Festival da Sanfona reverenciou clássicos dos repertórios brasileiro e internacional

No evento realizado em Juazeiro, na Bahia, Fagner diz que o instrumento é a base do sucesso de várias gerações de artistas

por Helvécio Carlos 18/07/2016 08:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Regina Lima/divulgação
Fagner e Targino Gondim no encerramento do Festival Internacional de Sanfona (foto: Regina Lima/divulgação)
Juazeiro (BA) – Atração de encerramento do 4º Festival Internacional da Sanfona, sábado à noite, na cidade baiana de Juazeiro, Raimundo Fagner é otimista em relação à valorização desse instrumento no país. “Hoje, o forró faz mais sucesso do que o sertanejo. Sem a sanfona, que dá identidade a esse gênero musical, cantores como Wesley Safadão, com certeza, não estariam onde estão”, aposta o compositor, que gravou dois discos com Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.

Natural de Orós, no interior do Ceará, Fagner diz que sua paixão pela sanfona surgiu quando era criança. “Ela retrata muito bem a minha região, o lugar onde nasci. Representa o sentimento do nordestino não só na alegria, mas na tristeza também.” Dos ídolos sanfoneiros, Fagner aponta três preferidos: “Ouvir Gonzagão, Sivuca e Dominguinhos é uma maravilha. O conjunto da obra deles é esplendoroso”.

Com 70 discos gravados, entre álbuns de carreira e compilações, Fagner conta que está preparando “devargarzinho” o próximo CD de inéditas. Três faixas já estão gravadas. Na agenda, há também o projeto de gravar serestas com um grupo de choro de Brasília.

Além desses planos, os olhos do cearense brilham ao citar um projeto em parceria com Zeca Baleiro. “Será um repertório lindo com compositoras que surgiram dos anos 1980 para cá. Talvez role ainda este ano”, diz, sem revelar os nomes escolhidos.

Se o mercado fonográfico está em crise, Fagner não se deixa abater. Prossegue trabalhando. “Dou conta da minha agenda e me preocupo com a qualidade dos meus shows. Quero corresponder à expectativa do público. Isso me dá vitalidade para seguir”, diz.

FUNDAÇÃO O cantor e compositor não limita suas atividades à música. Com orgulho, comemora o sucesso da fundação criada por ele há mais de 15 anos, reconhecida pelo Unicef e pela Unesco. ‘’É uma outra energia, que me faz viver intensamente”, explica.

A dedicação ao próximo é uma tradição familiar. “Meus pais sempre receberam quem precisava de apoio. Minhas irmãs, professoras, também recrutavam crianças para estudar. Molequinho, eu tentava ensinar o que aprendia na escola. A fundação veio da sugestão de um amigo. A ideia tomou forma quando conheci Ayrton Senna e a irmã dele, Viviane. Ayrton foi a inspiração para pôr esse projeto em prática”, relembra.

CAPITAL Realizado anualmente na terra natal do cantor João Gilberto, o festival transforma Juazeiro em “capital oficial” da sanfona, atraindo alguns dos instrumentistas mais importantes do país, além de nomes de relevância do exterior. Iniciado na quarta-feira passada, o evento mobilizou a cidade de 260 mil habitantes, que fica à beira do Rio São Francisco.

Tendo o sanfoneiro Targino Gondim como curador, o festival comprova o ecletismo do instrumento, marca registrada da cultura brasileira. Ele tanto faz parte da tradição nordestina quanto da música gaúcha. Milton Nascimento, o líder do mineiro Clube da Esquina, não se cansa de exibir, orgulhosamente, a sanfoninha que ganhou ainda criança.

Entre os convidados estrangeiros do festival estava o americano Murl Sanders, que fez sucesso com sua versão para um clássico dos Beatles, Ob-la-di, Ob-la-da.

O filho ilustre da terra, claro, foi reverenciado em Juazeiro. A interpretação de Chega de saudade – clássico de João Gilberto e da bossa nova – ficou a cargo do Quinteto Sinfônico da Bahia e de Targino Gondim. Composições de Luiz Gonzaga e Dominguinhos marcaram presença. E o gaúcho Renato Borghetti, em dobradinha com o violeiro Daniel Sá, conquistou o público com sua versão para outro clássico: Felicidade, do conterrâneo Lupicinio Rodrigues.


O repórter viajou a convite do 4º Festival Internacional da Sanfona

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA