'Fora, Temer em show é uma chatice', afirma Ney Matogrosso, que vem a BH no fim da semana

Cantor diz que seu palco não é local para manifestação política, mas afirma não ver "firmeza" no novo presidente

por Ângela Faria 18/09/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Marcos Hermes/Divulgaçao
Ney Matogrosso se apresenta em BH no próximo fim de semana (foto: Marcos Hermes/Divulgaçao)
 

“Vou montar a minha tendinha”, brinca Ney Matogrosso. Não era a intenção, mas o show Atento aos sinais, que volta a BH no próximo fim de semana, acabou se revelando profético. Na pré-estreia em Juiz de Fora, em 28 de fevereiro de 2013, imagens de cidades tomadas por multidões, faixas exigindo democracia e passeatas eram exibidas no imenso telão, enquanto ele cantava “fogo, fogo, fogo, água/ incêndio nas ruas/ bomba, bomba, praça” – verso da música de Pedro Luís. Ney mal poderia imaginar: dali a três meses, o Brasil explodiria nas Jornadas de Junho tal e qual o vídeo com cenas da Primavera Árabe. Em 2015 e este ano, multidões voltariam às praças do Brasil, "rachado" entre “coxinhas” e “petralhas”.

 

Já se passaram três anos e meio da estreia. Mesmo assim, Ney assiste à explosiva reação do público, a cada noite, já no início do show. “Todo mundo tem/ direito à vida/ Todo mundo tem/ direito igual”, brada Rua da passagem (Lenine e Arnaldo Antunes), a canção de abertura, seguida por Incêndio e por Vida louca vida (Lobão e Bernardo Vilhena). “As pessoas reagem impactadas, como se fosse o bis, o final do espetáculo”, revela. Depois de mais de 90 apresentações – de Manaus (AM) a Pelotas (RS) –, a turnê não perdeu o gás. Dialoga com o momento em que o país passa por uma das crises mais agudas de sua história.

 

O cantor se recusa a transformar o palco em palanque. Acha “uma chatice” gritos de “Fora Temer!” interromperem shows, como tem ocorrido em várias cidades e com vários colegas. Diz respeitar o direito de manifestação – “Entendo todos os lados”–, mas avisa: “Não estou ali para fazer política”. Discordar dos rumos do país é diferente de fazer das palavras de ordem um espetáculo. O recado está nas próprias canções, defende. Uma delas diz: “Nobres no convés/ E os negros no porão/ Conte de um até 10/ E prenda a respiração/ Quem controla o passado/ Tem o futuro à mão/ Conheça sua história/ Não durma, irmão”. Tupi fusão é um rap composto pelo jovem alagoano Vitor Pirralho em parceria com Dinho Zampier, André Meira e Pedro Ivo Euzébio.

 

“Abordo temáticas conectadas à realidade, mas não quero botar lenha em fogueira de ninguém. Sou consciente, estou observando tudo. Não canto palavras de ordem. As letras traduzem, do começo ao fim, o meu pensamento”, afirma Ney Matogrosso. Indagado sobre os versos mais contundentes desta turnê, responde com um trecho de Rua da Passagem: “Travesti trabalhador turista/ Solitário família casal/ Todo mundo tem direito à vida/ Todo mundo tem direito igual/ Sem ter medo de andar na rua/ Porque a rua é o seu quintal”.



Preocupado "com os graves impasses do Brasil", o cantor diz não confiar no governo Michel Temer. “Não estou vendo firmeza”, comenta, dizendo que a corrupção, "de todos os lados", mergulha a sociedade no atoleiro, “do qual levaremos muitos anos para sair”. E adverte: “Não dá para livrar a cara de ninguém”. Critica o "sacrifício" que reformas recém-anunciadas imporão aos aposentados, “os mais frágeis”. Por outro lado, pondera: “Alguma coisa tem que ser mexida”.
Para ele, a volta de Dilma Rousseff à Presidência da República não resolveria o impasse brasileiro e nem eleições diretas apontam um caminho seguro. “Votar em quem?”, lamenta. “Pelo amor de Deus, alguém tem de organizar. Botem ordem neste país”, desabafa. “Até agora, não vi movimentação forte do povo como ocorreu em junho de 2013. As pessoas não vão para as ruas se manifestar? São 12 milhões de desempregados no país!”.

DIREITA O artista transgressor, que fez da libido arma enquanto a ditadura militar usava metralhadoras, está preocupado com a ação da direita. “Ela está se organizando e é perigosa”, adverte, referindo-se à articulação contrária a reivindicações das mulheres e do público LGBT, por exemplo. “Homofobia é crime, agressão à mulher é crime. Aliás, agressão a qualquer pessoa é crime”, reforça. Encantado, relembra a cena que presenciou no Rio de Janeiro. Duas adolescentes seguiam à sua frente, quando uma se negou a receber o abraço da outra. A menina, que parecia ter no máximo 15 anos, reagiu ao medo da namorada: “Temos o direito. É nosso direito”. "Há alguns anos, era impensável algo assim, sobretudo no meio da rua", constata.

 

Ney também se mostra admirado ao tomar conhecimento de que seis transexuais disputam vagas de vereador em Minas. Surpreende-se ainda mais ao saber que um artista queer, em campanha para vereador em BH, usa barba, maquiagem e trajes femininos para conquistar votos. “Minas é muito reservada, fechada. Mas quando rompe, rompe mesmo. Estoura”, comenta.
Pioneiro e libertário, o cantor, de 75 anos, diz “não poder reclamar da vida” no quesito orientação sexual. Desde a década de 1970, quando se tornou famoso no grupo Secos e Molhados, impôs respeito, neste país machista, usando a voz e o corpo como trincheira. Se agora há relativa tolerância para meninas namorarem na rua e queers lutando por espaço na política, isso se deve, de certa forma, à semente que gente como Ney Matogrosso plantou – no palco e fora dele.

ESPERANÇA Homofobia, crise, impasse político e avanço da direita preocupam, mas não tiram a esperança do cantor no país. Para ele, o cidadão brasileiro é mais esperto do que os poderosos.
“Porém, é preciso saber votar”, adverte Ney. E encerra a entrevista cantarolando “aqui vive um povo/ que cultiva a qualidade/ de ser mais sábio/ do que quem o quer governar”. Notícias do Brasil, de Milton Nascimento e Fernando Brant, não está no show, mas não deixa de soar como outra profecia de Atento aos sinais.

ATENTO AOS SINAIS
Show com Ney Matogrosso. Dias 23 (sexta-feira) e 24/9 (sábado), às 21h; dia 25/9 (domingo), às 19h. Palácio das Artes. Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400. Plateia 1: R$ 250 (inteira) e R$ 125,00 (meia). Plateia 2: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia). Plateia superior: R$180 (inteira) e R$ 90 (meia). Valores promocionais de inteira: R$ 150 (plateia 1), R$ 125 (plateia 2) e R$ 100 (plateia superior). Venda exclusiva, na bilheteria do teatro, para pacotes de dois, três ou quatro inteiras por pessoa, até acabar o lote. Desconto não cumulativo com meia-entrada e/ou outras promoções.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA