Criolo faz turnê para relançar oito faixas de seu álbum de estreia, que completa 10 anos

Reunindo produtores de peso, projeto dialoga com os impasses do Brasil contemporâneo

por Ângela Faria 07/05/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Otávio Souza/divulgação
(foto: Otávio Souza/divulgação )
Modernizar o passado é uma evolução musical. Com seu projeto Ainda há tempo, Criolo parece seguir à risca esse “mandamento” de Chico Science, cujo manguebeat renovou a MPB nos anos 1990. Impressiona a atualidade das oito faixas do novo trabalho. Elas faziam parte do CD de estreia do rapper, cujas modestas 500 cópias chegaram a público há 10 anos. Sob direção musical de Daniel Ganjaman, a versão 2016 dialoga com este Brasil mergulhado em crise política, corrupção e desigualdade social.

Ouça aqui as músicas do disco 'Ainda há tempo', de Criolo.

Chuva ácida, composta no início dos anos 2000, fala de desastre ecológico. “Mercúrio nos rios/ Diesel nos mares/ É, já fizeram sua parte/ E salvem o planeta...”, ironiza Criolo. O verso bem poderia ter sido feito para denunciar a recente tragédia do Rio Doce, provocada pelo rompimento da barragem da Samarco. “Tô pra ver um daqui jogar toalha/ Tô pra ver um daqui sucumbir”, canta Rael em Tô pra ver. O rap parece se inspirar nos jovens secundaristas, que, sem temer a polícia, ocupam escolas cariocas, paulistas e goianas.

Com seu jeito zen, Criolo, de 40 anos, diz que o novo projeto nasceu despretensiosamente, fruto da vontade dele e de Ganjaman de finalmente apresentar o show que Ainda há tempo não ganhou há 10 anos. Naquela época, tudo era feito com muito sacrifício. O álbum de 2006, com pouco mais de uma hora, reunia 22 composições do rapper, “trabalho de toda uma vida”, ele diz. A versão 2016 e a turnê que agora chega a algumas capitais significam a concretização de um sonho.

“A gente queria mostrar a energia das canções, contar a história delas, mostrar que ninguém deve se afastar de seu sonho”, afirma Criolo. Naquele 2006, o músico “ralava” para gravar o primeiro CD. Nem sonhava que, cinco anos depois, estouraria com o CD Nó na orelha, conquistando o respeito de Milton Nascimento, Caetano Veloso, Chico Buarque, Tom Zé e Ney Matogrosso. Virou parceiro desses ídolos.

O novo Ainda há tempo conta com respeitável tropa de choque, formada por alguns dos produtores mais talentosos do país. Tropkillaz, Nave, Ganjaman, Marcelo Cabral, Grou, Papatinho, Deryck Cabrera, Renan Samam e Filiph Neo, para usar um termo em moda, “ressignificaram” Demorô  e É o teste, entre outros raps que fizeram a fama do Criolo Doido pré-Não existe amor em SP. Pilotada por Ganjaman e Marcelo Cabral, a faixa-título é uma “pedrada”, como se diz na cena hip-hop. Não se trata de coletânea vintage “sessão nostalgia”, nem de mero remix turbinado. Tudo soa oportunamente necessário. Criolo gravou tudo de novo. Disponível nas plataformas digitais, o disco pode ser baixado gratuitamente no site www.criolo.net.

Contundente como seus versos, o rapper se indigna com as atrocidades da política brasileira. A cada corrupto que se dá bem, um garoto é assassinado na favela, declarou ele à BBC, em recente turnê na Inglaterra. O impeachment de Dilma Rousseff – “golpe”, insiste ele –, a polarização, o ambiente de ódio e intolerância impedem a sociedade de fazer a reflexão realmente eficaz para construir um novo país. Afastada a presidente, acusados de corrupção continuarão a comandar o Brasil, diz ele. “Nossa Constituição escrita não contava com a astúcia da maldade humana”, repara, enfatizando que sua gente, das quebradas e das favelas, continuará à margem da cidadania, sem acesso a educação e saúde de qualidade.

“Quem arquiteta tudo isso? O buraco é mais em cima”, indigna-se Criolo. “Enquanto os camisas amarela e vermelha se enfrentam nas passeatas, na quebrada se morre por causa da cor da pele”, desabafa. Criado na periferia paulistana, o músico fala do que viveu: amigos assassinados, a mãe, professora, ameaçada de morte. Em 2012, dos 30 mil jovens de 15 a 29 anos assassinados no Brasil, 77% eram negros, aponta a Anistia Internacional.

Porém, baixo-astral não é com ele. Criolo avisa: não é pessimista em relação ao futuro do Brasil. Reitera que seu disco é “de esperança”. Por longos minutos, fala de sua admiração pela juventude que ocupa escolas brasileiras e teve a coragem de se instalar no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo para exigir educação de qualidade. “Vejo nos olhos de nossos jovens esperança, positividade e garra”, comemora.

Para ele, é má-fé atribuir o movimento dos secundaristas a intenções politiqueiras. “Os meninos estão ocupando porque destruíram a nossa educação. Não tem argumento contra. Eles não querem que fechem essa escola que já está extremamente sucateada. Aqui não tem jogo de palavras: eles lutam para estudar”, reitera.

Professor por cinco anos, arte-educador por sete, filho e irmão de professores das redes estadual e municipal em São Paulo, Criolo diz que nada justifica a humilhação imposta à categoria, desvalorizada financeiramente e obrigada a conviver com a “ridicularização” de seu ofício. “Tudo foi tirado deles. Professor é sagrado”, defende Criolo.

Ao Brasil imobilizado pela intolerância, o rapper oferece candura, convocando todos a derrotar o ódio. “Quem tem noção das coisas/ Sente o peso da maldade”, constata ele no rap Ainda há tempo, enquanto o refrão (“Não quero ver/ Você triste assim não/ Que a minha música possa/ Te levar amor”) soa como mantra.

RIO DOCE
Com beats de Sala 70 – leia-se Caio Barreto –, a faixa Chuva ácida é aberta com palavras de uma líder da aldeia crenaque, em Minas Gerais. “A única coisa que a gente quer neste exato momento é que se faça justiça. Ela vai ter que recuperar este rio que está aí”, diz a índia, referindo-se ao desastre causado ao Rio Doce pela Samarco. “Aquilo foi uma faca no coração de Minas Gerais, uma faca no coração do planeta”, resume Criolo, lembrando que escreveu a canção há 20 anos. “Pouco mudou, não é?”, indigna-se. “Peixes mutantes invadindo o Congresso/ Vomitando poluentes (...)/ Terceiro setor, vem que tem dim dim/ Vendem a ideia de que são legais/ Nadar de costas/ Vai jacaré, abraça!”, diz o rap-manifesto.

120 anos de rap

Hoje à noite, Criolo, MC Dan Dan e DJ Marco apresentam o show Ainda há tempo durante festa no Bar do Marcinho, em Macacos, Nova Lima. “São 120 anos de rap no palco”, brinca o rapper, referindo-se ao trio quarentão que desde os anos 1990 batalha pelo hip-hop brasileiro. A turnê conta com visual idealizado por Alexandre Orion e os irmãos Gil e Pedro Inoue, com produções reproduzindo as quebradas, berço do hip-hop.

A festa de aniversário de Ainda há tempo, de certa forma, celebra o rap – “a raiz da coisa”, nas palavras de Criolo. “Como ele é forte, como te dá sustentação para visitar tantas e outras histórias musicais! Mais que marcar a celebração de 10 anos, a gente quer contar uma história”, comenta.

Mais centrado no formato ritmo e poesia, o disco não aposta tanto no diálogo com outros gêneros musicais, como Nó na orelha (2011) e Convoque seu buda (2014), álbuns que fizeram a fama de Criolo. Por causa deles, aliás, muita gente chegou a dizer que o paulistano nem é mais rapper, sobretudo depois de sua parceria com Ivete Sangalo para revisitar a obra de Tim Maia.

Criolo reiteira que as construções culturais lhe interessam. Esse também é o conceito da nova turnê. Ele explica que não se trata de resgatar o rap dos anos 1990. O hip-hop brasileiro busca seu próprio caminho, dialogando com o passado, mas ligado na multiplicidade musical que marca o mundo contemporâneo. Otimista, Criolo lista trabalhos dos rappers Rael, Rashid, Fioti e Projota que serão lançados este ano. “Ainda estou sob o impacto do último disco do Emicida”, conta.

O paulistano cobre de elogios o Duelo de MCs, evento de hip-hop realizado desde 2007 em BH. Em São Paulo, ele ajudou a criar a Rinha de MCs, que completou nove anos. “Tudo isso é muito bonito e importante: jovens valorizando a arte, fortalecendo a nossa energia”, conclui.

AINDA HÁ TEMPO
É o teste – Produção: Nave
Chuva Ácida – Produção: Sala 70
Tô pra ver – Com Rael; produção: Grou
Breáco – Produção: Deryck Cabrera
Até me emocionei – Produção: Sem Grana
Demorô – Produção: Papatinho
Vasilhame – Produção: Tropkillaz
Ainda há tempo – Produção: Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral

. Oloko Records
. Download gratuito: www.criolonet

CRIOLO
Bar do Marcinho. Estrada de Acesso, s/nº Macacos, (31) 3581-3736. Hoje, 20h. Turnê Ainda há tempo. Rap.

1º lote: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia). 2º lote: R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia). Ingressos: www.sympla.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA