Cantor goiano Chal aposta no rock rural em seu segundo álbum, 'Enlace'

Curiosamente, ele aprendeu piano na infância, na juventude foi tecladista de banda cover de Pink Floyd e, depois, se converteu ao new metal

por Mariana Peixoto 03/05/2016 09:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Luciana Faria/Divulgacao
O cantor e compositor goiano Chal (foto: Luciana Faria/Divulgacao )
Goiânia é uma cidade bem demarcada musicalmente. De um lado está o sertanejo; do outro, o rock indie. Gustavo Henrique Bernardes Balduino, de 36 anos, já fez de tudo um pouco. Aprendeu piano na infância, na juventude foi tecladista de banda cover de Pink Floyd, mais tarde enveredou pelo new metal. Depois de trilhar diferentes caminhos, ele encontrou a sua praia, que, diga-se de passagem, bebe dos dois estilos musicais que dominam a capital de Goiás.

Com o nome artístico Chal (tirado das práticas de meditação), o cantor e compositor abraçou o rock rural. No segundo álbum, Enlace, ele por vezes soa como um Zé Ramalho do cerrado, noutras busca inspiração em Bob Dylan e Crosby, Stills, Nash & Young. Há um quê de sertanejo raiz na música de Chal – uma de suas referências é a histórica dupla Tião Carreiro e Pardinho.

Com voz grave, Chal é ainda prolífico compositor. Das 12 canções de Enlace, 10 são dele – há ainda versões para Foi tudo culpa do amor (Odair José e Ana Maria Iorio) e O cio da terra (Milton Nascimento e Chico Buarque), esta com a participação de Luiz Carlos Sá – de Sá, Rodrix e Guarabira –, outra referência clara no trabalho de Chal. A temática é estradeira, por vezes recaindo numa aura meio mística.

“Estou fazendo folk nacional. Goiânia não tem um mercado receptivo para isso. O rock rural ainda é restrito no Brasil. Tem como representantes, além de Sá, Rodrix e Guarabira, Raul Seixas, 14 Bis e Zé Ramalho”, admite ele, que vem conquistando público no Sul de Minas. A despeito das referências, Enlace foi registrado em cenário bem urbano: o álbum foi realizado no estúdio Toca do Bandido, no Rio de Janeiro, uma das mecas do pop rock brasuca.

Produzido por Felipe Rodarte e Constança Scofield, foi gravado pelos músicos Fernando Magalhães e Rodrigo Santos, guitarrista e baixista do Barão Vermelho, respectivamente. Cantando em português, Chal teve o inglês como carta de apresentações. Registrou em Goiânia o EP Up-country, com gravações de Johnny Cash.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA