Dionne Warwick se apresenta em Belo Horizonte no dia 1º de maio

Intérprete de alguns dos hits românticos mais tocados no mundo, cantora norte-americana faz show único no Palácio das Artes

por Estado de Minas 12/04/2016 11:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Dionne Warwick, ícone da música pop internacional, com mais de 100 milhões de discos vendidos e 5 prêmios Grammy, intérprete norte-americana das baladas românticas mais tocadas no mundo e nas rádios brasileiras nas décadas de 70 e 80, estará  em Belo Horizonte para show único e imperdível.


Será no dia 1º de maio, às 20 horas, no Grande Teatro do Palácio das Artes. A artista já esteve em 2010 em BH

Dionne Warwick/Divulgação
Artista norte-americana faz apresentação inédita na capital mineira (foto: Dionne Warwick/Divulgação)

Dona de uma voz marcante e inspirada pelo estilo gospel, que marcou sua infância, e pela soul music, Marie Dionne Warwick, nascida em East Orange, New Jersey, em 1940, é prima de primeiro grau de Whitney Houston, irmã de Dee Dee Warwick e sobrinha de Cissy Houston, também grandes divas negras norte-americanas. Ganhou fama como a intérprete preferida dos compositores Burt Bacharach e Hal David.

Ambos a presentearam com uma série de sucessos. Com mais de 50 anos de carreira, estima-se que tenha vendido mais de 66 milhões de cópias de seus discos.

Dionne Warwick esteve no Brasil pela primeira vez na década de 1960.  Desde então, a musa da música mundial nos visita, seja em turnês ou para encontrar os amigos que fez quando morou no país.

Com sua banda de músicos excepcionais, Dionne apresentará seus clássicos, num show emocionante.

Biografia
Dionne começou a cantar profissionalmente em 1961, depois de ser descoberta por uma equipe dos jovens compositores, Burt Bacharach e Hal David, e teve seu primeiro sucesso em 1962 com "Do not Make Me Over".

Menos de uma década mais tarde, já havia lançado mais de 18 Top 100 singles consecutivos, incluindo as gravações clássicas de Bacharach e David, como “Walk on By”, “Anyone Who Had a Heart”, “Message to Michael”, “Promises Promises”, “A House is Not a Home”, “Alfie”, “Say a Little Prayer”, “This Girl’s in Love With You”, “I’ll Never Fall in Love Again”, “Reach Out For Me”.

Juntos, Warwick, Burt Bacharach e Hal David, acumularam mais de 30 singles de sucesso, e perto de 20 best-seller álbuns, durante sua primeira década juntos.

Warwick recebeu seu primeiro prêmio GRAMMY em 1968 por seu mega-hit, “Do You Know The Way To San Jose?” e um segundo GRAMMY em 1970 com o álbum mais vendido, “I’ll Never Fall In Love Again”.

Ela se tornou a primeira artista solo feminina Afro-Americano da sua geração a ganhar o prestigioso prêmio de Best Contemporary Female Vocalist Performance. Este prêmio só foi dado a uma outra lenda, Ella Fitzgerald.

A apresentação de Warwick no Teatro Olympia, em Paris, durante um concerto em 1963, estrelado pela lendária Marlene Dietrich, a disparou para o estrelato internacional.

Como Warwick estabeleceu-se com grande força na música contemporânea americana, ela também ganhou popularidade entre o público europeu. Em 1968, ela se tornou a primeira artista solo afro-americana entre seus colegas a cantar para a rainha da Inglaterra em um Command Performance Real. Desde então, Warwick tem se apresentado diante de reis, rainhas, numerosos presidentes e chefes de Estado.

Em 1985, ela se reuniu com o compositor Burt Bacharach e os amigos de longa data, Gladys Knight, Elton John e Stevie Wonder para gravar a canção marco “That’s What Friends Are For”, que tornou-se o hit número um em todo o mundo e a primeira gravação dedicada a aumentar consciência e arrecadar fundos (mais de US $3 milhões arrecadados) para a causa da AIDS em apoio AMFAR (The American Foundation for AIDS Research), que Warwick continua a apoiar.
Warwick também foi artista participante no single de caridade all-star, "We Are the World", e em 1984, e se apresentou no "Live Aid".

Em 26 de março de 2012, Warwick foi introduzida ao GRAMMY Museu em Los Angeles, onde foi realizado no Clive Davis Theater uma performance e programa histórico, e foi revelada uma exposição especial em comemoração aos 50 anos de aniversario de carreira. Além disso, um painel de discussão com Clive Davis e Burt Bacharach foi organizado pelo diretor executivo do GRAMMY Museum, Bob Santelli.

Mais recentemente, Warwick lançou o muito esperado álbum de duetos com estrelas intitulado "Feels So Good", com colaborações com alguns dos maiores artistas da atualidade, incluindo Alicia Keys, Jamie Foxx, Billy Ray Cyrus, Ne-Yo, Gladys Knight, Cee Lo Green, Cyndi Lauper e muitos mais. "Feels So Good" foi lançado em coprodução por por Bright Music Records, Caroline e Capitol.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA