Disco 'The Queen Is Dead', do The Smiths, completa 30 anos

Álbum é item fundamental para entender a música pop contemporânea

por Agência Estado 16/06/2016 18:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução/Arte da capa
(foto: Reprodução/Arte da capa)
O disco The Queen Is Dead, do The Smiths, lançado em 1986, há exatos 30 anos, é item fundamental para entender a música pop contemporânea. Apontado pela revista inglesa New Musical Express como um dos melhores álbuns de todos os tempos, o trabalho reflete uma nova experiência sonora. O argumento é embasado nos agudos mágicos de Morrissey, com letras de poesias ácidas, e um Jonhy Marr inspirado em seus riffs emblemáticos. The Queen is Dead pode mesmo ser considerado o grande disco da banda, até porque o outro grande concorrente, Hatful Of Hollow, de 1984, não é considerado um "disco de estúdio" (ele traz um apanhado de sessões para a BBC e músicas lançadas em single). The Queen Is Dead traz os Smiths em seu auge. As letras de Morrissey são eficientes. Seja nos momentos mais leves, como The Boy With The Thorn In His Side, Some Girls Are Bigger Than Others ou irônicos (Bigmouth Strikes Again, Frankly, Mr. Shankly). Há ainda os momentos de melancolia (Never Had No One Ever, I Know It's Over e There Is A Light That Never Goes Out). O disco conta com a formação clássica dos britânicos: Morrissey (vocal), Johnny Marr (guitarra e gaita), Andy Rourke (baixo) e Mike Joyce (bateria). A capa do trabalho possui ligação com o cinema. A foto traz ninguém menos que o ator Alain Delon, em cena do filme francês Terei o Direito de Matar? (L'Insoumis) de 1964. A imagem foi aprovada pelo próprio Alain Delon.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA