Arrigo Barnabé apresenta nova versão de Clara Crocodilo hoje no Palácio das Artes

Acompanhado de Paulo Braga, músico resgata seu primeiro álbum, lançado em 1980 e referência da Vanguarda Paulista

por Pedro Galvão 30/07/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gal Oppido/Divulgacão
(foto: Gal Oppido/Divulgacão)
“Ela não envelheceu, ela continua jovem.” De fato, 36 anos ainda podem garantir muita jovialidade a uma pessoa, ainda que ela seja um mutante, híbrido de humano com réptil. Mas quando se fala de uma obra musical, extremamente desafiadora e inovadora, três décadas e meia podem significar muita coisa e Arrigo Barnabé garante que Clara Crocodilo passou imune ao tempo. Lançado em 1980, o disco é um marco do experimentalismo na música popular brasileira, ocupando desde então um lugar de destaque na história da MPB. Hoje, Arrigo estará em BH novamente, apresentando uma versão mais intimista de seu mais famoso álbum, no Palácio das Artes.

“Clara”, como se refere o músico à sua própria criação, tem oito músicas. Acapulco drive-in, Orgasmo total, Diversões eletrônicas, Sabor de veneno, Infortúnio, Office boy, Instante, e a faixa que dá nome ao disco. Elas serão interpretadas por Arrigo na companhia do parceiro de longa data Paulo Braga, com quem toca desde 1988. Os dois farão um duo de piano e voz, com muitos improvisos, para recontar o romance entre um offfice boy e uma garçonete, que acaba submetendo o rapaz a experiências genéticas que o transformam em um réptil. Uma história quase tão surreal e mirabolante quanto a estética da obra original, que mistura ópera rock com elementos de outros ritmos mais tropicais e música erudita.

Para a versão que estará no palco do Grande Teatro do Palácio das Artes hoje à noite, o público pode esperar uma releitura menos barulhenta, mas tão criativa quanto. “Fiz uma redução das partes da banda para dois pianos, todo o manual a gente toca, mas aí abrimos espaço para improviso e o Paulo improvisa bem. A gente já toca por telepatia”, garante Arrigo, hoje com 64 anos. O repertório ainda incluirá outras músicas do restante da discografia desse importante membro do movimento intitulado Vanguarda Paulista.

Se a musicalidade de Clara Crocodilo mostra ser capaz de continuar em mutação, sua temática também se encaixa em uma nova era, na opinião do músico. “Esse disco foi composto durante a ditadura, o que é uma grande diferença de cenário, se comparado aos dias de hoje. No entanto, essa liberdade que temos atualmente é uma liberdade aparente, tanto por parte do Estado como pela violência urbana, por isso, Clara continua dialogando bem com a sociedade”, explica o compositor, que criou a obra como uma crítica à vida nas metrópoles. “Ele é um mutante, fruto da violência que impera nas grandes cidades, e olha que naquela época não tinha nada de X-men, hein!”, diz ele,  orgulhoso de ter concebido o personagem antes da difusão dos quadrinhos, animações e filmes da série da Marvel no Brasil.

Acostumado a encontrar outros caminhos além dos palcos, a ponto de ter na carreira participações no cinema e na TV como ator em filmes e novelas, Arrigo segue inovando. Em agosto, o artista segue para a Itália com seu projeto paralelo O Neurótico & as Histéricas, em que ele divide o palco com quatro garotas que assumem baixo, bateria, guitarra e clarinete. O paranaense ainda se dedica a outras composições musicais, de arranjos e trilhas sonoras.  

A apresentação de Arrigo Barnabé hoje à noite é parte do festival Inverno das Artes, realizado pela Fundação Clóvis Salgado. Iniciado em 1º de julho, o evento trouxe ao Palácio das Artes nomes importantes de diferentes gerações da música popular brasileira, além de espetáculos de teatro e mostras de cinema. A programação chega ao fim na próxima segunda-feira, com show de Tom Zé.

Clara Crocodilo, um suíte a 4 mãos
Show com Arrigo Barnabé e Paulo Braga. Hoje, às 21h, no Palácio das Artes (Av.  Afonso Pena, 1537, Centro, (31) 3236-7400). Ingressos: R$ 60 e R$ 50 e R$ 30 (meia) e R$ 25 (meia).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA