Zé Miguel Wisnik encerra temporada da série Sinfônica Pop em BH

Indicado ao Grammy Latino e vencedor do Prêmio Jabuti de literatura, Wisnik é músico, compositor, escritor, ensaísta e professor universitário

por Estado de Minas 30/09/2016 16:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

RENATO STOCKLER/DIVULGACAO
(foto: RENATO STOCKLER/DIVULGACAO)
Zé Miguel Wisnik é o convidado da Fundação Clóvis Salgado para o encerramento da temporada deste ano da série Sinfônica Pop, no Grande Teatro do Palácio das Artes. O artista se reúne pela primeira vez com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob regência de Silvio Viegas, e interpreta composições próprias. As apresentações serão realizadas no Grande Teatro do Palácio das Artes, nos dias 7 e 8 de outubro, às 20h30, e em 9 de outubro, às 19h. Os ingressos já estão à venda e custam R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia entrada).

Indicado ao Grammy Latino e vencedor do Prêmio Jabuti de literatura, Wisnik é músico, compositor, escritor, ensaísta e professor universitário. Nos concertos de BH, ele vai interpretar seus trabalhos mais importantes, que vão de letras para cantores da MPB a trilhas sonoras para filmes nacionais e espetáculos de dança.

Entre as canções mais significativas, estão 'Se meu mundo cair', 'Mais simples', 'Terra Estrangeira', 'Anoitecer' e 'Serenata', esta última uma versão abrasileirada da composição de Schubert. Ele também vai interpretar trabalhos feitos em parceria, como 'Xique-Xique', composição escrita com Tom Zé e que fez parte da trilha sonora do espetáculo 'Parabelo' (1997), do Grupo Corpo.

Com mais de quatro décadas de carreira, Zé Miguel Wisnik é considerado um dos maiores compositores da música brasileira e já lançou quatro álbuns de estúdio. Deixou sua assinatura em discos de Maria Bethânia, Gal Costa e Zizi Possi, além de ter firmado parcerias musicais com Caetano Veloso e Chico Buarque e produzido álbuns icônicos como 'Do cóccix até o pescoço' (2002), de Elza Soares.

 

Os arranjos foram criados especialmente para esse encontro e são assinados por Marcelo Ramos, regente e professor da Universidade Federal de Minas Gerais; pelo pianista Fred Natalino; e pelos músicos paulistas André Mehmari, Tiago Costa, Rodrigo Morte e Vagner Cunha, companheiros de Wisnik em diversos trabalhos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA