Geração 'emo' cresce e se diz sem tempo para tanta fossa

Adolescentes que gostavam de parecer tristes se tornaram adultos, mas ainda têm 'recaídas' e aderem a baladas nostálgicas do estilo que marcou os anos 2000

por 07/08/2016 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
CRISTINA HORTA/EM/D.A.PRESS
(foto: CRISTINA HORTA/EM/D.A.PRESS)

Nos pés, tênis All Star com siglas grafadas na sola. Calças justas, até dois números menores que o manequim. Camisas de manga longa cobrindo as mãos. Para os dias de muito calor, alguma camiseta de banda e uma munhequeira. Tons de preto, cinza e roxo, com poucas variações. Franja cobrindo o rosto e lápis no olho completavam o visual. Para reforçar a identidade ainda havia trejeitos típicos. Ao sentar, pés para dentro e joelhos quase se tocando. As mangas que sobravam das blusas serviam para ser mordidas.

O cumprimento era com beijinho no rosto. Se a intimidade permitisse, valia arriscar um selinho. As fotos, feitas em câmeras cyber-shot, eram tiradas de cima para baixo. Por fim, a peça fundamental: fones de ouvido sempre pendurados e expostos. Era por aqueles fios de cobre que todo life style se justificava. Eles carregavam sons de bandas como Tokio Hotel, Fresno, Simple Plan, Drive e NX Zero. Sem dúvida, o emocore foi mais que um estilo musical para quem foi adolescente no final da primeira década dos anos 2000.

As letras e melodias “deprê”, como diziam os mais velhos, sem entender muito bem o que acontecia, faziam a cabeça de meninos e meninas, raramente com mais de 17 anos. Até 2008, é verdade, eles ainda causavam estranhamento. “Eu era o estranho do colégio”, lembra Gabriel Peixoto, de 20 anos. Mas o jogo virou e, a partir de 2009, o rapaz alcançou status de pop. Foi naquele ano que Franciele Oliveira, de 21, recém-chegada a Belo Horizonte, começou a andar com a turma mais esquisita da escola. A moça vinda do interior logo incorporou o estilo. “As pessoas começavam a imitar a gente”, recorda-se, quase orgulhosa. Foi também o caso de Carolina Souza, de 22. “Acho que muitos dos que sofreram preconceito se tornaram os que ‘ditavam a moda’, em quem os outros se espelhavam.”

O tempo era outro. A MTV, por exemplo, ainda era um canal de TV de sinal aberto. A principal rede social do país era o Orkut. O Twitter era quase uma extensão dos encontros de adolescentes. E foi a partir desses canais que, catapultado pelos jovens, o emocore chegou ao mainstream. “Nessa época, o emo, que tinha sua cota no MTV, passou a ter grade na maioria da programação”, comenta Gabriel. Franciele conta que eles se organizavam em fã-clubes nas comunidades do Orkut. “Passávamos dias subindo hashtags no Twitter”, diz.

Pela pouca idade que tinham naquela época, os shows não eram o principal ponto de encontro. “Eu mal saía de casa. Era emo de internet, de tirar fotos sozinha, ver MTV o dia todo”, comenta Carolina. A internet, para ela, também teve papel importante. “O Orkut era o lugar onde a gente mais se relacionava, acredito. Comunidades de bandas, de lugares. Quando a gente entrosava, ia para o MSN.” Mas nem só de mundo virtual se fazia um emo. “Os locais de encontro mesmo eram praças e escola”, diz Gabriel. Praças como a do Papa e da Liberdade eram alguns dos principais fronts desses adolescentes.

Para se manter bem informada, Carolina chegava a juntar o dinheiro da merenda para comprar revistas. Franciele comprava todo jornal ou revista que ao menos mencionasse uma das bandas cuja carreira ela fazia questão de acompanhar. A moça estima ter gasto cerca de R$ 5 mil só nesse tipo de material, armazenado em grossas pastas.

Com o tempo, “o emocore começou a ter muitas variações daquela música triste, como é o caso do Gloria, que era um rock pesado, mas que também cabia nessa classificação”, diz Gabriel. Para ele, à medida que o estilo foi ganhando mais adeptos, “os clipes foram ficando melhores, as bandas foram ficando mais maduras”. E foi aí que o estilo começou a passar por mais transições. “Essa era a época para a gente ser sentimental, ser frágil, para a gente se descobrir. Éramos adolescente e as músicas, os visuais, as bandas falavam com a gente”, afirma. “E adolescente é bipolar. Então as músicas eram bipolares, tanto que foi do triste para o alegre em um pulo”, comenta.

Para o jovem, foi a transição para o happy rock, iniciada em 2010, que levou uma boa quantidade de emos para outros caminhos. “Foi ali que a gente começou a usar cores”, resume. Hoje, seu apetite musical não tem limites. “Abri o leque, escuto de Bumbum granada a Chopin”, diz o rapaz, que lançou o Indicaí, um site colaborativo sobre música.

Já Franciele, parceira de Gabriel na nova empreitada, e Carolina dizem que seu interesse foi se dissipando à medida que se tornaram adultas e já não tinham nem pique nem tempo para se dedicar às bandas ou ficar até cinco horas conversando com amigas por telefone sobre os artistas.

SAUDOSISMO Daquela época ficaram revistas, fotos guardadas a sete chaves, vídeos de concursos – que ainda não conseguiram remover do YouTube – e até tatuagens. Além disso, permanece nesses ex-emos um sentimento saudosista em relação ao passado que, às vezes, eles até escondem. Afinal, o emo virou termo depreciativo, muito mais usado para se referir a um estereótipo do que propriamente ao estilo musical. “Tenho saudades. Não sei se seria (emo) hoje, mas, na minha época, foi uma das melhores coisas da minha vida. Eu me descobri muito, sabe? Acho que se não tivesse passado por isso não seria o que sou hoje”, avalia Franciele. “A gente era feliz e tinha orgulho de ser triste. Na verdade, a gente não era necessariamente triste, mas mantinha um aspecto de triste”, afirma Gabriel.

No rastro desse saudosismo começam a pipocar eventos de um revival do emocore. É o caso da festa E eu que era emo?, idealizada por um grupo carioca e que já desembarcou em Belo Horizonte. Sua última edição ocorreu no mês de junho. Marcado para hoje em Maringá, no Paraná, o Encontro emo 2016 – o retorno prevê reunir mais de 12 mil pessoas, que confirmaram presença via Facebook. O grau de adesão à iniciativa incentivou a realização de um evento similar em Belo Horizonte, previsto para o próximo domingo.

Em setembro será a vez de a capital mineira receber show do Fresno. O grupo gaúcho virá comemorar os 10 anos do disco Ciano, que os fez saltar do underground para as paradas de sucesso. Para Lorena Lima, de 24, produtora do show em BH, “a cena do rock melódico no Brasil deu uma certa apagada na mídia, embora nunca tenha deixado de existir. Mas agora está voltando com tudo”. Ela acredita que o público será formado não mais por adolescentes, mas por pessoas que acompanhavam a banda desde a primeira década do milênio.

Carolina é exemplo do que Lorena quer dizer. A moça pretende ir ao show, coisa que não pôde fazer quando mais se identificava com o estilo. “Eles fizeram parte da minha adolescência e, na verdade, nunca deixaram de estar presentes.”. O show, ela imagina, trará ótimas recordações, pois sempre que escuta essas bandas o som vem carregado de nostalgia. Além disso, “até hoje me chamam de emo”, brinca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA