Legião Urbana e fãs celebram clássicos inesquecíveis em Belo Horizonte

Com Frateschi nos vocais, público relembrou os sucessos do grupo

por Luiz Fernando Motta 15/04/2016 00:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Vieira/EM/DA Press
Sem pretensão de reproduzir o timbre de Renato Russo, Frateschi empolga o público (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)

Uma homenagem. Não há tentativa de resgate. Este ficou por conta dos fãs, alguns claramente cofundadores, integrantes natos da Legião Urbana. Quando Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá subiram ao palco, com cerca de 20 minutos de atraso, tudo estava legitimado. O público, cerca de 5 mil pessoas, cantou cada palavra do primeiro sucesso do grupo, o hit Será, com o vocalista convidado para a turnê, André Frateschi. A performance do músico é honesta. A voz é dele, sem qualquer pretensão de reproduzir o timbre de Renato Russo.

Esperava-se que o Chevrolet Hall estivesse lotado nesta quinta-feira. O público foi bom, mas os ingressos não se esgotaram.

Depois de 30 anos do lançamento do primeiro disco da Legião, é natural que o fervor da idolatria não seja o mesmo. Algumas pessoas na plateia ficam apáticas nas canções seguintes, A dança e Petróleo do futuro, mas é impossível não notar a catarse de algumas pessoas. A primeira parte do show é a íntegra do disco homônimo da Legião. Ainda é cedo, Geração Coca-Cola e Por enquanto são, obviamente, as que mais mexem com o público. Nesta última, Frateschi abriu o microfone para o público até o trecho final da música.

Marcos Vieira/EM/DA Press
Cerca de cinco mil pessoas acompanham a apresentação que comemora os 30 anos da Legião (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)

O motivo da turnê é a comemoração dos 30 anos do primeiro registro dos brasilienses, mas a segunda parte do show indiscutivelmente empolga mais os belo-horizontinos. Um áudio de Renato Russo falando sobre as dificuldades e alegrias em ser músico precede o maior momento do show: Tempo perdido. O poder dessa letra, sua reflexão sobre a juventude, é impressionante. O hino dá início à série de hits. Daniel na cova dos leões e Há tempos não deixam a peteca cair.

Dado e Bonfá também se dedicam aos vocais, o que reforça ainda mais a não-intencionalidade de Frateschi ser Renato. O show prossegue com os convidados, o cearense Jonnata Doll e a carioca Marina Franco. Em seguida, outra presença ilustre: Paula Toller cantando Antes das seis e O mundo anda tão complicado.

Uníssono em Pais e filhos, Quase sem querer e Faroeste caboclo, esta já no bis. Impressionante como cada palavra nunca é esquecida. Tampouco esta banda. Nesta sexta-feira tem mais.

Setlist:

Será
A dança
Petróleo do futuro
Ainda é cedo
Perdidos no espaço
Geração Coca-cola
O reggae
Baader-meinhof blues
Soldados
Teorema
Por enquanto
Tempo perdido
Daniel na cova dos leões
Há tempos
Dezesseis
1965
Eu sei
Antes das seis
O mundo anda tão complicado
Pais e filhos
Angra dos reis
O teatro dos vampiros
Quase sem querer
"Índios"
Faroeste caboclo
Perfeição
Que país é esse

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA