Erasmo Carlos faz participação especial no show da cantora Tulipa Ruiz

Apresentação no Parque Municipal conta ainda com outras grandes reuniões

por Mariana Peixoto 15/04/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cesar Ovalle/Divulgação - 5/8/15
(foto: Cesar Ovalle/Divulgação - 5/8/15)
Encontros musicais são uma constante nos palcos de Belo Horizonte. O Parque Municipal inclusive foi o palco de boa parte deles, em projetos que costumam reunir diferentes gerações de músicos. Agora sob o chapéu da Aymoré, o parque mais importante da Região Central da capital assiste a três grandes encontros.

Amanhã, a partir das 19h30, o Momentos Aymoré vai celebrar a música de Graveola e o Lixo Polifônico e a cantora Juliana Perdigão; Chico Salém, lançando seu segundo álbum, Maior ou igual a dois, com a presença de Arnaldo Antunes (que colaborou neste trabalho); e Tulipa Ruiz, em show com a participação de Erasmo Carlos.

Abrindo a programação, o Grupo Trampulim vai promover uma invasão de palhaços no Parque Municipal. O show em BH é o primeiro do projeto, que pretende ir, no segundo semestre, a Ouro Preto e Pouso Alegre.

Das três reuniões, a inédita é justamente a última, que fechará a série de shows. Erasmo e Tulipa nunca estiveram juntos num palco. “Já fiz show com o Jeneci e a Céu, agora chegou a vez da Tulipa”, comenta o Tremendão. O que os dois vão fazer juntos no palco só será decidido hoje, quando se encontrarem em BH.

“Conheço a nova MPB que ela faz, acho o LP Efêmera (seu álbum de estreia, de 2010) muito bom. Acho que essa história começou com o Los Hermanos”, comenta Erasmo, que esteve em BH no segundo semestre de 2015 com dois shows: Meus lados B (o mais recente, que recupera sua produção da década de 1970) e Gigante gentil, que encerrou a trilogia roqueira formada por Rock’n’roll (2009) e Sexo (2011).

Revolução Sobre Tulipa, ele ainda comenta que “apesar de estarem se conhecendo aos poucos” sente uma afinidade por causa do lado compositora da paulista. “É o que me fascina, pois a pessoa canta sua realidade. Minha atenção sempre foi mais dirigida aos compositores do que aos intérpretes, pois esses só repetem o que alguém já fez. E um compositor, principalmente quando jovem, pode fazer sua revolução”, acrescenta.

Aos 74 anos, Erasmo não deixa o palco. Além de Meus lados B, ele também tem um show só com hits. “Não posso tocar em praça pública em festa de aniversário de cidade do interior um show só de lado B. Tem que ter sucesso”, conta. E a agenda, a despeito de tudo, vai bem. “Não está como nos outros anos, a crise está afetando todos os setores. Mas ainda dá para comprar Danoninho dos (quatro) netos”, conclui.

MOMENTOS AYMORÉ
Amanhã, a partir das 19h30, no Parque Municipal, Avenida Afonso Pena, s/nº, Centro.


Programação

19h30 – Invasão de palhaços – Grupo Trampulim
20h15 – Graveola e o Lixo Polifônico convidam Juliana Perdigão
21h20 – DJ Aída
21h45 – Chico Salém convida Arnaldo Antunes
23h – DJ Aída
23h45 – Tulipa Ruiz convida Erasmo Carlos

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA