Jorge Vercillo apresenta nesta sexta em BH show de seu novo álbum, 'Vida é arte'

No trabalho, o cantor e compositor promove um encontro da MPB, com o jazz, blues e pop. Apresentação única será no Cine Theatro Brasil Vallourec

por Walter Sebastião 17/06/2016 12:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Tatiana Moraes/Divulgação
(foto: Tatiana Moraes/Divulgação)
Leva o título de Vida é arte o 16º disco do cantor, compositor e violonista carioca Jorge Vercillo, de 47 anos. Antes mesmo de falar sobre o show que vai apresentar hoje, às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec, ele avisa: seu projeto é o encontro da MPB com o pop, trazendo novas canções e músicas já conhecidas.

“É MPB contemporânea, encontro das águas”, define Vercillo, referindo-se à mescla de balanços brasileiros com reggae e blues, por exemplo. O artista conta que cresceu nos anos 1980 e aprofundou esse aspecto, “mas procurando intensidade e densidade”.

Entre as faixas do novo disco que definem o atual momento ele cita Amparados, Luzes que se movem pelo céu e Vida é arte. Todas dão vazão a algo de que ele gosta: falar de amor e da vida, mas abrindo espaço para o transcendental. “Somos mais do que matéria”, observa. “O amor de que falo nem sempre é aquele entre duas pessoas, mas algo maior, ligado ao além, a elementos que levam à evolução humana e à consciência”, explica.

O cantor e compositor diz que o jazz – “inclusive como sentimento” – está em seu trabalho, assim como a MPB, “a melhor música popular do mundo, talvez das galáxias”. De um vem o gosto pelo improviso e o intuitivo; da outra, “a aura de qualidade e criatividade”, que faz com que sonoridades do Brasil sejam sempre surpreendentes. Por isso, o carioca faz reverência ao Clube da Esquina. “Atualmente, neste planeta, temos sede da densidade musical deles (Milton Nascimento e parceiros). Vivemos um momento de coisas muito aquém do que gostaríamos”, observa.

O compositor apoia a educação musical nas escolas. “Precisamos formar muitos – e bons – ouvintes”, defende. “Músicos bons já temos.” E avisa: não tem preconceito quanto a gênero ou estilo, mas se reserva o direito de discutir a qualidade das composições. Tem consideração pelas letras, mas ama as belas melodias, “o absoluto na música”, enfatiza, solfejando Travessia ao telefone. “Canções assim emocionam, exaltam o ouvido, ficam na memória”, defende.

Vercillo lamenta que o sistema leve o compositor a acreditar que só se faz sucesso “com o raso e o simples”. E critica: “Saímos da ditadura militar para a ditadura estética e econômica”.

 

JORGE VERCILLO

Show hoje, às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec, Praça Sete, Centro, (31) 3201-5211. Ingressos: Setor 1: R$ 150 e R$ 75 (meia); Setor 2: R$ 130 e R$ 65 (meia)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA