Quatro décadas depois, Gil ouve a própria música censurada

Ao lado dos filhos, cantor divertiu-se ao escutar 'Rato miúdo', do disco 'Refazenda', censurada em 1975

por Agência Estado 22/10/2016 15:41

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Facebook/Reprodução
Gilberto Gil com a filha Preta Gil, o neto e a bisneta (foto: Facebook/Reprodução)
 

O criador ouve sua criação. Quarenta e um anos depois de ter a música Rato miúdo censurada em seu disco Refazenda, Gilberto Gil, ao lado dos filhos e dentro de um estúdio, ouve e sorri com ela divertindo-se como um novato. Na noite de quinta-feira, ele divulgou vídeo em que aparece cantando as frases que lembra da música.


A canção já havia sido divulgada na terça-feira, 18, pelo compositor e cineasta Jorge Alfredo Guimarães. Agora, Gil comenta em sua página no Facebook: "Noite boa pra ouvir Rato miúdo em família. A música entraria em Refazenda mas foi censurada e somente no início dessa semana a descobri com vocês #PelaInternet no canal de seu compositor Jorge Alfredo", escreveu.

 

Marcelo Fróes, que produziu a coletânea Ensaio geral, de Gil, fez uma correção ao artista. "Rato miúdo não se trata de sobra de estúdio. Na verdade não é sobra do Refazenda. Foi gravada junto com Sítio do picapau amarelo e Gaivota um ano depois. Achei nas sessões de oito canais quando fizemos aquele box pra PolyGram em 1998", escreveu.

 

Censura O que levou Rato miúdo a cair nas tesouras dos militares censores foram partes como esta "por ter sido julgado incapaz, definitivamente, podendo exercer atividades civis". "Gil teve que retirar a música do show e do LP Refazenda, e não colocou nenhuma outra no lugar", escreveu o compositor.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA