'Sgt. Peppers' completa 50 anos como um dos discos mais importantes do século 20

Lançado pelos Beatles em 1967, álbum fez história na música e faz a cabeça do público até hoje

por Pedro Galvão 24/05/2017 09:00

Parlophone/Reprodução
Com a turnê comemorativa do disco, Paul McCartney se apresenta em BH. (foto: Parlophone/Reprodução)

Se uma única imagem fosse escolhida para representar a música no século 20, o amontoado de personalidades na retaguarda do quarteto em uniformes militares carnavalescos provavelmente seria a favorita. Não é para menos. Lá estão Edgar Allan Poe, Marilyn Monroe, Bob Dylan, Marlon Brando, Oscar Wilde, Gustav Jung e Lewis Carroll, assim como os próprios Beatles, ali representados como eram conhecidos até então, para testemunhar o lançamento daquele que é considerado por muitos o álbum mais importante não apenas do grupo britânico, mas da música. Há 50 anos, os quatro rapazes de Liverpool assumiam a alcunha de Sargent Peppers Lonely Hearts Club Band na obra que os transformou definitivamente em lenda.

A capa mirabolante é quase uma obra de arte. Se nos lançamentos anteriores os Beatles já apresentavam trabalhos mais maduros do que o iê-iê-iê que os tornou venerados por milhões de fãs, o salto foi ainda maior nas 13 faixas do oitavo título da discografia, lançado em 1º de junho de 1967. À base de guitarra, baixo e bateria, às vezes acompanhada de piano, violão e percussão, foi acrescentada a musicalidade indiana e orquestral sob a precisa supervisão do produtor George Martin. Esse denominador comum entre rock, pop e música erudita viria a influenciar gerações de músicos até hoje.

''A história do Sgt. Peppers é pegar a capa e falar: meu Deus do céu, o que será que tem aqui dentro?'', afirma o tecladista Henrique Portugal, que gravou e lançou 11 álbuns com o Skank. Com importante carreira no rock nacional, ele reforça que a grandeza do disco aniversariante vai muito além da música. ''O pacote inteiro é interessante e começa pela capa, que algumas pessoas têm como quadro na parede. Além disso, ele carrega o posicionamento artístico e social da época em que a cultura pop estava estourando''. Portugal teve a oportunidade de gravar com o Skank nos estúdios Abbey Road, onde Sgt. Peppers foi produzido com processos tecnológicos inovadores para a época.

CAMINHO
A riqueza de detalhes artísticos do álbum, apesar de inspiradora, faz com que o tecladista questione a produção atual. ''Ver uma banda tão grande ter tanta inovação num álbum serve de caminho e inspiração para outros artistas fazerem o mesmo, mas hoje em dia isso se perdeu um pouco. Nós, do Skank, sempre gostamos de pensar a música com a capa, com o conceito. É bom relembrar isso hoje em dia, já que nas plataformas digitais como o Spotify e o Deezer a gente não encontra a informação de quem fez a capa, quem produziu, em qual estúdio foi gravado. É preciso buscar em outras fontes'', afirma.

 

 

Se o guitarrista do Skank era bebê quando Sargent Peppers sacudiu o mundo, o álbum foi trilha da adolescência de um ícone do Clube da Esquina. Lô Borges tinha 15 anos quando ele surgiu. ''Acompanhava os lançamentos com muita vontade, muito tesão. Cada disco que saía era um presente'', lembra. Um de seus sucessos se chama Para Lennon e McCartney, parceria de Lô com Fernando Brant e Márcio Borges. ''Como comprava todos (discos), parecia só mais um. Depois percebi que era diferenciado, inovador e muito capitaneado pelo Paul (McCartney), que teve a ideia do ‘Sargento Pimenta’ e colocou para os outros. Era totalmente inovador, experimentalista. Não só na parte musical, mas nas letras'', observa.

A concepção de McCartney era criar uma banda fictícia inspirada nos grupos musicais militares da chamada era eduardiana, na primeira década do século 20. De lá surgiram os uniformes coloridos usados pelo quarteto na capa e o personagem Sargento Pimenta. Aproveitando o contato do guitarrista George Harrison com a música indiana e influenciado pelo movimento hippie, o projeto flertava com a psicodelia, que costumava ser associada ao consumo de alucinógenos como o LSD.

DROGAS 

Embora antes do lançamento Paul tenha admitido que os integrantes da banda haviam consumido drogas, ele sempre negava que as canções fizessem apologia ao ácido lisérgico ou a outros entorpecentes. Isso não foi suficiente para evitar que A day in life fosse banida pela rádio BBC.

O universo em torno do Sargento Pimenta inspirou grupos de BH. Fundada em 1990, a Sargent Peppers Band se tornou uma das principais bandas cover de Beatles do Brasil. Foi a primeira do país a participar da Beatleweek de Liverpool, em 1994. ''O disco é um marco, um divisor de águas, deixou os Beatles num ponto fantástico'', explica Eduardo Gallo, a voz de John Lennon no grupo. ''A cada show, vemos o brilho no olhar tanto dos mais velhos quanto dos mais jovens. Por isso continuamos'', explica Eduardo, que tinha 16 anos quando Sgt. Peppers foi lançado.

Uma das autoridades no assunto em BH é Aggeu Marques. Desde 1984 integrante de várias bandas dedicadas a reproduzir a obra do quarteto inglês – entre elas a Hocus Pocus, a primeira da cidade –, ele criou a BH Beatleweek, realizada desde 2012. Além de reverenciar as inovações propostas pelo álbum, Aggeu observa: ''Ele coloca o Paul no mesmo nível de John Lennon, que era o ídolo e autor dos maiores sucessos até então. Sgt. Peppers marca a virada, quando os Beatles começam a ter mais a cara do Paul, inclusive a maioria das faixas foi escrita por ele''.

MINAS 
Além do cinquentenário de Sgt. Peppers, 2017 marca a segunda passagem de Paul McCartney pela capital mineira. Ele vai se apresentar no Mineirão, em 17 de outubro. ''A partir de julho, vamos promover a Trilogia Paul McCartney. A primeira etapa, em 1º de julho, é Paul e os Beatles, e aí obviamente entram músicas do Sgt. Peppers. Em 1º de outubro, vamos fazer a segunda parte, Paul e Wings, com sucessos dos anos 1970, e, em dezembro, na BH Beatleweek, teremos a parte final, Solo years, com os sucessos dos anos 1980 até hoje”, explica Aggeu, que atualmente se apresenta com o tributo The Yesterdays.

PAUL EM BH
Ingressos estão à venda para o show de Paul McCartney em 17 de outubro, no Mineirão. As entradas estão disponíveis no site da Tickets For Fun. Os preços variam de R$ 175 (meia-entrada, cadeira) a R$ 850 (inteira, pista premium). Bilhetes estão disponíveis para todos os setores, exceto a cadeira roxa inferior.

EVENTOS

» Edição comemorativa dos 50 anos de Sgt Peppers será lançada na sexta-feira, 26. Produtos multimídia estarão à venda no site oficial da banda. Os preços ainda não foram anunciados.

» Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band anniversary edition tem quatro CDs e um vinil duplo, um disco com 34 gravações inéditas e faixas originais remasterizadas por Giles Martin, filho de George Martin. As gravações incluem Strawberry fields forever e Penny Lane, que não faziam parte do álbum originalmente. O kit inclui um livreto de 144 páginas.

» Sexta-feira, 26, estreia no Reino Unido o documentário Sgt. Peppers & Beyond, dirigido por Alan G. Parker.


FAIXAS


Lado A

Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band
With a little help from my friends
Lucy in the sky with diamonds
Getting better
Fixing a hole
She’s leaving home
Being for the benefit of Mr. Kite!


Lado B

Within you without you
When I’m sixty-four
Lovely Rita
Good morning good morning
Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band (Reprise)
A day in the life

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA