Gilberto Gil faz canção para Yamandú Costa

'Sinto que minha responsabilidade só aumentou', disse Yamandú diante da homenagem

por Agência Estado 12/01/2017 08:19
Maria Tereza Correia/EM (e) e Beto Magalhães/EM (d)
(foto: Maria Tereza Correia/EM (e) e Beto Magalhães/EM (d))
Yamandú Costa estava em um táxi, saindo do Aeroporto do Galeão em direção à sua casa, no bairro de Botafogo, no Rio, quando recebeu o vídeo em que Gilberto Gil aparece cantando para ele. Sim. Gil, do alto da poltrona da qual pode ver a música brasileira a dois palmos acima da mortandade, pegou o violão e compôs uma canção para o jovem violonista gaúcho Yamandú cheia de ginga e devoção. Isso mesmo. Gil faz em geral deferências às três colunas que seguram o teto de sua eterna casa de pau a pique que o acompanha desde a infância em Ituaçu, no interior da Bahia: Dorival Caymmi, João Gilberto e Luiz Gonzaga, com um Bob Marley de lambuja. Ele sabe a força que têm suas notas e suas palavras, não as desperdiça nem as coloca no tabuleiro das jogatinas para lançar moda. Gil está dois palmos acima disso.

Pois desta vez, entre um e outro horário dos medicamentos que toma para o tratamento de uma insuficiência renal, Gil apanhou o violão, lembrou da paixão furiosa que move as mãos de Yamandú Costa e gravou para lhe entregar, nas palavras do próprio violonista, "um abraço musical". Mas foi mais do que isso. Gil estendeu um tapete vermelho a Yamandú, como se vê poucas vezes na música brasileira. "Eu mesmo não me lembro de uma música que fale de um músico dessa forma", diz Yamandú, ainda sob o efeito anestésico do susto.

É assim que Gil canta sorrindo enquanto é gravado por um celular: "...Yamandú, com seu violão ligeiro, parece que é pressa mas é só suingue à beça / e bossa e pulsação no corpo inteiro / Só quem segue o Yamandú / é o frisson do pandeiro / Vê se pegue o Yamandú, lá vai / o Yamandú não deu / e o Yamandú chegou primeiro".

Há, como sempre, um jogo harmônico acompanhando a letra, que Gil nunca explica. Aqui, seus acordes caminham cromaticamente, casa por casa, criando uma tensão e simulando uma corrida. É a forma de dizer sobre o estilo Yamandú de tocar, algo que fez o crítico Tárik de Souza chamá-lo de "Jimi Hendrix do violão". "Eu vou hoje mesmo ver o Gil em uma festa na casa do (jornalista) Moreno para agradecê-lo pela música", diz Yamandú. "Sinto que minha responsabilidade só aumentou, imagine Gil falando isso de você."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA