Próximo dos 75 anos, Milton Nascimento fala sobre sua volta aos palcos

'Acho que agora já dá para começar de novo', diz Bituca, que em 25 de março estreia turnê 'Semente da Terra' em BH

por Agência Estado 20/02/2017 00:31
Camila Ávila/Divulgação
(foto: Camila Ávila/Divulgação)
Milton Nascimento deixou o violão de lado por uns tempos. Na manhã de sexta-feira passada, 10, pegou o instrumento e cantou Caçador de Mim, momento registrado em vídeo e postado em suas redes sociais. A música de Luiz Carlos Sá e Sérgio Magrão, que ele tomou para si em antológica gravação no álbum homônimo de 1981, ilustra bem a vitalidade do compositor a caminho de seu aniversário de 75 anos, em outubro. Um mês especial, que também marca os 50 anos de lançamento de Travessia, no Festival Internacional da Canção. “Agora, sinto que estou me caçando de novo. Daqui da varanda de casa, tenho o prazer de ver bem de perto as montanhas, as nuvens e as árvores. Estou muito feliz de estar de volta”, diz Milton nesta entrevista exclusiva.

Carioca criado em Três Pontas, no sul de Minas, Milton é a principal referência musical do Estado. Ele deixou o Rio de Janeiro, onde morava desde os anos 1980, há nove meses, quando se mudou para Juiz de Fora. Augusto Kesrouani, seu filho adotivo e responsável por sua carreira, estuda na cidade. Desde fevereiro de 2016, o compositor está distante dos palcos. Ao retomar o contato com suas raízes, decidiu voltar para a estrada com o show Semente da Terra. A primeira apresentação ocorre no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, no dia 25 de março. Os ingressos já estão à venda.

O repertório foi montado por Danilo Nuha, seu assessor de imprensa, que escolheu clássicos do compositor com conotações políticas e sociais. A questão indígena, racismo, trabalho, e mobilização social dão a tônica das canções. O nome do espetáculo, que deve passar por São Paulo no início do segundo semestre, é o mesmo que Milton recebeu de lideranças espirituais da tribo guarani-caiová depois de uma apresentação em Campo Grande. Sua relação com os índios é antiga e gerou até um disco, Txai (1990), com o objetivo de apoiar a Aliança dos Povos da Floresta.

Para Milton, Semente da Terra é um show em que ele se coloca diante das injustiças e das turbulências contemporâneas. “O mundo todo tá danado. Esse show tem muito a ver com o que a gente sempre pensou e continua pensando da vida. É político, mas não é panfletário. Acho que o ser humano foi feito pra ser feliz, viver e criar, o que está ficando difícil para todo mundo”. Ele diz que uma das razões que o levou a sair do Rio é a situação instável da cidade. “O Rio é uma cidade linda, que eu adoro, e estou muito triste com o que acontece lá. Eu já não conseguia me sentir à vontade e não saía de casa”.

A estrada também cansou Milton, que teve de adiar e cancelar apresentações por motivos de saúde entre 2014 e 2015. Em Juiz de Fora, ele leva uma rotina tranquila e saudável. Faz exercícios, vê novelas e recebe amigos e admiradores como a cantora Gal Costa e o ator Alexandre Nero. Revigorado, quis se reencontrar com o público.

“Até um tempo atrás, eu estava meio sem querer mexer com essas coisas, mas agora estou querendo. Eu e meu filho começamos a tocar umas músicas aqui em casa e isso dá uma saudade enorme do povo”, conta ele. Os comentários com pedidos de shows são frequentes em suas redes sociais, incentivo extra para a montagem de Semente da Terra.

Admirador de vozes femininas, Milton convidou a cantora mineira Bárbara Barcellos, que prepara seu primeiro álbum, para participar do show. Ela foi apresentada ao compositor pelos irmãos Wilson, diretor musical de Semente da Terra, e Beto Lopes, que o acompanham há anos. “Recebi um disco em que ela cantava músicas minhas e achei lindo demais. Quando fomos chamar o pessoal pra fazer parte desse show, a gente quis que ela estivesse conosco.”

Como disse Fernando Brant em uma célebre música com Milton, a vida é feita de encontros, mas também de despedidas. Falar das recentes mortes de um de seus principais letristas e do percussionista Naná Vasconcelos o emociona. Milton conta que Brant, seis meses antes de morrer, foi visitá-lo com Ronaldo Bastos, outro parceiro constante.

Naquele dia, Brant iria contar que tinha um tumor no fígado. Não teve coragem. “Saber disso foi um baque. Eu e ele pensávamos juntos, foi uma pessoa maravilhosa que passou pela minha vida. Quando o conheci, ele não fazia letra. A primeira da vida dele foi Travessia, que ele só fez porque eu insisti”.

Com Naná, que participou de discos históricos como Milton (1970) e Milagre dos Peixes (1973), Milton tentou estabelecer contato por telefone durante uma internação do percussionista, que dava gargalhadas do outro lado da linha. “Nem deu para conversarmos direito. Ele era uma loucura, tudo de bom que uma pessoa pode ser. Além de ser um dos maiores percussionistas que eu já vi na vida, conhecia tudo da música do mundo inteiro”, afirma Milton.

Reconhecido como um compositor de linguagem universal, Milton é reverenciado no exterior desde o lançamento do disco Courage (1969), produzido por Creed Taylor, com arranjos de Eumir Deodato. Em maio do ano passado, ele foi a Boston receber o título de Doutor Honoris Causa na Berklee College of Music, “em reconhecimento às suas muitas realizações e conquistas na carreira. Sua música tem influenciado gerações de músicos e enriquecerá, para sempre, a música popular”, afirma a carta enviada a ele pela instituição.

Ele diz que aceitou o convite mineiramente desconfiado. “Uma vez, dois caras de lá vieram tocar comigo. Aí comecei a pensar que o pessoal de lá era muito cheio de pompa, nem gostava que falassem pra mim da escola. Chegando lá, vi que não era nada do que eu estava pensando. A escola não tem nada a ver com as pessoas, a pessoa é a pessoa”. Na Berklee, Milton recebeu um diploma e viu uma apresentação dos formandos tocando suas composições.

Depois de reouvir suas gravações antigas e voltar a tocar violão e piano, Milton já pensa em compor. Diz que as ideias já estão na cabeça e as melodias saem naturalmente. “Acho que agora já dá para começar de novo, sabe? Está do jeito que eu gosto e isso dá uma injeção de ânimo. É um barato”. Milton já não quer parar.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA