência do jovem

“A In Box tocava pop rock. Quando pensei em fazer o meu projeto MPB, Lenine foi uma influência importante por ser um som moderno, muito elegante. Ouvi-lo me motivou”, conclui.

VENHA

Lançamento do disco de Thiago Rabello. Amanhã, às 23h. Freud Bar, Rua Nossa Senhora de Fátima, Vale do Sereno, Nova Lima. Ingressos: R$ 15. O CD será vendido a R$ 10.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA