Aos 70 anos, Maria Bethânia lança CD e DVD duplos com 41 canções

'Abraçar e agradecer' celebra cinco décadas de carreira da cantora, que prepara mais um álbum e livro

por Mariana Peixoto 25/12/2016 11:36
Rosilda Cruz/Divulgação
"O Brasil de que gosto é aquele que fica bem longe de Brasília" (foto: Rosilda Cruz/Divulgação)
A cada noite ela fez tudo exatamente igual. Porém, cada noite é diferente. Dura quase cinco horas o caminho de Maria Bethânia de seu hotel, na Zona Sul de São Paulo, até o palco do HSBC Brasil. Ao longo de duas noites de agosto de 2015, foi ali gravado o CD e DVD Abraçar e agradecer, espetáculo que comemorou seus 50 anos de carreira. O show, que rendeu seu novo registro audiovisual, chega às lojas no apagar das luzes de 2016, e é um luxuoso projeto duplo, que inclui livreto cheio de fotos e texto de Nelson Motta.


Um texto de Bia Lessa, diretora do show, na voz de Renata Sorrah, refaz o caminho de Bethânia até o palco. Conversa com sua equipe; ajusta algumas músicas com a banda; arruma a própria maquiagem e o cabelo; janta uma comida simples, trazida numa vasilha de plástico; prepara a voz; concentra-se; faz uma oração com seus músicos; veste a roupa e sua coleção de pulseiras. Por fim, sem dizer uma só palavra, caminha, já descalça, para a entrada do palco.


“Lógico que no Opinião (show que marcou sua estreia nos palcos, em 1965, em substituição a Nara Leão), onde eu nem sabia onde estava, não tive essa preparação. Achava que seriam quatro dias e logo voltaria para minha vida na Bahia. Mas, desde 1967, tenho essa mesma disciplina. Sou muito soltinha, um espírito livre. Preciso de regras”, afirma Bethânia.
Hoje com 70 anos, a grande cantora brasileira é também a mais incansável delas. Trabalhou até o dia 20, onde concedeu as últimas entrevistas sobre o lançamento. Agora, descansa, mas sempre de olho no próximo trabalho. Abraçar e agradecer não lhe pertence mais. É do público.


“Não gosto de me ver no vídeo. Só vi a abertura e o final porque a Bia veio em casa me pedir. Mas não caio nessa não, pois não gosto de me observar.” É algo paradoxal, ainda mais porque Abraçar e agradecer é o 17º registro audiovisual da cantora. “Adoro o que faço, mas enquanto estou fazendo. Depois, acabou para mim, quero outro. E DVD (de show) assisto só um pouco, o que acabou criando problemas com amigos que venero. Me perguntam: ‘Mas você não viu? Te mandei!’. Tenho certa preguiça, gosto de ver ao vivo.”

PIAF O DVD
duplo reúne, no primeiro disco, o show que rodou o país – foi visto em BH no Palácio das Artes em maio do ano passado. No registro, ela desfia 41 canções. É uma celebração com um tom histórico muito forte, mas também com um olhar para o que o futuro pode reservar.


As músicas são executadas uma seguida da outra, sem pausa. Por vezes há apenas um trecho de canção, deixando nenhum espaço para improviso ou mudanças no roteiro. “É um exercício que Piaf ensinou para todas as cantoras do mundo. Pegue as canções que lhe tocaram, trabalhe tecnicamente até que isso se esgote. Aí você vai ser a canção. Ou seja, com a técnica apurada, (a interpretação) fica espontânea.”


É do repertório de Édith Piaf um dos pontos altos do show. Sua interpretação absolutamente pessoal de Non, je ne regrette rien (Michael Voucaire e Charles Dumont) é um dos grandes momentos da apresentação, já na parte final.
Seguindo sua própria cartilha, Bethânia ainda recita poemas de Fernando Pessoa e Clarice Lispector. Mas é a música que alinhava toda a história. Da cantora do mar (Eu e água, Abraçar e agradecer), à mulher do interior (Eu, a viola e Deus, Criação), há ainda aquela que canta seu povo (Xavante, Povos do Brasil) e a que sempre teve a religião a seu lado (Oração de Mãe Menininha).


Canta seus compositores da vida inteira: Caetano Veloso, Chico Buarque, Gonzaguinha, Dorival Caymmi e reúne inéditas ao repertório, caso de Viver na fazenda e Voz de mágoa, ambas de Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro, além de Silêncio, de Flávia Wenceslau.


O segundo DVD reúne outros registros de homenagens aos 50 anos da trajetória de Bethânia, como o enredo Maria Bethânia, a menina dos olhos de oya, que deu à Mangueira o título de campeã do carnaval deste ano, e a exposição Maria de todos nós, no Paço Imperial, no Rio.

DOUTORA MARICOTINHA
A cada nova temporada de shows são pelo menos três meses de ensaio. E tem que ter sempre algo novo. “Isso é o que eu adoro. Já tenho recebido muita coisa”, comenta ela, que em 2017 grava novo álbum de estúdio. Mas não há pressa. “Começo a trabalhar logo no primeiro semestre, mas é um trabalho caseiro.” Por ora, recebeu novas canções de Chico César, Flávia Wenceslau e Roque Ferreira. “Se aquilo bate, se tem a minha cara, escolho. Sou intérprete, então tenho que achar os meus motivos (para gravar uma canção).”


Mas até que um novo álbum chegue, outros projetos que envolvam Bethânia terão sido lançados. Um deles é o documentário Karingana (que significa a arte de declamar), que será lançado em 2017 no canal pago Curta!. Em outubro, ela foi pela primeira vez a Moçambique, na África, para participar do registro. Apresentou em Maputo, ao lado dos escritores Mia Couto e José Eduardo Agualusa, o espetáculo Ensaio poético.
“Adorei tudo. Fui homenageada numa escola pública, muito humilde e longe do Centro. Os alunos fizeram um dia de apresentação. Foram quatro horas com o meu repertório. E achei Maputo muito parecida com Santo Amaro. Na pobreza e na alegria”, conta.


No retorno ao Brasil, ela recebeu, da Universidade Federal da Bahia, o título de doutora honoris causa – Bethânia completou apenas o ensino médio. “Imagina eu, doutora. Foi muito bonito, pois houve uma aclamação de todas as cadeiras das faculdades de artes. Fiquei muito comovida”, acrescenta ela, que na ocasião se denominou “doutora Maricotinha”.
Há outras iniciativas em curso sobre sua trajetória, como o livro Então, Maria Bethânia. No trabalho, que será lançado em breve, Bia Lessa reuniu 400 fotografias da cantora de diferentes autores. “Ainda não vi, mas tudo o que a Bia faz é muito benfeito. Esse livro foi feito com essa lei em que se pode fazer o que quiser. Fazem muitas coisas com meu trabalho, pois meu trabalho é com o Brasil”, comenta ela.


Um Brasil que Bethânia vem lamentando. “Temos muito por que chorar. É tanto erro, tanta repetição, tanto desrespeito. Isso é para a gente gritar. Mas, ao mesmo tempo, existem belezuras que só o Brasil tem. Este é o Brasil da gente. O Brasil de que gosto é aquele que fica bem longe de Brasília”, conclui.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA