Pearl Jam adere à causa e cancela show na Carolina do Norte devido à lei antigay

Banda se junta ao ex-baterista dos Beatles, Ringo Starr, além de Bruce Springsteen e Cindy Lauper

19/04/2016 16:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Túlio Santos/EM/D.A.Press
Ao divulgar o cancelamento da apresentação, a banda afirmou que a lei é desprezível (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
O Pearl Jam se junta ao grupo de artistas que vêm se negando a tocar na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, por causa de uma nova lei estadual considerada antigay. A polêmica legislação, conhecida como HB2, obriga que as pessoas usem banheiros públicos de acordo com o sexo de nascimento. A apresentação do grupo de Seattle estava marcada para esta quarta-feira, em Raleigh, capital do estado. Ao divulgar o cancelamento da apresentação, a banda afirmou que a lei é desprezível. "As implicações práticas são enormes e causa um profundo impacto negativo sobre os direitos humanos. Queremos que os Estados Unidos sejam um país onde ninguém possa ser afastado de seu emprego por causa de quem ama ou por ser quem é", diz o comunicado. A banda ainda pediu desculpas para os fãs que já tinham ingresso, mas os integrantes disseram estar "igualmente frustrados" com a situação. Além do Pearl Jam, o ex-baterista dos Beatles, Ringo Starr e o cantor Bruce Springsteen já haviam cancelado apresentações. Outra que se juntou à causa foi Cindy Lauper, que destinou os lucros de um show na capital da Carolina do Norte para tentar anular a legislação. A lei foi promulgada pelo governador republicano Pat McCrory no dia 23 de março e também proíbe cidades da Carolina do Norte de redigir suas próprias leis. O texto causou revolta entre membros da comunidade LGBT americana.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA